Estupro corretivo é um crime bárbaro que vem sendo cometido na África do Sul contra as lésbicas. A desculpa dos bandidos que o praticam é a absurda alegação de cura da homossexualidade das vítimas.
Millicent Gaika (foto) foi amarrada, estrangulada e estuprada repetidamente durante um ataque no final de 2010.
Avaaz.org (voz da sociedade civil para a política global) está coletando assinaturas de vários países para uma petição a ser encaminhada ao presidente e ao ministro da justiça sul-africanos com o fim de se condenar publicamente o estupro corretivo. É o autêntico crime covarde de homofobia.
Para reforçar a petição, que já contém mais de 500 mil assinaturas, clique aqui.

7 comentários:

  1. Eu li ontem que há um grupo homofóbico em Brasília que pratica o estupro corretivo. Um ex-integrante desse grupo estava, em uma entrevista, contando detalhes de como agiam. Nesse grupo, eles pegavam gays nas boates, levavam à ''base'' do grupo e os obrigavam a transar com alguém do sexo oposto (há também mulheres nesse grupo). Eles gravavam em vídeo toda ação e enviavam pra sites pornográficos estrangeiros.
    Pessoas assim só podem ter graves complexos psicológicos.

    P.S.: Não tô conseguindo assinar a petição agora. Assinarei mais tarde.

    ResponderExcluir
  2. Sempre recebo e-mail da Avaaz.org.
    Todos devemos cooperar por um mundo melhor.É tao rapidinho e nao custa nada.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Acredita que existem grupos que pregam o estupro corretivo aqui no Brasil? Eles sequestram pessoas e as submetem à violência sexual, achando que desta forma vão "curá-las". Não faz muito tempo que li uma reportagem a respeito. No caso dos homens, até drogas eles dão pro cara "funcionar". Teve até uma quadrilha presa, se não me engano no Sul. No orkut mesmo havia várias comunidades pregando esta barbaridade - a principal foi excluída depois de denúncias.

    ResponderExcluir
  4. Simplesmente uma vergonha!!!

    depois do horrores do Apartheid ainda tem isto ...

    ;-)

    ResponderExcluir
  5. é, eu li a mesma reportagem que o DPNN, mas o q eu lembro é que isso acontecia em Brasília.


    ps: sobre meu blog.
    vc falou em evolução...
    como historiador eu não posso concordar com o uso da expressão "evolução" em hipótese alguma se tratando de seres humanos, cultura e história. quando vc afirma que as mudanças de hoje em relação ao passado são uma evolução, vc está necessariamente dizendo que nossa sociedade de hoje é melhor, mais avançada, mais moderna, etc, etc, etc, e isso é fato? índios "primitivos" não têm divisão de classe e nem pobreza, a Grécia Antiga não conhecia crimes de homofobia, o Egito antigo não conhecia desemprego, entre outros exemplos que posso te citar, como então você pode considerar que houve alguma evolução. como historiador eu só consigo pensar que tempos históricos são diferentes entre si, como pessoas são diferentes entre si, e sendo assim, eles precisam ser analisados separadamente, sem comparações. sobretudo, sem comparações de valor.

    ResponderExcluir
  6. Correctivo não é de maneira nenhuma! O único efeito que tal crime pode induzir é o horror e nojo, da violentada, pela prática do acto de que foi vítima.
    A única motivação de acto tão nojento é a satisfação da libido doentia e bestializada do criminoso.

    Como conseguimos, nós humanos, ser tão monstruosos???


    PS: tiveste uma gafe no comentário do Confessium, eu não sou Paulo. Sou ManDrag rsrsrs

    beijos

    ResponderExcluir
  7. Assinei, que absurdo isso gente, choquei!Que Deus ilumine esse povo, que ainda vive como barbaros!

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.