Parece mesmo que é chegada a hora. Estou contente com as notícias sobre a legalização das uniões homoafetivas. Faltava agora o Parlamento de Uganda, na África, reprovar a lei anti-homossexual (veja na postagem de 03/03/2010) e aqui, no Brasil, o Congresso Nacional desengavetar os projetos de lei sobre a união civil que tramitam há anos por lá.

CASAMENTO GAY NO MÉXICO AGORA É LEI.

A Cidade do México é a precursora da primeira lei da  América Latina que dispõe sobre o casamento entre homossexuais e sobre o direito de adoção. Em vigor desde ontem, nove casais gays já se inscreveram no cartório de registro civil de lá para obterem tal direito. Na Argentina, como vimos anteontem (clique aqui), os casais gays estão conseguindo o amparo legal por meio de decisões judiciais (que analisam caso a caso). É um grande avanço, pois são precedentes gerados para a edição de uma possível lei que defina a situação.

EMENDA É APROVADA NO REINO UNIDO PARA PERMITIR O CASAMENTO EM IGREJAS.

A lei que aprovou a união civil dos homossexuais no Reino Unido está em vigor desde 2005, mas não previa a celebração do casamento entre gays nas congregações das quais os casais são devotos. Pelo que entendi, a falta de disposição expressa da lei  gerou o costume de as igrejas recusarem os pedidos de celebrações matrimoniais baseadas nessa omissão. A permissão veio, nesta semana, através de uma emenda à lei que suspendeu a proibição. A liberdade de as igrejas não celebrarem continuará, mas sem os argumentos legais de antes.

Foto utilizada nesta postagem: "wedding cake", de "A Outra Voz" (Flickr).

Um comentário:

  1. Eu pensei que no México já era permitido casamento gay :O
    Já no Reino Unido, tá mais desenvolvido (queria morar lá). Seria perfeito se as Igrejas de lá não tivessem a liberdade de não celebrarem esses casamentos (com certeza, eles não devem negar em celebrar casamentos entre héteros)

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.