1. Brasil - "Faça como o Fernando Henrique e o Lula, erga a bandeira e mostre que está aberta à causa LGBT."
Pedido do vereador Sandir Simaglio, do Partido Verde ("PV"), à pré candidata do mesmo partido à presidência do Páis, Marina Silva, ao entregar-lhe em mãos a bandeira arco-íris, símbolo do movimento gay, num evento do partido realizado em Belo Horizonte. Com cara sorridente de paisagem ela desconversou e guardou a bandeira.
Gente, nem uma semana se passou desde que eu comentei aqui sobre a minha simpatia por Marina Silva, pela sua história e exemplo de vida, e já fui surpreendido por esta notíca.
Ah, Marina.. Que pecado! Ainda não sabe que nós, gays, a-do-ra-mos as cores dessa bandeira, e que o brilho, a alegria e a força que elas representam, nunca, JAMAIS, em hipótese alguma, poderão ser ofuscados por quem quer que seja?
Ainda há muito tempo para nos mostrar que não passou de mal entendido. Vamos aguardar.

2. Santiago/Chile - "...Muitos psicológos demonstraram que há uma relação entre a homossexualidade e a pedofilia. É esse o problema."
Declaração do cardeal, Tarcísio Bertoni, responsável pelas Relações Exteriores do Vaticano, a respeito da pedofilia na Igreja Católica, numa conferência de imprensa no Chile. 
Que conveniente, não? Já que condenamos a homossexualidade por que não atribuirmos a ela a culpa desse problema?
Teria muito mais sentido se ele associasse esse desvio comportamental - ou transtorno mental - ao celibato imposto a estes padrecos. O homem, hetero ou homossexual, não é um ser casto por natureza.

3. Irlanda - "Meu irmão representava o medo para muitas pessoas, mas só causou alegria na minha vida. Desde muito jovem ele me fez rir com sua inteligência e sagacidade e me inspirou força e bondade."
Do ator irlandês, Colin Farrel, referindo-se aos abusos homofóbicos sofridos, quando criança, pelo seu irmão homossexual, Eamon, numa campanha irlandesa contra o "bulling" homofóbico, a qual está apoiando publicamente com o objetivo de combater o preconceito contra jovens gays.
Que lindo esse Coling Farrel !

4. Argentina - "Por lá não se fala de outra coisa. Detalhe: os dois jogam no mesmo time...De futebol."
Aguinaldo Silva, em seu blog, referindo-se ao beijo gay na novela argentina de grande repercussão, "Botineras".
Com relação ao beijo gay em suas novelas, o autor certa ocasião comentou que a culpa de não ser transmitido é da emissora para qual trabalha, que veta a exibição. Segundo ele, o beijo faz parte do "script" das tramas em que há personagens gays. Quem viver, verá.

5. De Recife para o mundo - "Estou fazendo alguns cursos de atuação aqui em NY para poder realizar o meu sonho de estrear em algum filme ou novela, e também fotografar mais campanhas e desfilar no Brasil, minha terra."
Bate-papo entre o modelo recifense, agora internacional, Arthur Sales, de 19 aninhos, com a jornalista e apresentadora de moda, Lilian Pacce, após a publicação do editorial "L´officiel Hommes" em sua homenagem, feito inédito para um modelo masculino brasileiro.
O gato, que estudava direito em Recife, está com tudo e não tá prosa. Morando em New York atualmente, teve a sua carreira de modelo alçada ao mundo após ser chamado, de última hora, para um trabalho na capital pernambucana. Bastaram poucos meses para ser convidado para trabalhos em Milão, Paris, Marrocos e Miami e vir o reconhecimento internacional.
Já ouviram falar dele? Não? Sim? Pois é, segundo Lilian, é a Gisele Bündchen de calças.

Sites/Blogs, fontes das notícias:  "Parou Tudo" (http://www.paroutudo.com); "Record" (http://www.record.xl.pt); blog do Aguinaldo Silva; e blog da Lilian Pacce.

2 comentários:

  1. muito bom esse mix de noticias e a analise é bem profissional, gostei do collin e do modelo brasileiro.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado, Endim. O blog estava parado há algum tempo, mas está retornando. Espero que visite e opine mais. Abraços.

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.