Um dia de silêncio foi a forma de o Identidade G homenagear a ação do governo do Estado, da prefeitura, da secretaria de segurança pública, das polícias e da população do Rio de Janeiro. Com o apoio, reforço e disponibilidade do governo federal, das forças armadas, enfim, do País, resolveram por um basta na violência, na desordem e no caos que assola [palavrinha esquisita que lembra o 'assolan', mas significa destruir] a cidade. 
De qualquer maneira, nada do que pudesse ser publicado ontem poderia superar a importância dessas ações, nem mesmo a notícia em si.
Tudo pode significar o fim - ou o controle, que seja - da guerra do tráfico de drogas e da bandidagem. Os traficantes já se achavam mais capazes e preparados do que a polícia para comandar o Rio. O povo, desacreditado, não encontrava mais razão para denunciar os constantes abusos eventualmente presenciados. Quase uma terra sem dono; sem alma. 
Não bastassem as trocas de tiros, as balas perdidas, os arrastões, os homicídios e latrocínios, a nova ousadia deixou boquiaberta a população carioca que sentiu o terror nas ruas durante os últimos ataques dos bandidos iniciados no último final de semana: a queima de todo o tipo de veículo que encontravam pela frente. Para as primeiras horas de hoje, eles ainda prometem uma madrugada sangrenta. Tenho minhas dúvidas de que cumprirão a promessa. 
A polícia já dominou Vila Cruzeiro, o morro que fica na Penha, zona norte, e segue agora rumo ao Complexo do Alemão (morro vizinho), para onde fugiram os criminosos que se uniram em bando hoje, numa tentativa desesperada de constranger e/ou combater a polícia. E acabei de ler que o exército liberou 800 homens para atuarem em solo fluminense (e vêm aí os policiais federais também).
Posso respirar com mais tranquilidade do que os moradores dos arredores dos morros acima, porém, há uma sensação esquisita de que estou de camarote assistindo ao "Tropa de Elite III". Não é ficção desta vez. Torço muito que funcione essa estratégia da polícia de dominar os territórios dos traficantes e acreditando estou que dias normais estão por vir em nossas vidas.

6 comentários:

  1. #tenso com tudo isto ... mas pela primeira vez estou sentindo uma certa segurança, determinação e coerência nas ações governamentais para acabar de vez com este câncer social ...

    bjux

    ;-)

    ResponderExcluir
  2. Quando eu fui ao RJ, minha impressão foi hiperpositiva, não vi nada do que me amedrontava. Mas bem na volta passamos por um pessoal com metraladoras, foi punk!

    Quando vi o Tropa 2, até comentei com o maridão que aquilo tudo era muito particular do RJ, que a violência aqui de SP era outra, sem qualquer comparação.

    É uma pena ver um lugar tão lindo como o RJ nesta situação! Mas não posso deixar de lembrar: se a situação é essa, em muito é culpa de quem financia o tráfico, consumindo seu "inofensivo" baseado ou dando seus "tapas" - e acaba alimentando o próprio inimigo.

    Na torcida por notícias melhores!

    ResponderExcluir
  3. Caramba... eu que sou de Sampa fico aqui tensa, imagino vcs... Mas acredite, seu post me fez refletir, me tranquilizei. Bom é pensar que 'deus escreve certo por linhas tortas', e quem sabe este não seja o cheque mate que o povo do RJ espera há tanto tempo? Veremos. Grande abraço.

    ResponderExcluir
  4. eu estaria com mto medo de morar no rio...

    ResponderExcluir
  5. Isso assusta até msm quem mora fora do Brasil.
    Foto estranha: Cristo com braços abertos e soldados com armas.

    Bom,esperemos que a Paz possa reinar logo.
    Abraços.

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.