Adoro aquele momento quando alguém em público percebe que não dá mais pra controlar e segurar e o riso vem com tudo. É contagiante. Todos riem junto, mesmo que aconteça em um velório [há controvérsias].

Assistindo ao recente vídeo que mostra o ministro das Finanças da Suiça, Hans-Rudolf Merz, constrangido por não conter sua emoção, lembrei de outros que me fizeram morrer de rir junto, Lillian Witte Fibe que o diga. Lembra?

Não consegui entender a língua do ministro e nem o motivo que o levou a achar tanta graça em um questionamento sobre a burocracia para importação de carnes temperadas (??!!), mas deu pra compreender bem a sensação que lhe invadiu e que o fez quase implodir de tanto segurar as gargalhadas.


[se o vídeo não funcionar clique aqui para assisti-lo]

Clique nos links abaixo e confira outros vídeos de pessoas que quase morreram de rir (ou de vergonha).

1. Lillian Witte Fibe quando apresentava o jornal do site Terra (pra mim, o melhor. Vale a pena rir de novo).
2. Apresentador holandês paga mico em um programa sensacionalista (estilo Marcia Goldschmidt).
http://blogssa.com/X8FJ

Um comentário:

  1. Acho que o comentário não foi de novo...repetindo (se o anterior foi, desconsidere este)

    Ele está falando em alemão (alemão da Suíça, que tem um sotaque medonho, diga-se).

    Foi notícia em todos os telejornais da Alemanha, eu tinha visto no Tagesschau (algo como o Jornal Nacional). Virou hit e já tem até versão remix!

    Ele estava respondendo a uma parlamentar (há outros vídeos que mostram). Ela faz a pergunta e ele começa a contar que passou o final de semana pensando a respeito, mas o conteúdo é tão técnico (fica repetindo que segundo o artigo tal, parágrafo tal...) que ele não aguenta o grau de surrealismo e cai no riso...

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.