Caio é o melhor amigo de Tina que por sua vez é protagonista da tirinha que leva o seu nome e ambos são personagens criados pelo desenhista Mauricio de Sousa.
O problema é que a Tina está desolada porque Caio sumiu! Ele deve ter ficado triste porque as pessoas, talvez, não tenham compreendido a sua suposta homossexualidade. Afinal, como na vida real, não é fácil ser rejeitado por causa da orientação sexual, a qual, sabemos - ou devíamos saber - nada interfere no caráter ou na personalidade das outras pessoas.
Ele surgiu na vida da Tina no ano passado. Em um dos encontros com ela e outros amigos, afirmou ser comprometido e apontou para um rapaz dando a entender que era o seu namorado.
O episódio acima gerou polêmica e estranheza dos próprios amigos de Caio e dos leitores da revista. Fato é que ele está fora por um tempo, mas, segundo Maurício de Sousa, retornará à tirinha. Só não se sabe ainda qual será a dele: gay ou hétero?
A reposta quem dará é o próprio público, de acordo com o que foi declarado pelo desenhista em entrevista concedida à Folha.com, na última terça-feira.
Na matéria, foi disponibilizada uma enquete com a seguinte pergunta:
"Na sua opinião, o personagem Caio deve ser gay?"
Até o momento desta postagem, o resultado parcial era de 87% votos favoráveis. Bom, né?
Vote também. A estória do Caio é um incentivo à educação sexual de crianças e adolescentes e, claro, um excelente meio de reduzir o preconceito no futuro.
Fontes e ilustrações: Terra.com e Folha.com.

29 comentários:

  1. Ainda com essa "polêmica"? Quando é q o Brasil vai acordar de uma vez e parar de fingir q ñ existe gays? A criança tem o direito sim de saber desde cedo q existem pessoas diferentes dela [no caso dela ser hétero] e se por acaso a criança vir a descobrir sua homossexualidade, saber q existem pessoas como ela, q ela ñ esta sozinha no mundo. Mtas crianças passam por essa dificuldade quando entram na fase da pré-adolescencia, parece q só ela é assim, mas ñ, existem mtos como ela. Por experiencia propria, passei por isso.

    ResponderExcluir
  2. O problema é se um garoto que gosta de meninas, começar achar que é homossexual por influência. Histórias em quadrinhos têm que ser divertidas, deixem as lições da vida para as horas chatas que as crianças terão que passar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vc acredita msm nisso q vc falou?
      Vc acha msm q uma pessoa hétero vai 'virar' gay pq leu uma tirinha?
      Eu acho q burrice tinha q ter limite!

      Excluir
  3. daqui a pouco vem um monte de gente politicamente correta falar a favor...
    quem dentre vcs GOSTARIA de ter um filho gay?
    repito, GOSTARIA
    HÃ?
    ... então não encham o saco!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu gostaria!
      Gays são bonitos, inteligentes e divertidos...

      Excluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Anônimo(1): suas colocações são tão equilibradas e ponderadas que nada tenho a acrescentar.

    Bob: ninguém se torna homo, bi ou heterossexual por influência de um livro, de uma revista ou de um anúncio de outdoor. Pode até ser que alguém possa tentar por curiosidade, mas se não for a orientação sexual dele não terá jeito, querido. Ou você conhece algum gay que se tornou hétero "por influência"?
    É a velha história: se fosse pra escolher desde cedo, seria muito mais fácil viver como heterossexual (por isso tantos gays não saem ou demoram para sair do armário).
    E outra, não se trata de "lição". As estórias em quadrinhos retratam o dia a dia dos personagens: amizades, faculdade, paqueras, namoros e etc. Tudo isso, definitivamente, não é coisa chata. A revista pretende mostrar apenas a realidade, sem aulas, cursos ou lições. Apenas a realidade.

    Sonia: "quem, dentre vcs [gays?], GOSTARIA de ter um filho gay?"
    Eu adoraria. Até mais do que um filho hétero. Mas este último seria bem vindo também e o amaria de qualquer jeito. Ninguém é perfeito, né?

    Me desculpem os demais comentários que não foram publicados. A razão foi o uso da linguagem figurada [pessoalmente, chamaria de desfigurada] Se quiserem [e puderem] reformular, traduzindo para uma linguagem compreensível a todos, reescrevam e publicarei.

    Obrigado e sejam bem vindos. Todos.

    ResponderExcluir
  6. Sonia, ninguem GOSTARIA ou pediria "por favor eu quero ter um filho gay!", mas e se VOCÊ tiver? Vai fazer o que? Jogar fora?????? E olha que eu não duvido muito pelo seu tipinho... Pobre da criança que for seu filho.

    Bob, ninguem VIRA homossexual por influencia de ninguem, se vc ve um cara dando o rabo e quiser imitar aí o problema já é seu...

    ResponderExcluir
  7. http://www.yperlink.com

    encontre as melhores materias da internet aqui
    http://www.yperlink.com

    divulde seu site e blog com rapides e eficiencia

    ResponderExcluir
  8. A infância, até aonde eu sei, tem de ser algo divertido. Deixem a magia que é ser criança, continuar sendo uma coisa legal, deixem as opções sexuais, virem com a adolescência. Não tenho nada contra gays, lésbicas e afins. Mas todos os meus amigos homossexuais, leram os gibis da mônica na infância, e os que não são também. E os quadrinhos não interferiram na opção sexual de todos. Creio que se surgirem personagens gays nos quadrinhos, COM CERTEZA será uma forte influência para a criançada. Seria sim, não vamos negar. Pois é na infância que as nossas preferências se solidificam, que o que é certo e errado se contrasta. Portanto, chega dessa revolução homossexual na mídia. Chega de mostrar e dar ibope à quem é normal e é dito como diferente.

    ResponderExcluir
  9. A resposta é: NÃO!!! Enfaticamente não; Já basta a imprensa e alguns órgão de mídia divulgar, incentivar, adotar o homossexualismo, agora os personagens infantis também participar de tais práticas? Ou é infantil ou não, e homossexualismo, de infantil e puro nada tem, mesmo que os praticantes e panfletários defensores da "causa gay" digam o contrário. Cancelo minha assinatura da Mônica que faço para meus filhos se isso acontecer, não os quero, em vez de discutir o palavreado do Cebolinha ou a força da Mônica, o porque que tal personagem beija outro do mesmo sexo. BASTA DE BANDEIRA GAY EM NOSSOS LARES, VIVA A FAMÍLIA, VIVA A HONRA DE NOSSOS FILHOS!!!!!

    ResponderExcluir
  10. Junnior,

    Nos anos 50, 60, 70 e 80, fumar era considerado normal e até desejável, já que tornava a pessoa "descolada" e "rebelde". E como dava dinheiro, a indústria do setor e muitas pessoas apoiavam a conversa furada de que fumar ou não fumar era uma "escolha" puramente do indivíduo, sem envolver mais nenhum fator ou variável na equação genética, meio e vício.
    Pois bem, creio que o mesmo vale para o homossexualismo atualmente, já que os homossexuais em geral não formam família (os que adotam crianças são exceção, e não regra) e por isso gastam muito, mas muito dinheiro em determinados setores da economia.
    Só que conheço vários homossexuais e apenas uns poucos (menos de 5%) seriam homossexuais independentemente de suas histórias de vidas, ou seja, NASCERAM GAYS. Isto significa que a maioria dos homossexuais atualmente são fruto de uma história de vida somada à nossa cultura machista de busca incessante por prazer (mãe repressora e pai ausente, mãe superprotetora e pai repressor, excesso de histórico de abuso por parte de um parente mais velho, etc. etc.).
    O que quero dizer com tudo isso é que não sou contra a homossexualidade, mas sim a favor de uma reflexão sincera e profunda a respeito do seguinte tema: quanto gays "razoavelmente normais" você conhece, isto é, sem nenhum problema familiar ou trauma de infância ou de adolescência? Pense nisso antes de julgar minha opinião ou mesmo a mim...

    Um abraço,
    Anônimo (porque hoje em dia, até pensar também é motivo para sofrer preconceito e perseguição)

    ResponderExcluir
  11. Junnior, eu sempre falo isso pra minha mãe!
    se eu tiver um filho gay, vou apoiá-lo totalmente! preconceito não tá com nada... vou amá-lo se ele for hétero, gay, assexuado... hehe o que importa é a pessoa ser feliz com quem ela ama ^^
    beijãão

    ResponderExcluir
  12. Esse assunto é muito complicado. Agora na minha opinião,uma revista não prejudica o futuro sexual de ninguém...
    Lógico que temos que conversar com nossos filhos sobre isso,falar que existe sim preconceito, porque,independentemente de uma revista, ele vai acabar descobrindo isso. Agora se ele é ou deixa de ser, isso vem de berço, e não de influencia.

    ResponderExcluir
  13. ééeéé, hoje temo criança de 7 anos se "batendo", acho que sera bom para a educação sexual, ant-preconceito essas coisas.

    ResponderExcluir
  14. não tenho preconceito..mas sinceramente, não acho legal colocar um personagem gay nos quadrinhos pq querendo ou não influencia sim,tipo:
    "eu como muito como a magali"
    "sou forte como a mônica"
    isso sempre rola de vc se identificar com um personagem e não acho legal a criança virar e falar q se identifica com o personagem tal q é gay!!!
    por outro lado eu acredito tb q quem é gay nasce gay e não vira gay!
    pensen nisso!

    ResponderExcluir
  15. @Junnior
    Bob: ninguém se torna homo, bi ou heterossexual por influência de um livro, de uma revista ou de um anúncio de outdoor. Pode até ser que alguém possa tentar por curiosidade, mas se não for a orientação sexual dele não terá jeito, querido. Ou você conhece algum gay que se tornou hétero "por influência"?

    Errmm... eu conheci muitos casos onde uma menina se tornou lésbica/bi por influências de "idolos". E nem vem com esse papo furado de "mídia não influencia", porque influencia sim. Tem muito babaca que vira gay/bi por achar "moda", ou mesmo pra se fazer de coitadinho e fugir de algo. Dá uma olhada nos seus livros de história, lá deve contar a história de um civil que através da cultura do seu país, mudou a forma de pensar de todos eles, e por fim causou uma Guerra Mundial.

    ResponderExcluir
  16. Por que não poderia ser??? Apóio totalmente!

    ResponderExcluir
  17. Senhores,não somos obrigados a gostar de gays;mas temos de respeitar suas escolhas e tratá-los com a dignidade que todo ser humano merece.Quanto a ter um personagem gay no gibi,eu não gostaria,mas não podemos viver fora da realidade,fingindo que isso não existe.Educação sexual tem de ser dada desde a infância,respeitando os limites da criança.E,se isso realmente acontecer(o gay no gibi),simplesmente temos de explicar à criança de um modo que ela possa entender,com seriedade e dignidade.

    ResponderExcluir
  18. Lembrando que para ter um filho gay, é necessario um homem e uma mulher.
    Somente um homem e uma mulher são capazes de gerar um criança.
    Seja até por metodos de laboratorio, mas será necessario sempre! SEMPRE! Um homem e uma mulher.

    Daqui a pouco, vamos ver mulher engravidando sob encomenda de um casal gay que não pode gerar uma criança.

    E vamos ter que achar normal.
    Politico roubando ja é normal né!
    Por que não lutam por coisas que beneficiam o todo!

    ResponderExcluir
  19. Estranho isso :S

    Acho legal ter esse tipo de divulgação, digamos assim, para as crianças e tal...mas com a chegada desses personagens, acabou descaracterizando a turma. Não é mais aquela que eu adorava.

    ResponderExcluir
  20. Eu me lembro de quando era criança, como me deleitava com as historinhas. A Magali com sua fome, a Mônica com sua força, o Cascão e seu medo da água, o Cebolinha falando errado e tentando roubar o coelhinho da Mônica. E o que se vê nas historias agora?
    Personagens adolescentes tentando parecer "cool", inclusão de personagens com diversos tipos de deficiência, e agora essa, gays. Não sou preconceituoso, vejam bem. Querem mostrar a realidade para as crianças? Deem a elas uma revista Veja ou um jornal, a infância está aí pra ser vivida em sua plenitude, não para se decidir sobre a sexualidade ou afins.
    Ainda se fossem personagens que acrescentassem algo às historias (estou falando de personalidade), mas não.
    Não me venham com falso moralismo, por favor.

    ResponderExcluir
  21. ESCLARECIMENTO: pessoal, algumas pessoas estão fazendo comentários levando em conta que o gibi infantil da Mônica e cia na fase infantil acabará com as novas titinhas.
    Não! As revistas para crianças estão e CONTINUARÃO nas bancas.
    Estão sendo editadas as versões para adolescentes. O Caio e a Tina, desta postagem, são personagens para adolescentes e não para crianças.
    Nas livrarias temos livros para crianças, para adolescentes e para adultos, não é?
    Então, é a mesma situação.
    Obrigado pelos comentários de todos.
    Junior.

    ResponderExcluir
  22. Sou contra isso é um absurdo!!!!!
    Fui votar contra, o site ñ me deu opção e postou vc votou com sucesso!! Votei com sucesso oque ? Não me deu opção de escolha. Acho que quando estamos votando o site coloca que sim?????????????????????

    ResponderExcluir
  23. Anônimo aí de cima: não sei como você conseguiu votar numa enquete que teve início em 31/08/2010 e encerrou em 31/09/2010. Desde então, não há mais possibilidade de o leitor votar.
    O "site" a que você se referiu é o "Folha.com".
    De qualquer forma, foi bom você ter "ressucitado" o tema para que fique registrado aqui o resultado da pesquisa finalizada, repita-se, em setembro de 2010:
    71% a favor; e
    29% contra.
    Obrigado pelo comentário.

    ResponderExcluir
  24. Ser Gay ta na moda...

    O ASSUNTO É SÉRIO E PREOCUPANTE.

    ACEITAR, TUDO BEM, MAS INCENTIVAR E FAZER APOLOGIA NÃO!

    É ridículo tratar esse assunto como se fosse normal e politicamente correto. Todos sabem que não é... e a família entra onde nisso? Não quero que ensinem para os meus filhos que isso é certo.

    Abraços.. .Bia Vilas Boas.

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.