Ontem, após ganhar o 'prêmio' da NET e passar o dia numa ilha sem televisão, internet nem telefone, resolvi dormir cedo. Às 20 h já estava nos braços de Morfeu¹ e posso garantir que tive uma ótima noite.

Acordei por volta das 4 e 30 h da madrugada e, depois de uma boa espreguiçada e um café da manhã caprichado (muita fome), percebi que estava de volta ao meu mundo: todos os serviços da NET em pleno funcionamento. Até que enfim, em NET? Que sufoco. Aff!

Fui checar e-mails, o blog e o #Twitter. Dei de cara com alguns twiteiros ensaiando shows eróticos, mas sem muita animação por falta de platéia, até que li uma mensagem de um dos seguidores/seguidos do Navve, "AmarrotaMe" (very funny), assim: "Nada melhor do que a minha Rainha do Travestismo p fechar a minha noite 'Loves msgs From Overseas'". Curioso, cliquei no link indicado.

Estava esperando algo divertido, protagonizado por alguma travesti, enfim, um desses vídeos que estão aos montes no You Tube, mas, apesar de ter sim o lado engraçado, fui surpreendido por uma produção precária de um vídeo que parece ser antigo, um som diferente e eis que surge a tal Indian Princess Leoncie.

Não fosse a maravilhosa voz que tomou conta de tudo, o vídeo teria todos os motivos do mundo pra nos fazer morrer de rir. Só a figura da Indian Princess é hilária. As caras e bocas e os passos de dança protagonizam algo como um showzinho de circo de quinta. Porém, repito, o talento musical daquela voz é inquestionável. Os demais vídeos da Leoncie no You Tube demonstram que há uma evolução de carreira.

Restou a pergunta que não quer calar e até agora sem resposta. Quem é esta figura? 

No Google, nada sobre a biografia, mas muitas informações sobre cd, preços, discografia e etc. Aravés do site islandês "Iceland Review_On Line" consegui a informação de que ela é/foi considerada um ícone da Islândia, após alguns percalços.

Nascida no Estado de Goa, na Índia, ela foi morar na Islândia após ter se apaixonado e casado com um islandês, conhecido apenas como Viktor. Instalada na pequena ilha de Kópavogur, vizinha de Reykjavik, começou ali mesmo a investir na sua carreira autointitulada de Madonna da Islândia.

Sempre se orgulhou de ter sido a escritora, compositora, produtora e diretora de suas músicas e vídeos, mas se decepcionou com a Islândia por considerar a mídia local racista porque, além de as rádios não tocarem as suas músicas, os jornalistas de lá faziam de sua bunda o principal motivo para as notícias de chacotas.

Após 15 anos na terra do fogo e do gelo, decidiu seguir outro rumo. Foi parar no Reino Unido onde, segundo consta, conseguiu algum destaque no início da década de 1990. Até hoje por lá, parece que comanda o mercado eurotrash e realiza shows em diversos países, cantando (e falando) em vários idiomas: inglês, hindi, islandês, dinamarquês, árabe e concani.

Se é travesti? Não faço idéia, mas é, de fato, uma artista.O que você acha? AmarrotaMe, socorro!

Depois disso tudo, você não vai perder o vídeo, né? Clique aqui para acessá-lo.
_____________________________________________________
¹Morfeu: é o deus grego dos sonhos (há quem diga que é do sono).

Um comentário:

  1. O engraçado é que a Islãndia é um dos países mais avançados na questão dos direitos gays...

    Quanto ao video... a música me lembra uma outra que não consegui até agora identificar, principalmente o tecladinho de churrascaria. A dancinha meio desengonçada, o figurino... Como eu tenho os dois pés no lado trash do mundo, é claro que adorei...kkk

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.