Imagem: "Condoms on a clothesline" - Dawlin1 (Flickr).
Cientistas da Rússia divulgaram ontem, 22/11/2010, a vacina mais efetiva contra a AIDS até hoje descoberta, segundo eles. Não é a cura, mas é um indício de que alguns países continuam investindo e incentivando a ciência em prol da humanidade.

O seu grau de efetividade é de 30%. E o que isso quer dizer? Confesso a você que não tenho tanta certeza. Fui procurar nos 'trocentos' sites que divulgaram a notícia ontem e todos, sem exceção, escreveram a mesma coisa e não explicaram (nem imagino quem escreveu a notícia primeiro).

Todavia, acredito que o percentual acima significa que a vacina pode erradicar 30% de todos os tipos, subtipos e outras variações do HIV existentes no mundo. Tal variação decorre do fato de ser o HIV um vírus que sofre várias mutações no corpo do indivíduo infectado formando cepas diferentes das que inicialmente habitavam o organismo.

Você pode perguntar: não foram descobertos, recentemente, dois anticorpos capazes de impedir a infecção de células em mais de 90% das variedades do HIV? Esta foi outra questão que gerou dúvida. Em julho deste ano, a revista "Science" divulgou esta notícia, inclusive publicada pelo Identidade G (clique aqui para ler). Concluí que aquela pesquisa estaria numa fase inferior e demandará mais tempo para provar a sua efetividade. 

De volta à Rússia, há outros dados interessantes sobre esta vacina, além dos 30% de alcance das variedades do HIV:
  • seriam necessárias apenas 6 doses da vacina/ano;
  • a terapia é mais segura e não traz efeitos colaterias, ou seja, não intoxica o organismo;
  • milhares de infectados que não estão obtendo mais resposta aos medicamentos atuais poderão ser beneficiados; e
  • já foi testada em 500 voluntários, portadores do HIV, o que representa a fase final de estudos. Ou seja, está a um passo da comercialização.
Agora, a pergunta que não quer calar: e os demais 70% dos tipos de vírus que a vacina não inclui, como evitá-los? Camisinha, gente! Ainda é o meio mais seguro.

4 comentários:

  1. De tempos em tempos, surgem essas notícias. Dá a impressão que são apenas pequenos avanços nesses estudos mas que a mídia aumenta de tamanho. De uma forma ou outra, demonstra que, cedo ou tarde, teremos - ou já estamos tendo - EFETIVOS avanços no tratamento da AIDS.
    Mas, o mais seguro, evidentemente, é usar sempre camisinha.

    ResponderExcluir
  2. Já era tempo não é mesmo? Isto já era para estar estudado, conhecido e comercializado ... mas a máfia de laboratórios sempre usa de seu poder ... coisas da humanidade ...

    o q resta mesmo é a prevenção

    ;-)

    ResponderExcluir
  3. também não entendi, são 30% dos tipos de vírus ou 30 dos indivíduos pesquisados?

    Em todo caso, toda notícia boa neste quesito é motivo para comemoração. A AIDS continua por aí, mesmo que silenciosa!

    ResponderExcluir
  4. tudo começa com um primeiro passo né?
    hj 30%, amanhã 99%!

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.