Como essa pergunta é carregada de estigmas, não? Pela primeira vez, vi o Jô Soares numa saia bem justa por causa dela.

O programa de ontem transcorria normalmente e as entrevistadas da vez eram duas mulheres, escritoras e autoras de um livro que aborda  a dificuldade de alguns homens gays assumirem a sua orientação sexual: "Cuidado! Seu Príncipe Pode Ser Uma Cinderela".

Algumas histórias bizarras foram narradas, como a do "ex-gay" que caiu de bicicleta, bateu com a cabeça e acordou sem lembrar de ninguém, inclusive que era gay. Segundo elas, o cara acabou se recordando de todo mundo, menos da sua homossexualidade, e se tornou um "pegador" de mulheres [anhan].
Uma das autoras confessou que a idéia do tema do livro partiu da sua experiência com um ex-namorado. O bofe acabou assumindo e a deixou desolada assistindo ao seu desfile numa escola de samba, fantasiado de paquito. Após as risadas de praxe vindas da platéia, a escritora desafiou o público que a assistia ao vivo:
- Ah, gente, quem aqui não tem uma história assim, seja consigo ou com algum conhecido?

O Jô deu corda:
- Então, alguém da platéia tem algo pra contar?

[Silêncio]

A moça então mandou essa:
- Ah, gente, não é possível. Só tem mentiroso nessa platéia [sic].

Uma garota levantou o braço e contou algo sem muita convicção e, de novo, o Jô perguntou:
- Mais alguém?

Um rapaz, com cara de bobo, se manifestou. A escritora, toda animadinha, comentou:
-Ah, tá vendo? Já apareceu mais um...

Eis que o cara perguntou na lata:
- Eu tenho dúvida se o Jô é gay ou homi...


Jô - Anh, euuuu?
O rapaz - com mais cara de bobo ainda - acenou positivamente com a cabeça.

A mulher que queria tanto mais pronunciamentos acerca de sua teoria, constrangida, dá um gole da caneca, balbucia algo, mas é interrompida pelo Jô...


- ...Entrei na roda? Olha, eu não sou , não sou...Não tenho nada contra! [...] A pessoa não dando o meu... Cada um faz o que quiser...[risadas do público]. MAS EU NÃO SOU GAY ! [mais risadas]

A entrevista prosseguiu, outras passagens do livro foram comentadas e o Jô, volta e meia, olhava para o rapaz da plateia e repetia: 
- MAS EU NÃO SOU GAY, NÃO, VIU? [risadas]

Fim do programa, o Jô - politicamente correto, mas contextualmente nem tanto - se despediu de todas as pessoas, de todas as "opções" sexuais e, brincando, declarou que ficara zonzo com aquilo. O cameraman imediatamente focou, de novo, no rapaz bobo-atrevido.

Confesso que eu esperava mais sagacidade do Jô Soares. Porém, o que percebi foi um apresentador sem originalidade. Devia pelo menos, antes de negar, deixar o guri de saia justa também. Algo do tipo:
- E se eu for, hã? O que tem? Fala pra gente.
Link do vídeo.

Dia 25 é o dia do escritor. Parabéns, todos.
Bom final de semana.
Fotos: (1)Google; (2) Galeria de Dave Camera (Flickr).

4 comentários:

  1. O episódio contado aí em cima me remete à velha questão...

    Os outros que me desculpem, mas homem que é homem mesmo não fica em saia justa quando confrontado com essa pergunta, e muito menos se ofende.

    Afinal, uma simples pergunta pode mostrar a dúvida do outro, um direito dele (de quem faz a pergunta), nunca pode atingir e nem mudar nada em quem está sendo "entrevistado".

    No caso específico do programa, o mais estranho é que Jô não é bobo e já deveria estar preparado pruma pergunta desse tipo. Claramente, perdeu o rebolado, que ele faz tão bem...

    Eu, cada dia mais, acho engraçadas essas coisas. Por que diabos as pessoas se importam tanto com o que o vizinho faz na cama, se não estão interessadas em ir pra cama com o vizinho?
    O que me interessa o que faz meu amigo, se eu não estou interessado em fazer sexo com ele?
    E, se estiver, o cara deveria se sentir valorizado e apenas esclarecer que não gosta, como fazem pessoas minimamente civilizadas.

    Ou alguma mulher se sente ofendida quando um homem, desde que respeitosamente, a elogia? Ou algum homem se sente, ofendido, quando uma mulher, mesmo que não tão respeitosamente,dirige a ele insinuações com conotações de desejo sexual? Ah, sim, elas ainda não são tão atrevidas? Sei...

    Nossa humanidade atual ainda parece condenar mais duramente um homem que não gosta de mulher, e vice-versa, do que um bandido, um político corrupto, um assassino que mata e foge do local do crime, um pai que protege o filho assassino etccccc.

    Questão de valores. Talvez, pra boa parte dessas pessoas, ser um político sujo, por exemplo, seja mais exemplar, ou pelo menos mais tolerável, do que ser gay.

    Talvez, porque os gays assumidos (não necessariamente publicamente) são essencialmente honestos consigo e com os outros, pelo menos nesse quesito, a sexualidade e as relações interpessoais íntimas, claro. Em outras questões, tá cheio de homossexual igualmente sujo, inclusive vários que são também políticos (nunca assumidos, claro, aqui em Brasília sabemos de cada coisa!!!)

    E honestidade, sabemos, incomoda, incomoda muito. Porque no dia em que for um valor real praticado pela maioria, não termos mais a oportunidade de praticar nossas pequenas desonestidades. E outras nada pequenas, como tentar subornar um PM subornável pra se livrar de um crime.

    Ah, tô misturando as coisas? Fazendo campanha? Panfletagem em favor dos gays? Não, não. Nada disso. Eu não preciso mais disso. Eu só tô querendo mostrar que o ser humano é algo complexo, e ainda muito hipócrita, na maioria das vezes.

    E quase nunca se dá conta disso. Não por falta de inteligência, mas porque simplesmente não é conveniente!

    ResponderExcluir
  2. Olá tudo bem?

    Encontrei seu blog através da minha "peregrinação" pela blogosfera em busca de adesão para uma campanha.

    É o seguinte: como vc deve saber o IBGE este ano, pela primeira vez, vai contabilizar os casais gays no Censo Demográfico. Sendo uma contagem oficial, vai ser de muita importância para a visibilidade dos LGBT’s e cobrança de políticas públicas.

    Pensando nisso, eu criei 2 banners com a frase criada pela ABGLT:

    “IBGE…Se você for LGBT diga que é! ”

    e estou convocando os amigos blogayros para colocarem estes banners em seus blogs e espalharem pela net como incentivo à campanha.

    Espero contar com a ajuda do Navve Guei!

    Os banners estão neste link da minha página:
    http://kikoriaze.com/2010/07/22/campanha-lgbt-ibg...

    Abração e parabéns pelo blog!
    Kiko Riaze

    ResponderExcluir
  3. Acho jô um cara fantástico e independente dele ser gay ou não ele é um excelente profissional e um ser humano que, como todos os outros,merece ser respeitado.
    Não é de hoje que a suposições que nem precisam ser comprovadas justamente pela obviedade dos fatos ( percebeu que eu inventei uma palavra nova ^^)

    em fim, de qualquer forma acho que foi uma profunda falta de respeito do repaz que fez essa pergunta e certamente o jô não tem a menor obrigação de responde-la.
    A sexualidade dele só diz respeito a ele e as pessoas com quem ele se relaciona na cama.
    Mas concordo que ele poderia ter dado uma resposta muito melhor sim,e poderia ter deixado o garoto no chinelo.

    Eu, que sou barraqueiro mesmo, teria abaixado as calças e dito:Sou sim, quer provar ( eu naum presto)

    Saudades de entrar aqui,não consegui acessar o Join chat,mas qual quer coisa podemos falar por email mesmo ^^
    Bjus

    ResponderExcluir
  4. Interessante seu ponto de vista, e mais, sua iniciativa de trazer o caso para uma discussão coletiva.

    Não vi o programa, mas dependendo do tom usado, achei a pergunta do rapaz meio idiota... tão idiota que até o apresentador, acostumado com situações assim, parece ter ficado constrangido!

    Bem, gay ou não, ele é um cara evoluído, que trata de temas assim com naturalidade, ou melhor, quando não é com ele, certo?rs

    Jr.

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.