Não se trata exatamente de uma fofoca, mas tem cada sandice por aí que não podemos deixar passar, mesmo saída de uma linda cabecinha de miss.

Lauren Ashley, a jovem americana da foto acima é aspirante ao título de Miss Califórnia. Ela teria  declarado, em entrevista a uma rede de tevê americana, que é da vontade divina a morte dos homossexuais.

Para justificar, falou em Bíblia, abominação, sangue derramado e blá, blá, blá., para, no final, declarar amor aos seus lindos amiguinhos gays.

Esse é o ponto. A naturalidade com que algumas pessoas adoram polemizar (com um neon) a homossexualidade. Mas, pior do que usá-la com irresponsabilidade, como fez essa moça,  é o ar blasé com que repetem aquela chatice no final: "Tenho muitos amigos gays. São pessoas maravilhosas e merecem todo o respeito."

Ah, poupe-nos dessa hipocrisia. O resultado do concurso não saiu, mas o título da mais tresloucada está garantido: com vocês, Miss A Loka !
_______________________________
[Atualização: abril 2013]

Foto de dezembro de 2010: registro mais recente na internet: Exposay
Lauren Ashley representou Beverly Hills no Miss Califórnia 2010, mas não ganhou. Após a polêmica, tentou a carreira de modelo - não há registros de trabalhos na internet.
Em 2011, a ex-miss criou o canal "LAmissbeverlyhills" no YouTube onde publicava vídeos caseiros. Não vingou. Parou de gravá-los em poucos meses. O canal está abandonado com seis inscritos.

Só por curiosidade, alguém tem informação recente sobre Miss A Loka? 

Um comentário:

  1. Concordo que as pessoas usam o assunto da homossexualidade para polemizar. Mas não é apenas negativamente como essa Miss, mas também usam a homossexualidade para aparecer, como a Lady Gaga. Ela pode não falar dos direitos dos gays APENAS para aparecer, mas ela sabe que isso contribui.
    Mas no caso dessa Miss nessa entrevista, deve ter sido até engraçado no final

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.