Há significativas diferenças entre ser e parecer ser gay no mundo dos famosos. Principalmente para a causa dos homossexuais.

Poucos artistas e atletas masculinos, famosos e gays, saíram verdadeiramente do armário e não se arrependeram.

Há muitas discussões. Algumas pairam nos "prós", outras nos "contras", mas o número de celebridades influentes e assumidamente gay pouco se aproximou daquilo que podemos considerar encorajador para que outros busquem nesta experiência uma razão convincente para seguirem o mesmo caminho.

Esta semana, o ex-jogador de  basquete John Amaechi (à direita), 39 anos, primeiro atleta da história da Liga Nacional de Basquete Norte-Americana - NBA, a assumir publicamente em 2007 a homossexualidade, declarou ser mais fácil um meteoro cair na cabeça de um atleta de primeira linha da Liga do que este admitir-se gay, dando a entender que sua decisão em nada contribuiu para os colegas.

Mas não é outro o motivo senão a imagem do profissional que está em jogo. Sempre se fala que medo de rejeição do público é o fator peso-pesado. Em ascensão e ganhando dinheiro, pouquíssimos atletas do mundo pensam em mexer no time que está ganhando. Neste caso, literalmente.

Até jogadores heterossexuais e mundialmente famosos revelam mais detalhes íntimos de suas vidas pessoais do que os esportistas gays enrustidos. Exemplo: o gato e metrossexual David Beckham. Ele já declarou inclusive que usou as calcinhas da esposa, a não menos imodesta e ex Spice Girl, Vitória Beckham.

Por outro lado, o indefinidamente sexy e kilometrossexual, Cristiano Ronaldo - que recentemente substituiu David Beckham nas campanhas Armani - parece não se incomodar tanto com o que pensam sobre a sua sexualidade. Não raro, ele é flagrado por paparazzi com diferentes modelitos de shortinhos, os quais, se não podemos afirmar que revelam algo sobre sua sexualidade, com certeza desvelam dotes físicos maravilhosos. Em seu armário deve ter muito mais. Uh lá lá.

De volta ao lado sério do tema, é difícil opinar sobre. Claro que não é em vão a corajosa atitude de Amaechi, como ele concluiu. É  um caso é isolado sim, mas é também impactante. Cada exemplo surgido gera o efeito dominó.

Matthew Mitcham, 21 anos, o bonitinho de toalha branca na foto ao lado, talvez seja um dos exemplos de coragem gerados por atos como o do senhor John Amaechi. Medalha de ouro nos saltos ornamentais, ele foi imortalizado no seu país (Austrália) com a criação de um selo postal com o seu rosto, apesar de ter sido o único atleta gay assumido das Olimpíadas de Pequim de 2008. Não é um orgulho?

4 comentários:

  1. Ai ai, odiei essa postagem.Nossa quanto homem feio :P

    Ah! se eu encontro esse John Amaechi por aí...
    Pracabá!

    [Lito Alvorecer]

    ResponderExcluir
  2. Anônimo, se isso é homem feio, eu não sei o que é homem bonito '-'

    ResponderExcluir
  3. Bem, Beckhan e Mitcham dispensam comentários. [suspiros...]

    O lance é que vivemos numa sociedade tão preconceituosa que os gays famosos muitas vezes preferem, compreensivelmente, não comprometer a carreira em nome da "causa". Sim, porque um famoso assumir-se é bom para que o preconceito em relação aos gays diminua, mas pra carreira dele... é um tiro no pé quase certo.

    Temos ilustres exemplos, como um famoso automobilista, gente finíssima, ídolo nacional, que nunca pode assumir-se. Chegou até a fazer falsa propaganda, namorando modelos famosas. Por trás, porém, o rapaz tinha uma causa ainda mais nobre do que defender nós, e ele, os gays. Fazia grandes contribuições com instituições que efetivamente ajudavam milhares de crianças. Gays ou não.

    Um mundo que ainda separa as pessoas com base em suas preferências durante a pequena parcela da vida que passam fazendo sexo, realmente é um mundo que precisa evoluir muito ainda...

    ResponderExcluir
  4. Oi, Alex.
    Entendo que ter fama e/ou sucesso, num mundo cada vez mais concorrido, é algo difícil para quem batalhou a carreira. E não se deve, arriscar e jogar para o alto. Triste é constatar que ser o que é, ou melhor, assumir-se homossexual, faz parte da lista de riscos. O ser humano é tão contraditório, não?
    Obrigado pelo seu comentário.
    Abraços.

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.