O que mais motiva (e aflige) a maioria dos homossexuais e dos ativistas LGBT a quererem o casamento entre pessoas do mesmo sexo, é a sensação de desigualdade. Afinal, todos somos cidadãos perante a lei.

É claro que é certo. É digno. A lei tem que estar lá, no Código Civil, para todos. Fazermos ou não o uso dela, não importa. Queremos é o direito de exercer a cidadania na sua plenitude. Esse ponto é inquestionável e sempre o realço aqui.

Há de se ponderar, no entanto, se essa busca pelo direito de os gays casarem-se no civil não está desenfreada. Se por trás dela não estão os motivos que mais causam separação*(1) do que união: o modismo, a paixão, o medo de ficar só ou a velha visão de alguns que enxergam o casamento como meio de se estabelecerem financeiramente.

As estatísticas comprovam que há mais casamentos no mundo do que divórcios. E daí, qual a novidade? O divórcio sempre estará em desvantagem porque está inserido no universo do casamento: só se divorcia quem é casado e pra casar basta ser solteiro. Veja alguns dados colhidos da pesquisa do Instituto de Psicologia da PUC de São Paulo, de 2002, sobre o casamento:

  • No Brasil, sete em cada dez matrimônios registrados terminam em menos de dez anos;
  • Oito em cada dez homens separados se juntam a mulheres solteiras em média nove anos mais jovens;
  • 90% dos jovens (média de 27 anos de idade para ele e de 24 para ela) consideram o casamento mais importante do que a carreira ou ter filhos.
[Essa postagem continua. Para ler a segunda parte, clique aqui.]
______________________________________________________
*(1)  A partir de 14/07/2010, com a publicação da emenda constitucional nª 66, não existe mais esse anacrônico instituto da separação judicial. Todos os casais (H x M) podem partir direto para o divórcio, sem precisarem mais da separação e nem aguardarem o famigerado período de um ou de dois anos.
________________________________________________________
Foto: "I Thought I´d Never Ask". Galeria de Joe469 (Flickr).

7 comentários:

  1. Que os casamentos terminem em menos de 10 anos; Que os motivos que levem ao casamento sejam os mais nobres ou os mais tolos (tanto faz!); Que as pessoas LGBTs nem queiram casar (pois pouco importa!).


    Mas, acima de tudo, que os direitos legais, sejam os mesmos!

    Abraço!

    ResponderExcluir
  2. É isso, luck. Perfeito o comentário!

    É uma questão de igualdade de direitos civis, apenas.

    ResponderExcluir
  3. Pqp considerar o casamento mais importante q uma carreira é FODA!! O sustento vem da onde? Deve ser bem legal morar de baixo da ponte e se sustentar de AMOR!!
    Mas falando sobre o post, direitos iguais JÁ!!!

    ResponderExcluir
  4. Imagina 1 casal homossexual, que construiu uma vida junto. Se eles não são casados e um deles morrem por ex, toda herança vai para a família do cara, e o companheiro dele que viveu a vida inteira fica na mão.

    ResponderExcluir
  5. Concordo...
    Casar não quer dizer que seremos felizes - hetero ou homo. O que importa é o direito igual para todos.. Respeito acima de tudo..

    ResponderExcluir
  6. Acho que nao é o amor que está em jogo e sim os direitos iguais! Eles dão preferencia para negros (que para mim as cotas deveriam ser banidas) e restringem o casamento gay pff... algo está errado por ai, porque gays e negros são iguais a "brancos" e heteros, nao deveriam nem ter regalias nem serem rebaixados em nenhum modo.

    ResponderExcluir
  7. Essa discussão existe apenas porque quem legisla não separa o direito civil da religião.

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.