Silvero Pereira - Divulgação Instagram
O ator Silvero Pereira conta que sofreu preconceito da classe artística que o estigmatizou por interpretar travestis, mas diz que foi esse universo que o proporcionou reconhecimento artístico. 

No capítulo de "Força do Querer" que foi ao ar neste sábado (27/5), a travesti Elis Miranda (Silvero Pereira) foi flagrada por Biga (Mariana Xavier), sua colega de trabalho que não sabia nada sobre a identidade de gênero feminina do "retraído" motorista do patrão de ambos, Eurico (Humberto Martins), um homem inseguro e machista.


Chocada, Biga pergunta: - Você é trans?
 - Não, trans não. Eu sou travesti. E meu sonho é um dia me transformar numa artista transformista - respondeu Elis, segura de si.

Com essa fala das personagens, a novela levanta uma questão sobre a qual muita gente duvida: travesti é a mesma coisa que transexual? 

Há uma diferença, segundo a psicóloga Isabel Amora [Correio Brasiliense,  "Que T é esse?"]: a travesti não se sente desconfortável com sua genitália e, "de maneira geral, não tem necessidade de se submeter à cirurgia de redesignação sexual". Já a transexual "tem um sentimento de mal-estar ou de inadaptação por referência a seu próprio sexo e do desejo de submeter-se a uma intervenção cirúrgica".

Silvero Pereira, 35 anos, é de Mombaça (Ceará) e fundador de duas companhias de teatro em Fortaleza: a Inquieta Cia. de Teatros e o Coletivo Artístico As Travestidas [Site Diário de Quixadá]. 

Divulgação - Instagram
Ele foi descoberto por Glória Perez, autora de "Força do Querer", novela que pretende discutir a "diversidade, a tolerância, as dificuldades de compreender e aceitar o que é diferente, e fala do embate entre o querer e os limites éticos e morais que permeiam as escolhas", segundo resumo do site Gshow.

Glória conheceu Silvero em 2016, quando ainda pesquisava sobre sexualidade para a sua obra. Após assistir "BR-Trans", monólogo no qual o ator narra histórias reais de travestis e transexuais brasileiras que conheceu ao longo de catorze anos, ela o procurou. Ambos trocaram ideias sobre esse universo e com isso aconteceu a participação de Silvero na trama na pele da travesti Elis Miranda.

Caetano Veloso sobre Silvero Pereira no monólogo BR-Trans: "Gênio". Divulgação.
Outra artista que se encantou com a peça BR-Trans e com o trabalho de Silvero Pereira foi Marília Gabriela. Ela entrevistou o ator em dezembro de 2016 em seu canal do Youtube, Marília Gabi Gabriela - veja o vídeo na íntegra mais abaixo. 

Um dos destaques do bate-papo é quando o ator explica que só percebeu que ele não é uma travesti ao interpretar uma no palco, deixando a entender que experimentou esse universo mais intensamente.  

- Eu só descobri que não sou travesti fazendo isso [interpretando].
- Eu não tenho vergonha de dizer isso porque é muito importante dizer isso para as pessoas.
- Eu sofri muito preconceito da classe artística de achar que, mesmo o teatro sendo um lugar permissivo, quando você começa a se travestir no teatro, eles acham que você não é mais artista; que você agora vai para o gueto, para a boate; que você está desistindo de fazer teatro para ser a sua identidade de gênero [...].

Na pele de Elis Miranda em "A Força do Querer"
"Eu acho que nós temos uma dívida muito grande com as travestis, com as transformistas, pelo histórico que a gente tem, se imaginar desde o teatro, de seu surgimento, até passar por Shakespeare, quando surge esse termo "Drag" que é o "dress as a girl", os homens que fazem a Julieta, a Ofélia, a Gertrudes e tal, e aí, só depois que a gente tem essa ideia do drag como esse lugar de se travestir para fazer gênero e diversidade, porque antes se travestia para fazer mulher. Agora se traveste para assumir essa identidade."
- Então eu sofri muito. Fui tachado no Ceará como um ator que não era mais ator e que não era mais professor de teatro. Eu tinha uma escola de travestis e não formava mais atores, eu formava travestis.
- Quando eu digo que eu sinto orgulho de dizer que foi no teatro, me travestindo, que descobri que eu não sou travesti, porque eu entendi melhor essa identidade, sabe? Entendi melhor o que é ser travesti, o que é ser transexual, o que é ser transformista.

No vídeo, o artista fala sobre sexualidade e de sua trajetória artística e pessoal. Assista.


Diversidade e espírito aventureiro dos passageiros da Icelandair foram a inspiração para utilizar amantes gays como protagonistas de seu comercial.

A Icelandair é uma empresa aérea da Islândia, um pequeno país entre a Europa e a Groenlândia com pouco mais de 300 mil habitantes. Seus clientes são "tão diversos quanto muitos", disse o gerente de marketing da companhia, Jón Skafti Kristjánsson. "Achamos natural refletir isso em nosso material de marketing".

Por quê? Segundo Kristjánsson, porque um casal gay tem esse espírito mais aventureiro e proporciona uma escapadela romântica.


No anúncio são exibidas imagens fantásticas de paisagens da aurora boreal, passeios a cavalo, entre outras aventuras. E tudo isso em uma bucólica primavera fumegante.

"Este anúncio retrata uma viagem cultural para a Islândia que é destinada a pessoas que viajam e que curtem desfrutar a vida com seus entes queridos."

"Então a escolha é óbvia: usar um casal romântico de meia-idade. Essa ideia já havia funcionado para nós antes, mas desta vez pensamos: 'por que não acrescentar a diversidade e fazer deste casal de meia-idade um casal do mesmo sexo?".

O novo anúncio é parte de uma campanha mais ampla que focará numa gama diversificada de passageiros.

No  comercial, o narrador diz:
- Agora vocês podem acumular milhas e dinheiro para pagar os seus voos.
- Suas aventuras os aguardam.
- A ideia é levá-los até lá.
- Icelandair.

Assista ao vídeo.

O artista novaiorquino Samuel Hatmaker, conhecido como Sam Hatmaker, já criou imagens de alguns dos ícones favoritos do universo LGBT, como Madonna, Dolly Parton, Cher, Judy Garland (Dorothy), Barbra Streisand e Bette Davis. 
"Eu queria fazer mulheres que me inspiraram e motivaram", disse ele ao NewNowNext. "Alguns são pessoas que eu adorei por anos. Lynda Carter como Mulher Maravilha foi minha ídolo de infância - Dolly é meu eterno ídolo e guia espiritual."
O artista Sam Hatmaker - Facebook
Como a maioria de nós, Sam foi apresentado ao brinquedo quando criança: "Eu tinha um amigo que vinha à minha casa depois da escola e nós construíamos naves espaciais e casas, sonhando em ser arquitetos", ele lembra. A mania o acompanhou até a época da faculdade quando teve que dar um tempo, ele disse, "porque eu não tinha nenhum rendimento disponível".

Após a faculdade Sam voltou a armazenar milhares de blocos do brinquedo em caixas gigantes. Mais tarde, ele transferiu tudo para um armário de metal com mais de 80 gavetas onde classificou as peças por tamanho e cor. Foi então que começou a fazer obras de arte originais sem passar horas escavando as pilhas dos blocos Lego.


"Eu construí alguns modelos e mini-figuras personalizadas", ele lembrou. "O primeiro retrato era realmente pequeno - cerca de 10"x 10" - e tive que estilizar a imagem original. Eu fiz para dar de presente a um amigo por seu aniversário, sem ter noção de quanto tempo levaria ou quanto custaria para obter todas as peças".

Mas a reação positiva das pessoas durante a festa do aniversário levou Sam a pensar grande.

Hoje, mais profissional, os preços de suas peças variam de US$700 a US$8.000. Sam começa o trabalho decidindo qual celebridade irá fazer. Depois ele procura uma imagem icônica daquele artista, que seria identificável na forma de Lego. Então ele amplia a imagem e estabelece uma grade no topo para obter uma estimativa aproximada de quantos blocos precisará e quais cores que precisará.

É mais difícil do que parece, uma vez que Lego geralmente só fabrica blocos em dois ou três tons de qualquer cor.

Em seguida, há a escala envolvida: obras maiores podem levar mais de 40 horas para fazer, trocando as peças quantas vezes forem necessárias até que o olhar fique perfeito. Madonna, seu maior retrato até hoje, teve 5.180 blocos de Lego.


"O maior desafio em fazer as obras agora é o financiamento - as peças de Lego não são de modo algum baratas. E algumas cores são muito difíceis de encontrar."

Há muitos fãs de Lego na comunidade LGBT, algo que Sam atribui aos elementos de fantasia do brinquedo.

Sam Hatmaker - Ryan Whiting


Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que casais em união estável, héteros ou homossexuais, têm direito à mesma regra de herança do casamento, ou seja, o cônjuge sobrevivente receberá metade dos bens do casal; o resto será dividido entre outros parentes. 

Enquanto o Legislativo caminha a passos de tartaruga para decidir se aprova ou não o PLS 61/2011 que visa o reconhecimento legal da união estável entre pessoas do mesmo sexo, o Judiciário trabalha para dar um norte legal aos direitos de famílias que [ainda] não estão protegidas pela legislação atual - graças à super morosidade do Legislativo - sobre isso tem uma matéria bem polêmica aqui

A maioria dos ministros do STF, órgão máximo do Poder Judiciário, concorda que não pode haver tratamento diferente para famílias constituídas a partir do casamento ou da união estável, seja entre pessoas do mesmo sexo ou de sexos opostos. 

Segundo publicação de O Globo, a regra vale a partir do julgamento do dia 10/05/2017, mesmo quando a união estável não estiver registrada em cartório. As partilhas já definidas antes não podem ser reabertas para mudanças.

Enquanto isso, o PLS 61/2011 emperrou nas mãos do senador Magno Malta lá do Legislativo que é contrário ao projeto que visa alterar dois artigos do Código Civil. Em um deles, o núcleo para a formação da união estável será alterado, deixando de ser entre "homem e mulher" e passando para "duas pessoas". O outro artigo possibilitará a conversão de união estável em casamento


Casais com orientações sexuais diferentes devem possuir os mesmo direitos civis - Foto Nigel Tan
O senador, percebendo que o projeto era aprovado nas intermináveis comissões que o julgaram, e como estratégia de retardar ainda mais essa peregrinação legislativa, entrou com um recurso questionando os procedimentos regimentais da votação na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ). Ele disse que já está com o recurso preparado para que o plenário não aprove o projeto.
"A minha posição o Brasil conhece, eu tenho princípios. O que eu devo aos homossexuais? Devo respeito e eles também me devem, porque são regras de boa convivência. Mas eu não preciso aplaudir a opção sexual deles. Sou contra esse casamento, e não só eu, mas a maioria absoluta dessa Casa, que vive em um país majoritariamente cristão. Vai vir para o plenário e no plenário ele será diluído", declarou o senador ao O Globo.
Com isso, o senador conseguiu mudar toda a tramitação do projeto de lei.

Voltemos ao Judiciário que, mesmo com seus problemas, pelo menos ao decidir algo, nos ensina com seus argumentos fundamentados em leis e costumes sociais civilizados.

Na decisão, o artigo do artigo do Código Civil que dava ao companheiro viúvo, ou viúva, 30% dos bens adquiridos ao longo da união, destinando o restante para outros familiares, foi declarado inconstitucional. Agora, vale para a união estável a regra do casamento, em que o cônjuge vivo recebe metade dos bens do casal e a outra metade é dividida entre outros parentes.

"O Código Civil, quando desequiparou, para fins de sucessões, o casamento e as uniões estáveis, promoveu retrocesso e uma hierarquização entre as famílias que a Constituição não permite. A Constituição trata as famílias com o mesmo grau de respeito e consideração. No caso em julgamento, os integrantes da união homoafetiva viveram juntos por 40 anos. Nem as uniões convencionais costumam durar tanto", disse Luís Roberto Barroso, relator de uma das ações.

A decisão foi tomada em dois julgamentos: um deles era de um casal heterossexual que vivia em união estável e o outro, de um casal homossexual. Nos dois casos, os companheiros vivos contestaram a forma de divisão da herança, porque a Justiça havia concedido a eles apenas 30% dos bens adquiridos na união estável. Os casos têm repercussão geral. Pelo mecanismo, juízes de todo o país ficam obrigados a tomar a mesma decisão em processos sobre o assunto.
"Essa Corte já definiu que a família não é só constituída pelo casamento civil. A proteção da família deve ser igualmente aplicada, independentemente do tipo da família, não importa se é constituída pelo casamento, união estável homoafetiva ou heteroafetiva." 
"Não me parece que o Código Civil traga um elemento discriminador razoável para diferenciar o companheiro do cônjuge. Não me parece que o Código Civil está respeitando nem a igualdade, nem a solidariedade ao privar o companheiro de 40 anos de seu quinhão da herança, só por não ter o casamento por papel passado", afirmou Alexandre de Moraes.

"Não há dúvida alguma de que há distinção entre casamento e união estável. Mas também não me parece ter dúvida alguma de que essa diferença não pode constituir uma discriminação e uma hierarquização, como se houvesse na sociedade famílias de primeira e segunda classe", declarou Fachin.

Apenas os ministros Marco Aurélio Mello, Ricardo Lewandowski e Dias Toffoli votaram pela diferenciação entre casamentos e uniões estáveis, sejam elas compostas por homossexuais ou heterossexuais. Para esses ministros, se o legislador criou os dois tipos de união, não faria sentido conferir a eles condições iguais.

[Tradução: "Quando todas as minhas esperanças e sonhos de "Talvez um dia..." se realizam. Obrigado a todos os nossos familiares e amigos por nos ajudar a criar o melhor dia de nossas vidas."]

O atleta olímpico britânico Tom Daley e o roteirista vencedor do Oscar Dustin Lance Black se casaram no Castelo de Bovey no Reino Unido, no último final fim de semana.

Apesar dos contratempos que quase puseram tudo a perder (confira aqui), Daley e Lance se casaram em grande estilo e, olha, foi um lindo casamento!

Agora, os recém-casados compartilharam algumas fotos da bela cerimônia.

As imagens revelam que a celebração matrimonial foi especial e os dois estavam radiantes. 

Que o casamento seja tão lindo quanto esse momento. Confira as fotos que os maridos disponibilizaram para nós mortais.




Paris Jackson em campanha publicitária, bem parecida com Madonna
Por Silvio Frazão

Aperte os cintos porque vamos assistir, de camarote, a muito drama sobre a vida de Madonna dentro e fora das telas.

A Universal Studios já está negociando com Paris Jackson - filha de Michael Jackson - para que ela protagonize a biografia não autorizada de Madonna.

Em janeiro, Paris estrelou uma campanha publicitária para a qual posou para fotos em frente à Torre Eiffel, Paris. Ela aparece exatamente com uma jovem Madonna [foto acima]. Aos 18 anos, estava bem à vontade nas fotos e parece elegante e sofisticada com uma saia de lápis midi e top de manga comprida, toda de branco.

O projeto, que no momento tem o título de "Blonde Ambition" (Ambição Loira - tradução livre), foi escrito por Elyse Hollander. Ele passou anos como assistente do diretor 'nada famoso' Alejandro Gonzalez Inarritu, que tem no currículo filmes consagrados, como "The Revenant" ("O Regresso", com Leonardo de Caprio) e "Birdman" ("A Inesperada Virtude da Ignorância", título em português, com Michael Keaton) entre muitos outros. 

O filme será dirigido por Brett Ratner e contará a ascensão da carreira de madonna dos anos 1980, nos clubes de NY, ao mega sucesso "Like a Virgin".

Madonna já se pronunciou em um post de seu Instagram no mês passado. E não gostou. Ela chamou Brett de víbora, mas depois apagou o comentário e escreveu outro no lugar onde postou foto da década de 1980 no qual se lê: 
"Ninguém sabe o que eu sei e o que vi. Só eu posso contar a minha história. 📚 Qualquer outra pessoa que tente é um charlatão, um tolo, que procura dinheiro instantâneo sem trabalhar. Essa é uma doença de nossa sociedade.”


Enquanto isso, Paris Jackson morre de rir vendo a conta bancaria crescer. A "It Girl" da indústria fashion é a nova cara da marca Calvin Klein. Dizem que o contrato está na casa dos milhões de dólares. 

Em seu Twitter, Paris postou uma colagem com fotos dela e de Madonna lado a lado (acima). Ambas quando crianças e adultas.


 Silvio Frazão
Jornalista, 40 e alguns, carioca de nascimento e californiano por opção. Aquariano que sonha com o com o Hugh Jackman, mas também com a felicidade de todos, independentemente de sexo e religião. Fanpage: facebook.com/silvio.f.costa.
Protesto em Berlim contra a perseguição dos gays na Chechênia: 'O mundo está assistindo' - Foto Getty Image 
Um fugitivo checheno que abandonou a república russa para escapar da perseguição aos gays, compartilhou um relato angustiante de sua fuga para a revista russa Snob.

O homem, que pediu para permanecer no anonimato por medo de retaliação, compartilhou a história perturbadora de um adolescente de 17 anos, que teria sido empurrado da sacada do 9 º andar de um prédio por seu tio, depois de contar à família que era gay.

O homem disse que foi o seu mulá [espécie de guru local] quem revelou esse triste acontecimento após ele próprio contar ao religioso que é gay. 
O mulá teria dito ao fugitivo: "Como checheno e como homem eu não quero vê-lo mais aqui. Nem na mesquita, nem neste distrito. Eu quero que você vá embora agora, porque tudo o que você falou é a coisa mais repugnante que você poderia expor. Espero que seus parentes tenham a dignidade de lavar a sua desonra. Vá embora."
Antes de ir embora, o mulá teria lhe contado sobre a morte do jovem de 17 anos.

Na semana passada, sobreviventes da perseguição relataram que as famílias de homens gays e bissexuais estão sendo convidadas a participar da morte de seus parentes nos presídios locais.
Cartaz do protesto em Berlim que diz: "Putin teme os gays" - Getty
"Mate seus entes queridos ou iremos matá-los de qualquer maneira", é a mensagem que autoridades policiais enviam aos parentes de homens homossexuais. Chamam essa atrocidade de  "lavar a honra com sangue".

Alguns aparentemente cometeram o ato.

Segundo o G1, Vladimir Putin, presidente da Rússia, teria declarado no dia 05/05 que investigará as supostas perseguições a homossexuais na Chechênia, depois de a chanceler alemã, Angela Merkel, questioná-lo sobre esse tema.
"Falei com o procurador-geral e o ministro do Interior para que ajudem" a ombudsman de Direitos Humanos do Kremlin, Tatiana Moskalkova, a verificar estes supostos abusos, anunciou Putin, segundo um comunicado do governo.
A procuradoria-geral abriu uma investigação, mas as autoridades russas quase não reagiram à denúncia. O porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, declarou que as informações da Novaya Gazeta [jornal indepentente que investiga o caso] não haviam sido confirmadas. 

Segundo o jornal, as autoridades da Chechênia teriam detido e torturado mais de 100 homens gays na região.
Foto:The Sun
O atleta olímpico mais queridinho de Londres, Tom Daley, 22, vai casar com Dustin Lance Black, 42, nesse final de semana, mas postou foto numa cama de um hospital e preocupou os fãs.

Essa matéria tem uma pegada que não é bem o perfil do blog, mas é incrível como tem notícias envolvendo o casal Dustom - olha, formou um 'shipp' bacana.

Instagram: "O que não te mata te fortalece..."
A principal notícia dos dois é o casamento daqui a algumas horas. Mas eis que Tom postou a foto acima e a subtitulou com o tiro: "O que não te mata te fortalece. De volta ao batente em breve". 

Seus fãs inundaram seu post do Instagram com mensagens preocupadas. Um deles comentou: "Por favor, nos diga o que aconteceu com você?"

Outro escreveu: "Fique bem logo."

Quando perguntado sobre seu grande dia no início deste ano, Tom não conseguiu esconder sua excitação. Ele respondeu: "Estou no meio dos preparativos juntamente com Lance e tudo é muito divertido! É emocionante."

Os amigos no entanto acham que o casal tem muita roupa suja para lavar antes de se dirigir ao altar e temem que esteja acelerando o casamento numa tentativa de por uma pá de cal sobre as rachaduras geradas por várias revelações sórdidas.

Tom foi pego 'brincando' com outros caras no início de 2017. Duas vezes.
Foto: Metro
Numa delas, ele convidou o modelo Edward William, 27 [à direita na foto acima], para sua casa. Enquanto isso, Lance viajava a trabalho para o exterior.

Daley também admitiu que fez traquinagens on-line com um fã.

Uma fonte do tabloide The Sun disse: "Tom e Lance estão determinados a prosseguir com o casamento, mesmo com tantas adversidades".
"Vai ser uma ocasião encantadora e eles estão muito animados, mas nós achamos que eles deveriam ir mais devagar depois de tudo o que passaram."


O [SSEX BBOX] - assim mesmo, entre chaves -, grupo que movimenta projetos sociais com foco na população LGBT, acaba de lançar uma campanha com ativistas de todo o mundo para combater a homofobia na Rússia.

O movimento utiliza as letras LGBTQIA para abranger outros grupos além das lésbicas, dos gays, dos bissexuais e dos transexuais: "Q" para os 'queer', "I" aos intersexuais e "A" representa tanto os assexuados como os "aliados"  - os antigos simpatizantes. 

A palavra homofobia foi substituída pelo grupo por "homolesbotransfobia" - nesse caso, os grupos citados no parágrafo anterior ficou de fora. 

O projeto global foi denominado "Kremlin Kiss-In" e é "contra o silenciamento da população LGBTQIA na Rússia". E quer a sua ajuda.
"Na Rússia, LGBTQIAs estão sendo calados pelo governo Putin. A Parada LGBTQIA foi banida por lei por 100 anos! E a liberdade de expressão está cada vez mais restrita. Por isso, faremos o maior beijaço digital do mundo onde protestos públicos de cunho LGBTQIA dão cadeia: no Kremlin de Moscou."
Para participar, você pode enviar um vídeo ou uma foto beijando quem você quiser. Para compreender melhor, visite o site do [SSEX BBOX] aqui ou confira as explicações do vídeo abaixo.