E em Washington ( E.U.A), a Justiça Autorizou Hoje o Casamento Entre Homossexuais.
Enquanto o resto do mundo aguarda o resultado do sério problema da homofobia de alguns países da África, conforme você vem acompanhando aqui pelo NAVVEGUEI, nas Américas, a direção segue o rumo contrário: o da civilidade. O exemplo vem da Argentina e dos E.U.A.

Ontem, na Argentina, foi realizado o segundo casamento gay entre dois homens, desta vez em Buenos Aires mesmo. O primeiro foi em dezembro de 2009, entre Alejandro Freire e José Maria Di Bello (foto ao lado), o qual, na ocasião, teve que ser realizado em outra cidade argentina, Ushuaia, devido a uma decisão judical da justiça de Buenos Aires que impediu a realização da cerimônia.

Damián Bernath e Jorge Calazar, por sua vez, obtiveram autorização legal na semana passada e casaram-se nesta quarta-feira em um cartório de registro civil de Buenos Aires. Abrem-se assim o precedente e as portas de Mi Buenos Aires Querida para os pombinhos apaixonados que almejam o mesmo futuro.

Por outro lado, Washington - E.U.A. - autorizou hoje o  casamento entre homossexuais e vários casais de lésbicas e gays, de diferentes idades, já deram plantão em frente à Suprema Corte da capital em busca de suas certidões de casamento.

Tem maior exemplo de que ações de paz só agregam felicidade às pessoas? Darlene Garner que o diga. Aos 63 anos, agora casada com Candy Holmes, de 53, primeiras da fila, esbanjou felicidade ao declarar: "ela é o amor da minha vida".
Acorda, África !
E Viva la civilidad ! Horray for peace !

Foto utilizada nesta postagem: Google.

Um comentário:

  1. Espero que o Brasil siga o exemplo desses países. Mesmo que demore (que é o que, certamente aconteça), uma hora vai chegar a hora do Brasil aceitar casamentos gays.
    Não sabia que na Argentina já era legalizado casamento entre pessoas do mesmo sexo :)

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.