Perguntinha difícil, né? Ricky Martin disse, em sua entrevista para as páginas amarelas da revista "Veja" dessa semana, que todo gay nasce gay. A  vida social que às vezes se opõe a essa natureza, e aí começa o conflito.
Taí uma afirmação que deixa os religiosos, principalmente os pseudopastores, de cabelos em pé. Eles o-deiam! Sempre argumentam que a ciência não provou, mas adoram afirmar que a sua igreja "curou" os gays que a procuraram, como se eles próprios fossem cientistas e a homossexualidade uma doença. É o fim.
Então, você saberia responder o porquê de você ser gay? A sua primeira experiência sexual foi com alguém do mesmo sexo ou já sabia que era antes de ela acontecer?
Eu sou gay, não sei se nasci assim porque os fatores externos (educação, medos, adaptação social e etc) a esta altura da vida já embaçaram a minha visão imparcial dos fatos, mas posso garantir que não nasci heterossexual e me tornei gay, pelo menos do ponto de vista cultural (homem não chora; homem é pegador; homem deve bater pra se defender e tantos outros simbolismos similares). 
Será então que, por isso mesmo, eu nasci gay? Aff, que confusão.
Encontrei um vídeo (link aqui) bacana no "Youtube" que tem muito a ver com tudo isso. Todos os caras que aparecem falam sobre a mesma coisa, mas se liga no Carlos, o de camiseta vermelha da foto acima. Muito figura.

11 comentários:

  1. Eu já sabia antes da minha primeira relação que era gay.
    Mesmo antes de eu saber o que é gay, eu sentia que era ''diferente'', que não era como os outros, que, diferente dos outros, me sentia afetado por comentários preconceitos.

    Mas, só com 13/14 anos que eu tive propriedade o bastante pra tomar consciência disso e no que isso implicava. Quando isso aconteceu, eu aceitei logo de cara, não resisti à minha natureza.

    ResponderExcluir
  2. Eterno dilema, nasci ou me transformei em? Nasci assim e descobri depois? Ou em algum momento algo me levou a isso e eu fiquei?

    Eterna discussão. Porém, irrelevante pra nós que, cedo ou tarde, reconhecemos nossa verdadeira inclinação, distinta da maioria. Não importa se nasci ou não, importa que sou.

    Eu, particularmente, sempre me senti atraído por homens de modo muito diferente; acho que nasci assim, bem como todos [gays e lésbicas] que eu já conheci. Só não sabia o que isso significava, coisa que a vida, aos poucos, se encarregou de dizer.

    Acredito, porém, que há uma parte -- ínfima, na minha opinião -- dos(as) homossexuais que poderia, sim, estar tanto de um lado quanto do outro, mas cuja história acabou definindo o lado em que se realizariam. Assim como a gente vê todos os dias muitos homens e mulheres heterossexuais que poderiam, perfeitamente, serem gays.

    No fundo, no fundo, essa questão, da realização da afetividade e da sexualidade é uma coisa humana, e o sexo daquele ou daquela a quem nos unimos e/ou com quem fazemos sexo é absolutamente irrelevante. A humanidade ainda vai compreender isso um dia... daqui a séculos, talvez.

    ResponderExcluir
  3. Realmente não sei se a gente nasce ou se a gente "pega"... meu grande problema sempre foi que até a adolescência eu me apaixonava perdidamente pelas garotas, mas sentia atração sexual pelos caras. Ou seja, minhas primeiras experiências, em todos os campos, foram com mulheres.

    Meu medo era ficar nessa vivêncvia imcompleta. A coisa só mudou quando eu me apaixonei por um homem, aí eu vi que dava pra ter as duas coisas num ser só. E, ainda por cima, era algo umas 1.0000.000.000 de vezes melhor.

    Maridão diz que já sabia desde criança. Acho que, também neste caso da homossexualidade, não exista apenas uma forma padronizada, talvez o "surgimento" ou o "desenvolvimento" da homossexualidade sejam difentes em cada um.

    Ah, a entrevista dele é ótima, mas eu destacaria o começo da fala que você publicou, pois muito militante deve discordar: "Queria que o mundo entedesse que amar da forma que amo não é revolucionário, é algo natural, minha natureza me fez assim."

    Um abração!

    ResponderExcluir
  4. Eu tive problemas na adolescência para me assumir mas sabia de minha condição de diferente desde pequeno ... pequeno mesmo ...

    bjux

    ;-)

    ResponderExcluir
  5. Oi, Juninho! Vou te chamar assim agora rsrs

    Já estou devidamente matriculado (leia-se, identificado) no Identidade G. hehehehe

    Boa pergunta essa do post, viu? Mas quanto a isso sou incisivo: nasci gay e sempre tive convicção (mesmo que atordoada, embaçada e oprimida) da minha orientação sexual. Desde pequeno eu sabia que não era como os outros garotos, que minhas predileções íntimas distoavam do que eu deveria preferir socialmente.

    Mas não acredito que alguém se "torne" alguma coisa. O pior que você pode fazer é reprimir, negar, fingir que não vê aquilo dentro de você, tentar matar sua homossexualidade à base de muita lavagem cerebral, auto-punição e etc, mas aquilo permanecerá como uma força adormecida, que a qualquer momento irá despertar,

    Beijos,
    Paulo

    ResponderExcluir
  6. eu sempre soube desde pequeno q era diferente dos outros meninos, eu e todo mundo ao meu redor perceberam, só que meus pais ao tentarem evitar que isso se tornasse real, eles acabaram por reforçar os meus comportamentos. Acredito, dado minha personalidade, que conforme meus pais diziam "não pode", mais aquilo se reforçava dentro da minha cabeça, porque sempre me irritou um "não pode" sem nenhum argumento q me convencesse. Talvez, se eles tivessem ignorado a informação, fingido q nada estivesse acontecendo, eu não fose gay hj. Não sei.

    ResponderExcluir
  7. Ok, Paulinho, então vamos nos tratar assim, carinhosamente.
    Seja bem vindo e obrigado pelo comentário.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  8. Lá vou eu com um palpite...
    Eu diria (sob espantos de alguns e felicidade de mamãe) que eu não sou gay.

    Em seguida, para re-frustração de mamãe e sob um "ah, bom" de outros, eu diria que por uma questão de nomenclatura, eu sou gay, sim; gosto de homem; Me apaixono e tenho tesão por eles.

    Responder "por que se é gay?" é, me parece, tão difícil quanto perguntar "Por que se é hetero (ou bissexual, etc)"; Uma possível resposta seria talvez tão imprecisa que não convenceria pela razão boa parte da Humanidade.

    Imprecisa porque parte de uma visão particular e fragmentada; Ninguém é alguma "coisa" independente de outras coisas inter-relacionadas e concomitantes.

    Daí, penso adentrar a questão é sempre correr um risco bastante grande de incorrermos em errar muuuito.

    Fulano é gay porque o pai "molestou"; Cicrano é gay por curiosidade; Beltrano o é porque tem tesão na bunda; O outro, pelo complexo de Édipo e o Rick NÃO ERA por conta da vida social...

    Cada uma das frases podem ser verdades parciais, verdades de forma alguma; Verdade absolutas ou ainda, pode ser preciso mais de uma dessas frases para representar a verdade que o indivíduo ACHA que o representa.

    Por isso, eu não sou gay... Eu me atraio sentimentalmente por um grupo de pessoas do sexo masculino, pouco entendendo ou me importando (na medida do possível) o que isso significa. É natural e eu sigo esta natureza tanto quanto é natural um homem se interessar por uma mulher.

    São questões indistintas e, reitero, não existe um "por quê"; Existe um fato que é o de alguém te atrair.

    Ps. Se ficou confuso, acho que é por aí mesmo.

    ResponderExcluir
  9. Adorei. Defitiva, conclusiva, perfeita a frase de Luck:

    "São questões indistintas e, reitero, não existe um "por quê"; Existe um fato que é o de alguém te atrair."

    É isso. Somos. Ninguém pediu ou escolheu ser. E, humanos, merecemos o mesmo respeito que qualquer outro merece.

    ResponderExcluir
  10. Estou passando por uma transição, por muito tempo pensei sentir atrção por homens mais hoje vejo que as coisas são diferentes, sou beem nova e muitos acaham que é modinha mais não é, tive uma experiencia homosexual e durante esse elacionamento vi que algo estava mudando dentro de mim e aqui estou.
    Acho que por mais que parte da sociedade falar que não tem preconceito é da boca pra fora. Opção sexual não muda carater gente!

    ResponderExcluir
  11. Olá gente. Eu acredito que qualquer pessoa tenha o direito de se relacionar com que bem entender, seja do mesmo sexo ou não, e ainda acho que estas pessoas têm o direito de se casar e serem felizes. Mas eu realmente acho que muitas pessoas que viram gay é por escolha (mesmo que inconsciente). Veja por este lado: eu sou hétero, e comecei a namorar há dois anos. No início eu não gostava tanto do meu namorado, mas com o tempo fui percebendo como ele era bom para mim, e o jeito que ele me tratava bem. Fui me dando o direito de amá-lo, e perceber nele tudo o que faltava em mim. E com o tempo passei a ser realmente feliz com ele, mesmo que no início eu pensasse que nunca o seria. Bem, o que quero dizer é que, se cada um de nós nos permitirmos o sentimento brotar (claro, temos que gostar o suficiente da pessoa para isso), poderemos nos apaixonar por qualquer pessoa. Seja de um sexo ou seja do outro. Desejo sexual é intrínseco ao ser humano, e baseado em o que nós mesmos pensamos do que é satisfação.
    Minha humilde e sincera, não-preconceituosa opinião.

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.