Cadê o beijo gay da TV brasileira?
Alguns programas voltados ao povão e metidos a engraçados, acham que protagonizaram o primeiro beijo gay da TV brasileira, mas com cenas grotescas, sem conteúdo nem propósito. 
Refiro-me ao beijo ardente, na boca, entre personagens centrais e logo no começo de uma trama das 21 horas.
Já pensou o Tony Ramos e o Antônio Fagundes protagonizarem um casal gay, com cenas românticas e beijos apaixonados, quase diariamente numa novela das 9? Ou melhor ainda, o Bruno Gagliasso e o Jonatas Faro? Ia ser babado de baba de rinoceronte.
Mas, por que ainda hoje não podemos assistir ao tal beijo nas novelas? Para quando estará reservada essa cena exclusiva e polêmica pelas emissoras de grande audiência?
Foi em 1951 o primeiro grande beijo na boca da TV, protagonizado pelos atores Vida Alves e Walter Foster na novela "Sua Vida Me Pertence". Levando em conta que a TV brasileira conta hoje com quase 60 (sessenta) anos de história, até que foi rápido, mesmo tendo sido polêmico, segundo os jornais e as revistas.
A demora para o beijo gay nas novelas surgir é até previsível por se tratar de interesse de uma minoria e, todos sabemos, a televisão importa-se é com a maioria.
No entanto, vamos combinar que esse atraso já ultrapassou todos os limites do bom senso e já beira a hipocrisia, diante da realidade do mundo de hoje. Não somente os beijos, mas os gays, são tão reais e evidentes que podem ser vistos até de olhos vendados. Já chega de dar tanta moral aos ditos conservadores de plantão. Um beijo gay numa novela não é desrespeito pra ninguém. E tem que ser um beijaço pra compensar tanta espera.
Assista este vídeo (clique aqui). Uma matéria sobre a reação pública diante os beijos e carícias de um casal gay filmado no calçadão de Copacabana. 
Foto utilizadas nesta postagem:
"Em Castro", de Capitalização e "Estamos sempre em toda parte", de Aleksander Bruce e Dennis Millam - Flickr.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.