Lendas à parte, a androginia sempre esteve presente na humanidade desde que o mundo é mundo. Qual será a razão que leva algumas pessoas a destacarem caracterísitcas tão híbridas em si próprias? Homossexualidade, insatisfação com a aparência, exibicionismo? Trata-se de um comportamento ou teria um fundo biológico? Ou seria tudo isso?
Segundo alguns estudos de psicologia, seria uma inquietude do indivíduo sem relação com doenças nem orientação sexual. Não, necessariamente. 

São pessoas em geral com alto valor de QI e considerável percepção do comportamento humano. Muitos homens e mulheres andróginos podem sentir atração pelo sexo oposto, assim como pelos acessórios utilizados pelos indivíduos daquele sexo. Exemplo bem atual são as mulheres que cultuam o corpo com a prática do fisiculturismo. Algumas até utilizam "bombas" sem se importarem com a aparência masculinizada que adquirem e permanecem atraídas por homens, as vezes até franzinos. 

Sergio Carão Franceschini, o Serginho do BBB10, seria outro exemplo bem atual. Há muitos "serginhos" nas baladas, principalmente as paulistanas. Está aproveitando, e com razão, a fama obtida após o reality show: mil eventos, participação no "Zorra Total" e muita pinta no #twitter. Com isso, exerce influências para que seus sectários o imitem - seus amigos parecem cópias dele. 

Ele é dessas pessoas que gostam de ressaltar a sua adroginia quando perguntado sobre sua orientação sexual.
Dias desses, ao entrar na rede social, deparei com uma situação inusitada protagonizada pelo ex-brother e uma tuiteira, que nem recordo o nome. Ela o provocara com expressões chulas e de nojo ao encontrá-lo por lá: "orgastic é viado, ecaaaaa". Em outra oportunidade, exibindo-se para os fãs através do twitpic (Twitter com webcam), foi, de novo, provocado por um curioso que lhe indagou o porquê de não possuir ou utilizar uma voz mais feminina. 

No primeiro caso, sem necessidade, ele desceu do salto para abordar detalhes da vestimenta de gosto duvidoso da atrevida. No segundo, foi mais discreto e paciente ao responder que gosta de ousar na aparência misturando peças dos vestuários masculino e feminino, mas que tem consciência de que é homem e com voz grossa. Ou seja, um andrógino.

É inegável, contudo, que seu caso é também de homossexualidade. Só acho estranho ele não frisar este lado com a mesma naturalidade e convencimento como o faz com a androginia. É um direito que lhe assiste.

E você, como encara tal comportamento?
Fotos: Google.

4 comentários:

  1. a mulher mais bonita dos anos 80 era o Boy George... a dos anos 90 era o Brett Anderson, vocalista do Suede. Alguns dos meus artistas preferidos eram meio híbridos. Acho bacana a ousadia visual, independente do estilo. No meu caso em especial, até arrisco um pouco, mas é em outra direção (gosto de uniformes, roupa camuflada etc).

    ResponderExcluir
  2. A androgenia é algo muito interessante, porque de fato precisa ter uma boa sacada de combinação masculina e feminina, não é facil.agora axo que ser androgino de fato nada tem a ver com a sexualidade, mas tambem nao pode servir de desculpas para esconder o obvio.

    ResponderExcluir
  3. Lada gaga que o diga, androgenia tah na moda sim,mas a aceitação é bastante restrita a pessoas com cabeça mais aberta.
    Cada um é cada um, não me importo com a forma como as pessoas se vestem ou se comportam, contato que isso não me atinja diretamente...o fundamental mesmo é que as pessoas tenham um bom coração.
    PREFiRO mil vezes um Homem afeminado como o serginho do que um cara super machão (pitboy) que agride os outros e as vezes até em mulher bate.

    ps:
    Vc tb é um fofo Junnior, xerão pra ti ^^

    ResponderExcluir
  4. Uma coisa eu reparei, que acontece à minha volta: as lésbicas que parecem meninos são as que mais passam o rodo, as que mais pegam mulher, e chegam até a "converter" muitas gatas para a colação de velcro. Como se explica isso?

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.