Em 1997, o cientista e biólogo Jonathan Roughgarden (foto acima) estava participando do desfile da parada do orgulho gay de São Francisco (E.U.A.) quando começou a analisar e perceber que mesmo entre aquelas pessoas que formavam o grupo de gays, lésbicas, travestis e transexuais havia comportamentos e estilos variados e isso já poderia ser uma prova da diversidade do plano da natureza. E mais, não poderia haver ali uma anormalidade.
O que possibilitou aquelas pessoas a transformarem a sua antiga aparência e/ou a sua sexualidade para aquela nova forma ou estilo de vida era o que as diferenciam das outras espécies animais, a racionalidade.

A partir dali, bastou um ano para que Jonathan se transformasse em Joan Roughgarden e não parou por aí. Mesmo tendo enfrentado a fase de imposição da sua nova identidade sexual e transformação perante o ambiente de trabalho - Joan é pesquisadora do departamento de biologia da Universidade Stanford -, ela resolveu pesquisar em paralelo os papéis dos gêneros e a diversidade sexual na natureza. O resultado foi o lançamento, em 2004, do seu polêmico livro "Evolution's Rainbow" (Arco-íris Evolutivo).

A sua teoria causou alguns rebuliços por parte de colegas cientistas e políticos e desafiou a conceituada teoria de Darwin. Ou seja, traduzindo em miúdos e de forma simplória, ela informa que a diversidade do comportamento sexual seja no animal ou entre humanos não somente seria normal (sim, a palavra é esta) como jamais poderia ser tratada como uma aberração: Chegou a hora de tomarmos uma posição para afirmar que todas as formas e tamanhos, todas as nossas expressões de gênero e orientação sexual são saudáveis, declarou para um jornalista, cuja matéria foi publicada no site Sfgate.com/Articles Colection, em 2004.
Segundo afirmou ainda, mais de 300 espécies de vertebrados têm relações sexuais com o mesmo sexo. Há ovelhas gays e largartos fêmeas lésbicas. Alguns animais mudam de sexo ou têm mais de um tipo de macho ou fêmea. A história, a ciência e até mesmo a Bíblia nos mostra a multiplicidade da natureza humana, embora os cientistas têm sido negligentes em aproveitar este fato aparentemente incontestável publicamente.
Para não prolongar tanto, resolvi mesclar as matérias que serviram de fontes para esta postagem e concluir com uma lista com cinco diferentes animais - cujos comportamentos sexuais foram considerados os mais notórios dentre todas as demais espécies que praticam a homossexualide - que corrobora a teoria lançada por Joan Roughgarden.
Eles foram mostrados na reportagem da "Folha.com", de 28/08/2010, a qual ressaltou os golfinhos como a espécie que "faz sexo gay para manter uma amizade". A matéria da "Folha" destacou, como ponto de partida para a teoria de que a homossexualidade existe em quase todo o reino animal, o livro "Biological Exuberance", publicado em 1999 pelo zoólogo canadense Bruce Bagemihl.

QUINTO LUGAR: PEIXES-MEXERICA (Etroplus maculatus)
Esse pequeno peixe laranja, original de algumas regiões da Ásia mas hoje facilmente encontrado em lojas e aquários pelo mundo, é bissexual porque não sabe diferenciar bem machos e fêmeas. Não se trata, nesse caso, portanto, exatamente de uma adaptação evolutiva, mas do um fruto de uma limitação de reconhecimento da espécie. Os dois sexos realmente são muito parecidos, e por isso aquaristas com frequência têm dificuldade para saber qual o sexo dos indivíduos que estão colocando juntos. Entre os biólogos interessados no assunto, a espécie ficou famosa pela semelhança entre machos e fêmeas -- 
entre os peixe-mexerica, portanto, ninguém é de ninguém.

QUARTO LUGAR: CISNES-NEGROS (Cygnus atratus)
O cisne-negro macho, além de bastante monogâmico, é gay com frequência. Cerca de 25% deles escolhem outros machos para serem seus parceiros, e os animais ficam anos e anos juntos. Casais gays, claro, têm um problema reprodutivo sério. Por isso, membros de casais de machos têm relações com fêmeas. Mas, assim que ela põe os ovos, os dois machos colocam a coitada para correr e, cheios de amor, cuidam juntos dos ovos. Em outros casos, os animais simplesmente roubam os ninhos de casais heterossexuais e adotam os seus ovos. Os cientistas suspeitam que, quando os dois cisnes gays somam as suas forças, conseguem defender melhor seu território, mesmo em comparação com casais héteros. Resultado disso é que, em média, "filhos" de casais gays têm mais chances de sobreviver.

TERCEIRO LUGAR: GOLFINHOS (Tursiops truncatus)
Golfinhos-nariz-de-garrafa brincam juntos. O golfinho-comum, também conhecido como golfinho-nariz-de-garrafa, ficou famoso por causa do Flipper, da série de televisão. Os telespectadores não tinham ideia, porém, das coisas que o simpático golfinho fazia quando as câmeras estavam desligadas. Isso porque, em média, esses animais mantêm o mesmo número de relações hétero e homossexuais -- a grande maioria dos indivíduos é bissexual, e alguns passam por longos períodos de exclusividade homossexual. O tal nariz de garrafa é utilizado para estimular a área genital dos colegas. Duradouras alianças têm interações homossexuais como alicerce. A amizade, portanto, é fortelecida com carícias entre diferentes machos, por exemplo.
SEGUNDO LUGAR: BISÕES AMERICANOS (Bison bison)
Se os outros animais fazem sexo homossexual por amizade ou carinho, os bisões americanos fazem por um motivo, digamos, mais macho: montam nos seus pares para reforçar a hierarquia. 
Entre eles, concluíram os cientistas, sexo anal está altamente relacionado à dominação. Os bisões-alfa, portanto, não perdoam os colegas com menos status. Um animal monta no outro com agressividade. Como eles podem chegar a dois metros de altura e quase uma tonelada, há bastante brutalidade na cena. Interações entre as fêmeas, porém, são mais raras. 
Outro fator que estimula o comportamento homossexual na espécie, de acordo com Bagemihl, é a falta de opção.
Se o acesso às fêmeas é difícil (e elas só estão disponíveis para o acasalamento uma vez por ano), sobra para um outro macho desprevenido que estiver por perto. Com menor frequência, há casos homossexuais registrados na literatura entre bovinos domesticados, que são primos dos bisões.

PRIMEIRO LUGAR: BONOBOS (Pan paniscus)
O primeiro lugar vai para os bonobos porque esses animais levam a ideia de amor livre a sério. Exceto pelas substâncias alucinógenas e pela trilha sonora de The Who, eles fazem das terras onde vivem, na República Democrática do Congo, uma espécie de Woodstock animal -- muito pouco agressivos, os bonobos, não à toa, são conhecidos como "macacos hippies". Sexo é parte da vida dos bonobos como em nenhuma outra espécie de primatas. Eles fazem sexo para resolver conflitos, para pedir desculpas, como forma de congratulação e, claro, na maioria das vezes só por prazer mesmo. 
Nas palavras do grande primatologista Frans de Waal, os bonobos fazem tanto sexo que uma hora até cansa ficar observando seu comportamento. Tanto os machos quanto as fêmeas se envolvem em sexo homossexual, mas elas se destacam. Passam boa parte do dia se estimulando, e sexo oral é extremamente comum. Com um clitóris bem maior do que a das humanas, atingem o orgasmo com extrema facilidade. E não perdem uma oportunidade: "Uma fêmea pulou nos meus ombos, envolveu minha cabeça nos seus braços e tentou puxá-la para o seu clitóris. Eu não deixei", disse Vanessa Woods, cientista que trabalhou com a espécie.
Fotos: Joan Roughgarden - Google. As das espécies animais foram extraídas da matéria da "Folha.com".
 

5 comentários:

  1. Acho interessante, mas dá pra polemizar um pouco mais... então lá vou eu...
    Eu, como bom reacionário que sou, acho meio complicado considerar que todas as sexualidades são "normais" e devam ser aceitas. "Biologicamente falando" podem até ser, mas - e aí é que entra a diferença entre os homens e os animais - socialmente não são. Sendo assim, teríamos de considerar a pedofilia algo "normal", afinal, para o pedófilo, ela é absolutamente natural. O mesmo vale para o incesto, o estupro... dá pra explicar tudo com algum fundo biológico (ocorrem com frequencia no mundo animal), mas a sociedade - felizmente - considera tudo isso uma "aberração"...

    Agora falando dos animais, a parte dos bisões é a mais interessante, não envolve apenas putaria, também dá pra fazer um tratado sociológico...kkk

    ResponderExcluir
  2. bom, adorei o texto, e citando os peixes amarelos, digo que na verdade a sociedade so complicou quando quis estabelecer o que julgam ser certo ou não,pois se é parte da normalidade, porque o homem que tambem é uma especie e dotada de inteligencia, tem tamnha dificuldade em entender que cada um tem seu proprio meio de vivencia?
    Ate porque no mundo social, tambem temos diferenças de tabus, de pais para pais, acho que enquanto nao se modificar isso, o que teremos sao as falsas e compulsorias aceitações, por meio de leis.Fazer o que neh!Bjs!

    ResponderExcluir
  3. E 'comovente "..Como o homem sempre inventa desculpas para seu comportamento desnatural...!

    ResponderExcluir
  4. ah pelo amor neh...vo fingir que acredito, o mania de falar que tudo agora é homosexual.

    ResponderExcluir
  5. this post is very usefull thx!

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.