O tema do vídeo aqui compartilhado é religião ou o quanto a igreja carrega de culpa a mente de jovens homossexuais.

Para quem considera a homossexualidade um fardo e pensa não poder sustentá-la, assista ao depoimento de uma mãe. Ela, muito arrependida por ter um dia priorizado os ensinamentos de sua igreja, em detrimento das confissões de sua filha, hoje chora de tristeza. O vídeo é triste, mas é uma lição para que não deixemos o preconceito superar o amor e para nunca considerarmos irreversível uma decisão intolerante e equivocada.

Tenha em mente: se o dia hoje não foi bem, amanhã nada parecerá tão ruim. E tudo poderá melhorar depois de amanhã. Pense no mundo sem país nem religião, como certa vez imaginou e nos fez sonhar John Lennon. Um dia você perceberá que ele nem é tão imaginário assim.

Foto: "Sundowner Silhouette" - Galeria de Heaven`s Gate (John), Flickr. 

Um comentário:

  1. A melhor coisa que eu vi na Internet nos últimos tempos.
    Sei que não tem nada de novo, mas me calou fundo o depoimento da mãe.
    Aproveitei e vi também um outro vídeo, daquele tal Pe. Fábio, que eu conheço de nome, mas nunca li ou vi direito (mas confesso, acho ele muito bonito) falando sobre aceitação, e transcrevo uma frase, falando sobre o tratamento dado pelos demais a nós, homossexuais, particularmente pelos pais e mães: "Nós a matamos de um jeito trágico".
    Não nos matam fisicamente, muitas vezes não chegam a nos levar ao suicício, mas arruinam qualquer possibilidade de vida verdadeira dentro da gente!
    Eu não acredito que as religiões mudem isso tão cedo, mas é bom ver que, ainda em vida, consegui assistir a essas pequenas e significativas mudanças.
    Também fui católico, quase fui prum seminário, fui discriminado a vida toda, e ainda sou pela família. Sei bem do que falam eles.
    Eles, porém, sentem, quando sentem, apenas os efeitos de suas ações. Nòs, vivemos, ainda, o crime de termos nascido diferentes.
    Obrigado, Junnior.

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.