[antes de começar, leia as três partes iniciais. Clique nos links abaixo]
Um olhar atento de quem leu as três partes do conto "Linguagem Corporal" (Parte I: Cadê Felipe?, Parte II: Reflexão Involuntária e Parte III: Aquilo Que Não Dizemos) pôde perceber que ele mostrou mais do que um desencontro amoroso, algo que acontece na vida de todo mundo.
O título diz tudo. Algumas frases ou palavras grafadas no conto demonstraram que nem sempre o que é dito revela o que passa na cabeça das pessoas.
Os sinais (indicativos) de linguagem corporal foram inseridos no final de cada texto do conto. A primeira parte não houve necessidade, pois foi o intróito para o desenvolvimento da estória, sem sinais significativos. Os dois seguintes, sim, touxeram sinais revelados pelo personagem Felipe que indicaram um comportamento duvidoso. Acompanhe a seguir.

"Reflexão Involuntária" (Parte II):

1. Desviar o olhar muitas vezes: pode indicar desconfiança ou um simples esquecimento. Pode ser sinal de mentira se o indivíduo demonstrar desconforto ao falar e pouca ênfase nas palavras usadas. O mentiroso tende a falar mais do que o necessário para evitar as pausas que o deixam tenso. Se encarado nesta hora, evitará o contato visual prolongado com o interlocutor.
2. Cobrir a região da boca com a mão enquanto fala: pode está mentindo ou escondendo algo.
3. Mudar de assunto: o mentiroso demonstra certo relaxamento quando o assunto é subitamente mudado (aliviado). Ao contrário de quem está falando a verdade que mostra-se um pouco tenso porque não compreeendeu a mudança.
4. Toque no nariz (ou coçar) quando fala: incerteza do que se está afirmando ou mentira.

"Aquilo Que Não Dizemos" (Parte III - final):

1.Cabeça baixa: pode indicar desânimo, mais ainda se com as mãos no bolso.
2. Cruzar os braços na altura do peito: defensiva.
3. Encolher-se na cadeira: no ato da mentira a pessoa tende a retrair-se, encolhendo os braços e as pernas.
4. Esfregar as mãos uma na outra: ansiedade ou atencipação.
5. Esfregar os olhos enquanto fala: dúvida ou mentira.
6. Pouca expressão: o mentiroso tende a dar pouca ênfase às palavras ditas. A expressividade é reduzida.
7. "Eu não tenho alguém": foi a resposta de Felipe ao ser indagado por Pedro se o motivo do seu desinteresse era este. O mentiroso tende a responder usando as mesmas palavras da pergunta: "você tem alguém? Não. Eu não tenho alguém."
8. Mãos para trás da cabeça e pernas cruzadas: confiança, superioridade.
Quer saber mais? Visite o Portal São Francisco (clique aqui). Encontrei lá os indícios utilizados no meu conto.
Por falar em expressão corporal, mas de outra maneira (^_^), você já viu o novo clipe da Lady Gaga e da Beyoncé juntas em "Telefone"? Clique aqui e assista.

Fotos: 1. "Man Business Casual Attire", de Leonardo Demetrius (Flickr) e 2. "BeyGaGa", de UKnowitsNYC (Flickr).

2 comentários:

  1. Eu me interesso bastante por Linguagem Corporal, tô louco pra ler um livro sobre esse assunto. Além de interessante, acho importante saber disso pra dominar certas situações.
    Nos textos mostrados, mostra mais situações de mentira, desconforto, e tal, mas vc podia mostrar também outros tipos de Linguagem Corporal, como indícios de que a pessoa está interessada no assunto, entre outros.

    Ainda não vi o clipe da Lady Gaga. Vou ver daqui a pouco \o/

    ResponderExcluir
  2. Willians, o tema é interessante mesmo. Eu adoro. A sua sugestão é boa, mas eu tinha que escolher entre a situação da mentira e a da verdade (ou interesse) para criar o conto. Ele não foi longo, mas deu certo trabalho para desenvolvr (costurar todas as situações), afinal, eu não sou escritor (embora adore escrever), rsss.
    A dica para perceber se o que você está falando provoca o interesse do seu interlocutor, é o olhar fixo dele para você, mão no queixo (refletindo) ou inclinar a cabeça para um dos lados (sem desviar o olhar).
    Abraços.

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.