A participante do BBB11, Ariadna (foto acima), é transexual. Fato.
Mais do que comentar sobre o BBB, esta postagem abordará um tema um tanto quanto polêmico que a nova edição do reality trouxe: uma transexual, aquela pessoa que se submete a operação de troca de sexo - seja  de masculino para feminino (vaginoplastia) ou vice-versa - deve contar para todas as pessoas, as quais fazem parte do seu convívio social, que é?
Antes de o programa começar, as notícias na mídia sobre a novidade do reality eram que o diretor, Boninho, havia escrito no "Twitter" que a participante fora instruída - ou aconselhada, que seja - a não revelar para os demais. Segundo ele, haveria uma expectativa do público para ver se algum dos desavisados brothers, homens e heterossexuais, cairia de amores pela morena popozuda, que já foi homem um dia, e, se isto ocorresse, seria "engraçado".
No entanto, talvez pelo fato de o comportamento da Ariadna não estar de acordo com o esperado, o boquirroto chefe do programa estaria tirando o corpo fora, pois, na mesma rede social, teria pronunciado que, se fosse ela, contaria porque é melhor do que ser "desmascarada".


O termo "desmascarar", deve se referir, prefiro crer, à possibilidade de a sister ser indicada pelos demais ao paredão, já que eles sempre procuram qualquer causa para isso. E este seria bafo!
Por outro lado, a não ser evidentemente que, de fato, algum homem se interessasse sexualmente pela moçoila - ou até mesmo se alguém perguntasse numa conversa mais séria - ela deveria abrir mão da sua privacidade e revelar aos quatro ventos que já foi homem, que a sua 'periquita' - como ela mesma chamou - é obra de um cirurgião?
Tudo bem que lá na casa, como já foi dito, há um milhão e meio de motivos para que qualquer deslize comportamental se torne um prato cheio de justificativas para emparedar alguém, mas, e aqui fora? Você deixaria de falar com aquela amiga super legal caso descobrisse por alguém, que não ela, que se trata de uma transexual? 
Deixaria de admirar aquela artista talentosa se ficasse sabendo da sua transexualidade?
Por falar nisso, relembre o caso da famosa adolescente alemã, Kim Petras (foto ao lado) que, aos 12 anos, iniciou o tratamento hormonal e, aos 16, se submeteu à vaginoplastia e está linda e loira mostrando ao mundo o seu talento musical após ter gravado um álbum independente. Ouça e confira a sua performance no single de estréia, Die For You.

4 comentários:

  1. isto é uma coisa de cada um ... revelar-se ou não ... eu tenho como princípio para minha vida a transparência total e absoluta ... sou o q sou ... faço o q quero e assumo tudo o me é devido ... mas aí entra um detalhe ... um ser humano q se dispõe a se expor em um lixo tipo BBB acho q não tem muito q esconder ou mostrar ... tudo está explícito ... busca-se tão somente a grana fácil e a fama vil ... então ... dificilmente alguém com algum talento participaria de coisa tão baixa ...

    desculpe minha acidez, mas é o q penso ...

    bjão querido

    ;-)

    ResponderExcluir
  2. Naquele programa, tudo é jogo, tudo é interesse, e uma pessoa que se dispõe a participar, tem, imagino, que estar preparada pra tudo. Afinal (é minha opinião) aquilo é baixaria pura! Naquele contexto, naquele espaço, creio que essa pergunta não se aplica. A própria natureza do programa e dos participantes já pressupõe que tudo que possa servir para audiência e jogo entre os participantes será efetivamente usado. A integridade e o bem-estar de cada um, ali, não são matérias sob consideração.

    Agora, na vida, acho que esse tipo de coisa deveria ser irrelevante. Quem quer contar, se acha isso importante para si, ótimo. Quem acha que não, também ótimo. As pessoas deveriam ter o direito de expor em público somente aspectos de sua vida privada que permitissem, e não que os outros quisessem, sempre com interesses que podem ser quaisquer outros, nunca a felicidade daquele(a) que se procura expor, rotular, classificar.

    Sexo e questões relacionadas ao sexo deveriam ser objeto de interesse e questionamento somente por quem fosse compartilhar conosco alguma situação em que isso (sexo) fosse importante. Apenas.

    Na vida profissional, social, familiar, que importância deveria ter se alguém tem pinto ou xoxota?, grande ou pequeno? e que uso faz disso? Somos todos seres humanos, e é a partir desse único e relevante fato que deveríamos pautar nossas relações, conciliando e buscando interesses comuns. E, aí sim, quando um desses interesses comuns fosse o sexo...

    Francamente, temos (o mundo todo) muito a evoluir ...

    ResponderExcluir
  3. Acho que, nesse caso, cada um sabe como se comportará diante a essa situação.
    Tem gente que deve preferir não comentar a todo mundo. E não estão errados, já que o fato de ter sido de outro sexo faz parte de seu passado. Mas, por outro lado, continuarão pra sempre sendo transexuais.

    ResponderExcluir
  4. Comentei sobre este assunto ontem com o maridão. Não me admira que os "incomodados" com a Ariadna na casa sejam justamente os gays. E fiquei puto da vida vendo o cara falando que ela tinha de se revelar, como se tivesse comentendo um crime. Puxa!

    A Ariadna MUDOU de sexo, ela é MULHER! Está apenas vivendo o que ela é HOJE! Ela não tem de viver a vida baseada no que ela foi. Acho que num relacionamento é até válido ela falar, já que o parceiro pode querer filhos etc e tem o direito de saber. Mas no dia a dia, na convivência, ela tem de ser quem é. E, repito, ela é MULHER e ponto.

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.