Cartazes sustentados por evangélicos na Parada Gay do RJ (foto extraída do site "mixbrasil").
A imagem não foi registrada hoje, mas ela vem sendo uma constante em movimentos contra a intolerância aos gays e a homofobia.
Parecem pragas em plantações. A planta escolhida é a da tolerância e as pragas, claro, são esses covardes e falsos evangélicos. Por que não prestam seus (des)serviços aos que matam, roubam, traficam, assaltam e/ou cometem crimes bárbaros e hediondos, os quais são muito mais nocivos e contrários à sociedade e às leis de Deus ao invés de perturbarem  dignos manifestos de pessoas unidas para reivindicar a paz por meio de um tratamento isonômico? Não estão eles próprios incitando o ódio e o "apartheid"? E não venham dizer que fazem visitinhas esporádicas em presídios para pregarem a palavra.
Cadê a coragem pra subirem nos morros e nas favelas cariocas mais perigosos e exporem os seus 'recadinhos' irritantes? Vão lá nos Morros dos Macacos, da Serrinha, do Borel, da Formiga -  e mais um par deles - pra alertar os traficantes que eles estão acabando com a paz do Rio de Janeiro; que pessoas inocentes estão morrendo por causa do tráfico de drogas, das balas perdidas; que Deus não os perdoará por isso.
Avá, me erra!

3 comentários:

  1. deus deve ser um cara muito desatento, pois deixa o pessoal fazer/dizer cada coisa em seu nome...

    ResponderExcluir
  2. eu tenho nojo desta corja ... o mais triste é como o povo se deixa levar por esta praga e não se apercebem que na verdade estes bandidos só estão atrás do dinheiro duramente conseguido a custa de muito suor ...

    mas as coisas mudam ... ah! mudam sim ... esta nova idade média sucumbirá como a outra ...

    bjux

    ;-)

    ResponderExcluir
  3. eles esqueceram que os heteros tambem pegam aids?

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.