Foto: Gregory Kramer.
Carta-resposta do diretor central de comunicações da Rede Globo, Luis Erlanger, endereçada ao presidente da ABLGT, Toni Reis.
"Rio de Janeiro, 03 de fevereiro de 2011
Ao Sr. Toni Reis
Presidente
ABLGT - Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais
Prezado Toni,
Em nome de Octávio Florisbal, agradeço a sua carta (PR 353/2010) com relação ao tem "beijo gay" e parabenizo a ABLGT pela relevante atuação no promoção do respeito à divesidade sexual.
O combate ao preconceito, à discriminação e a defesa de direitos é casua que nos une. O reconhecimento desta entidade ao papel que a Rede Globo vem cumprindo ao longo dos anos neste sentido - por meio do jornalismo, da teledramartugia e demais programas de entretenimento - sem dúvida nos motiva a seguir trilhando este caminho, colaborando com a discussão ampla e qualificada pela sociedade e a consequente mudança de atitudes e comportamentos. Gostaria, também por isso, de comentar determinados pontos de sua carta.
Sobre a classificação estabelecida pelo Ministério da Justiça para a programação televisiva, entendemos que, como existe hoje, esta não se limita a ser "indicativa", uma vez que efetivamente proíbe a veiculação de programas que apresentem conteúdo considerados "sensíveis" fora das faixas horárias determinadas. Não se trata de mera recomendação, embora a Constituição Federal vede qualquer tipo de censura prévia. É algo, inclusive, que substitui o poder parental, uma vez que não há possibilidade, como no cinema, por exemplo, de os pais autorizarem a entrada de seus filhos em sessões de filmes classificados para crianças ou adolescentes mais velhos. Infelizmente este é apenas um dos mecanismos e iniciativas que representam restrições às liberdades individuais atualmente em nosso país.

Quanto à possibilidade de a emissora vir a recomendar o do beijo gay aos seus autores, entendo que cabe fazer uma distinção. Estimular que os autores abordem causas de interesse da sociedade, promovendo princípios, valores e direitos universais, é sem dúvida papel de uma empresa de comunicação consciente de sua responsabilidade social, uma vez que o convite à reflexão sobre a realidade por meio da ficcção contribui com a formação social...." (os grifos são meus)
Ao que parece, somente a primeira folha da carta foi divulgada, pois, mais à frente, há um trecho também exibido pela mídia que não apareceu:
"A teledramartugia, diferentemente das questões éticas e sociais, não é o ambiente adequado para levantar bandeiras de comportamento moral no campo da sexualidade baseada na individualidade." (grifei)
Toni Reis (foto acima) apreciou a atenção e a polidez da Globo, pelo fato de, ao menos,  abrir uma porta para futuras discussões. Entretanto, ressalvou que não há classificação indicativa que censure o beijo gay e que, em agosto do ano passado, o então secretário nacional de justiça, Pedro Abramovay, afirmou que o Ministério da Justiça não faz qualquer restrição a cenas com beijo gay em obras de dramaturgia na televisão, independentemente do horário de exibição.
Foto: Henry Horenstein.
Vamos traduzir para o populês. O que a Globo respondeu mesmo é que, por enquanto, nas suas novelas, não há espaço para manifestações e troca de carinhos íntimos entre homossexuais. Se quiserem levantar bandeiras vão para Brasília, mas podem contar com a emissora para estereotipá-los. 
O que significa esterotipar o gay? Contribuir com a imagem figurada e, por vezes, patética, do homossexual:
Lésbicas 'fanchonas' (muito masculinas): você já vi alguma no "Big Brother" ou em novelas?  Não mexem com o imaginário dos homens; não são "engraçadas" = zero de audiência.
Lésbicas femininas: Há muitas (novelas, "Big Brother", etc). Longe de serem engraçadas, em contrapartida, atiçam a libido de 99 a cada 100 homens heterossexuais = audiência certa.
Gays não afeminados: as novelas começam a inserir personagens assim por conta do crescimento deste universo. Os homens másculos e gays estão cada vez mais saindo do armário e participando do convívio social. Porém, ainda não têm prevalência entre os que aparecem nas novelas. No Big Brother, então....
Gays afeminados: nem precisa comentar, basta citar: novelas, "Zorra Total", "Big Brother", "Amor e Sexo" e etc. São o que há de engraçadíssimos, néam?
O autor de "Insensato Coração", Gilberto Braga (que é homossexual), parece que formará um romance de casal gay nesta novela parecido com o dos casais heterossexuais, ou seja, o público acompanhará a relação desde o momento em que os dois se conhecem até namorarem, passando pelos mesmos dramas que um casal hérero geralmente vive nos folhetins. Nos antigos, quando havia um casal homossexual, ele caía de pára-quedas. Juntos, claro.
Quando uma importante emissora dos E.U.A. ou de outro país desenvolvido quebrar este paradigma e conseguir um considerável sucesso de audiência por meio de uma divulgação que aborde a questão de forma inteligente e digna, aí, sim, a Globo copiará o feito dando pinta por aqui de pioneira e transgre$$ora.
Me lembrei agora de um comentário do Aguinaldo Silva - que também é gay e um dos autores de novelas da Globo - em seu "twitter" no ano passado: digam o que disserem os meus colegas tolinhos, eu reafirmo: nunca haverá um beijo gay no horário nobre da tevê.
Fonte: Site Terra.

10 comentários:

  1. Perfeita a sua abordagem ... não existe compromisso social por parte da mídia, apesar de ser uma concessão pública ... o q move efetivamente um ou outro passo adiante no sentido de uma compreensão ou de um trabalho sério de educação só acontece qdo as $$$ justificarem o investimento ...

    parabéns querido ...

    ;-)

    ResponderExcluir
  2. A ABLGT é uma das coisas que eu mais abomino no nosso mundo gay brasuca, talvez a maior apologista do vitimismo que eu tanto odeio. Não me representa de forma alguma! Com tanta coisa importante pra fazer, tanta coisa mais séria pra criticar, ficam procurando pelo em ovo, e, como toda boa organização anacrônica, nada como criticar a rede Globo... isso me cansa.

    De verdade, não acho que a Globo estereotipe deliberadamente o gay, há gays que são caricaturas no mundo real, e em número bastante razoável. Acho até que ela é bem gay friendly e normalmente passa uma imagem muito positiva - diria até que politicamente correta demais.

    Dia desses havia um texto na Folha de SP em que o colunista reclamou que a novela das 9 mostrava um personagem principal negro sendo disputado por gostosas e bem sucedido. Acredite, o cara reclamava disso e dizia que era obrigação da emissora mostrar um negro sofrendo preconceito!

    Entendo o valor simbólico do tal "beijo gay", mas focar apenas nisso acaba desconsiderando de forma injusta a visibilidade positiva que o gay já tem na Tv, até mesmo na Globo.

    ResponderExcluir
  3. Sobre a novela em outro país, posso dar meu depoimento pessoal: na Alemanha há uma (sim, há novelas alemãs...rs...) chamada Verbotene Liebe (Amor Proibido) que é muito, muito, muuuuuuuito gay. É daquelas que nunca acabam, apenas trocam os personagens. Já está no ar desde os anos 90! Passa em horário nobre e tudo, eu adorava ver quando morava lá. É bem legal, faz sucesso e mostra tudo mesmo: beijo, sexo (não explícito, é claro), dramas de casal... Passou até nos EUA, há vídeos no Youtube.

    Nos EUA mesmo não dá pra esquecer da série campeã de audiência "Will & Grace", que passava em horário nobre e era totalmente focada em personagens gays, teve beijo e tudo. Tinha seu lado cômico, mas também tinha espaço para o lado dramático.

    ResponderExcluir
  4. pois é, a rede Globo tem seus pudores, o q deveriamos fazer é parar de assistir, é assim q se responde a isso.

    ResponderExcluir
  5. Como diz na carta, a teledramaturgia não é espaço pra levantar bandeiras.

    Mas, na minha opinião, não é levantar bandeiras. O intuito da teledramaturgia é imitar a vida real. Se na vida real há beijo gay, nada mais natural que nas novelas também haja.

    ResponderExcluir
  6. Tambem acho que no mundo real existem os mais diversos tipos de gays e é claro o esteriotipado sempre será o mais emblemático, isso se traduz na vida real, o povo se liga mais no gay engraçado.#Fato.
    Mas é claro que por exemplo, a novela continuasse a abordar com a mesma linha, o romance que ta rolando, e terminasse com esse bendito beijo tao visto nas ruas seria tudo.Mas quer saber, algum gay precisa mesmo disso pra viver seu mundo real? A novela nem sempre vai traduzir o real, isso tb é #Fato!

    ResponderExcluir
  7. Acredito que tudo gira por interesses no mundo.O que a Globo ganharia com um beijo gay?Hoje em dia,nem fico na expectativa.
    Ah,concordo com DPNN.

    Ju,vc poderia fazer um post sobre os militantes gays do Brasil.É tao raro ler sobre isso na mídia.Fika dika.

    Beijos.Tenha um excelente findi!

    ResponderExcluir
  8. Ah,esqueci de dizer: vc está gatao na nova foto,hein.kkkk.Brinks.

    ResponderExcluir
  9. É uma ótima idéia, Lobinho. Obrigado pela sugestão e pelo elogio. Primeiro foi o Foxx (obrigado também, Foxx), agora você. Vou por uma fotinha com a cara vermelha de encabulado, rsrs.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  10. Correção: não como diz na carta, mas conforme a resposta da Globo.

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.