Anton Hysen 4 - 1o jogador de futebol sueco a se assumir gay Olhe bem para ele (o da direita na foto acima). Se o visse deste jeito, treinando entre outros jogadores de futebol da seleção sueca escalada para jogar contra o Brasil o que pensaria?  Provavelmente o mesmo que faria com os demais, né? Um garoto cheio de garra e energia como tantos que iniciam a carreira, ávidos por um lugar ao sol.
Anton Hysen 3 - 1o jogador de futebol sueco a se assumir gay
E se alguém lhe dissesse que ele é gay? Você passaria a enxergá-lo com menos capacidade? Se achou isto, é preconceito de sua parte. Entretanto, se pensou algo do tipo: e daí? O problema é dele..., legal, pois é exatamente isso que Anton Hysén, 20 anos, pretende mostrar pra todo mundo: podem me chamar do que quiser, isso apenas me dará mais motivação, declarou numa entrevista à revista sueca "Offsidde" que foi às bancas esta semana.
Anton Hysen 7 - 1o jogador de futebol sueco a se assumir gay. Imagem - Jessica Bentsen
Aparente e fisicamente não há diferença entre Anton e qualquer outro jogador sueco, mas coragem não lhe falta e parece ser o maior diferencial: foi o primeiro e até agora o único jogador da Suécia a se assumir gay. Fez isso numa fase difícil e arriscada porque é ainda muito jovem e está no início da carreira. Por outro lado, contou com o apoio da família.
Anton Hysen - 1o jogador de futebol sueco a se assumir gay
Não deve ter sido fácil. Pertencente a uma família tradicional do meio futebolístico, seu pai é ex-zagueiro do Liverpool e da seleção da Suécia, além de ser o treinador do Utsiktens BK, equipe da quarta divisão na qual Anton joga como lateral-esquerdo. Há 80 anos, o seu bisavô, Erik Hysén,  foi campeão sueco pelo IFK Gotemburgo, um dos clubes mais tradicionais de lá. Para completar, os dois irmãos do lateral, Alexander e Tobias Hysén, são também também jogadores profissionais. Todos o apoiaram na decisão: se a reação à atitude do meu irmão for positiva, outros jogadores farão o mesmo, declarou Tobias.
Anton Hysen 6 - 1o jogador de futebol sueco a se assumir gay

Leia a seguir trechos de sua entrevista.
Anton Hysen 5 - 1o jogador de futebol sueco a se assumir gay
Sei que tudo será diferente após a minha entrevista;

Talvez algum clube já tenha se interessado por mim e mude de opinião após saber da minha homossexualidade;

Há pessoas que não conseguem conviver com gays, assim como há racistas que não aceitam estrangeiros;

Eu não me importo. Acho incrível a repercussão disso tudo;

Pare pra pensar: onde estão os outros? Sou mesmo o único? Isso é muito louco!

Talvez eu não seja um jogador de elite, mas isso não exclui o fato de eu ser um jogador e de que eu sou gay;

Se eu sirvo para jogar futebol, não faz diferença se gosto de mulheres ou de homens;

Tenho recebido muitas mensagens de apoio no "Facebook" e o meu celular não para. Muitas pessoas estão orgulhosas de mim. Estou muito feliz;

Não sou muito de frequentar lugares gays, mas conheço sim;

Eu já estive com alguns caras, mas nunca tive um namorado de verdade.  Sou muito exigente, esse é o problema;

Eu não me inspirei num modelo em particular para tomar essa decisão. A maior preocupação era a família e ela é hoje a razão da minha segurança e do meu atrevimento ao revelar a minha homossexualidade;

Torço para que a minha decisão ajude outros atletas no futuro.

Fontes: Globo.com e site QX

12 comentários:

  1. Uma palavra já diz tudo: Suécia!

    No dia em que o Brasil tiver os mesmos índices de civilização da Suécia eu até pensaria em chamar um jogador que não se assumisse de "covarde".

    Mas mesmo assim não o faria, pois discordo da ideia de que alguém precise de autorização/aceitação alheia para ser feliz como é.

    Homossexualidade não é opção, se "assumir" - para os outros - é. Acho que essa imposição de que a pessoa "deve" se assumir leva muitas pessoas a um sofrimento desnecessário - esse assunto dá um post...

    ResponderExcluir
  2. Dois, o fato de o jogador arriscar o bom andamento de sua carreira após revelar a homossexualidade é por si só um ato de coragem, seja aqui, na Suécia ou em qualquer lugar do mundo. Não foi à toa que a matéria realçou o fato de ele ter sido o único até hoje a fazer isso por lá.
    Da mesma forma, não há demérito algum se um gay prefere não assumir precoce e publicamente a sua sexualidade e deixar para fazê-lo quando se sentir maduro e confortável. Muito menos poderíamos chamá-lo de covarde. De onde você tirou isso? Creio que não foi na minha postagem acima.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Acho que ele não tinha mesmo nenhuma obrigação de assumir isso publicamente.

    Uma razão a mais pra eu bater palmas, muitas palmas pra ele!

    ResponderExcluir
  4. Apesar de não ter obrigação, acho que todos nós viemos ao mundo pra aprender e ensinar algo que possa servir de evolução a sociedade.Todos nós somos soldados da criação de Deus.
    Então quando um homossexual que desempenha um papel de destaque em algum esporte ou cultura se assume, é um ato de generosidade e até mesmo uma forma de mostrar aos heteros que nada somos de diferentes.
    Acho louvável e as gerações futuras agradecem.Pelo fato de risco, todos nós corremos um certo risco sendo assumido ou não.Adorei a matéria.Bjs!

    ResponderExcluir
  5. Dia desses,estava vendo a tv e dizia o seguinte: A Palavra coragem, vem do latim cor, cordis, que significa coração. Portanto, ser corajoso significa agir utilizando um potencial que vem de dentro – a voz do coração.

    Beijos,Ju.

    ResponderExcluir
  6. É um exemplo a ser seguido com certeza. Se metade dos jogadores gays que nós temos resolvessem ter a mesma atitude que ele... o problema é que o preconceito parte principalmente da torcida que não admite a existência da "diversidade" no futebol. Anton é lindo, por dentro e por fora, um sonho de consumo. Alguém se lembra dos famosos casos com jogador que o Jorge Lafond (Vera Verão) teve em vida? Quando ela resolveu contar abrir o bico... MORREU! E nós ficamos sem saber quem era, provavelmente não saberemos nunca.

    ResponderExcluir
  7. Hmm, novidade '-'
    Tudo mundo virou gay agora, tá saindo gay até do esgoto!
    E ai de quem falar mal, que a gayzada já começa a meter o pau e chamar de homofóbico que não sei o que e bla bla bla e mimimi.

    ResponderExcluir
  8. gays de plantão, aprendam com ele, e assumam, cambada.kkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  9. Hmm, novidade '-'
    Tudo mundo virou gay agora, tá saindo gay até do esgoto!
    E ai de quem falar mal, que a gayzada já começa a meter o pau e chamar de homofóbico que não sei o que e bla bla bla e mimimi. [2]
    Apoiado, mil vezes apoiado!

    ResponderExcluir
  10. GENTE, NA BOA...O IRMÃO DELE TOBIAS É MTO GOSTOSO. SORTE PERA ELE E PRO IRMÃO.

    ResponderExcluir
  11. O facto de alguém ser destacado como corajoso não implica que os restantes sejam cobardes.

    Estas atitudes de outing são sempre louváveis, pois são pedagógicas. É um gesto de educação. E sim, é necessária coragem para sair enfrentando convenções e preconceitos. Mais ainda num bastião machista como o mundo do futebol; seja na Suécia, na China ou na Lua. Preconceito e ostracismo é igual em qualquer lado.

    A coragem deste futebolista não pode ser minimizada por ele ser sueco e jogar numa equipa sueca. O mundo do futebol está internacionalizado e globalizado.
    Pegando no raciocínio dele a respeito de contratações internacionais, será que algum clube de futebol brasileiro o contrataria? E não me venham responder que não necessitaria de o fazer por no Brasil haverem o melhores jogadores do mundo.

    Beijos

    PS: respondendo à tua questão sobre os vídeos; eu uso o MixPod.
    http://www.mixpod.com/
    Se quiseres mais algum esclarecimento podes usar o meu endereço de email que encontras no meu perfil nos meus blogs.

    ResponderExcluir
  12. Cara isso é ser macho de verdade! Sinceramente, todos sabem que um homem machão naum consegui ser o melhor amigo de uma mulherzinha. pois um cara que consegui se relacionar com mulherzinha é pq naum tem macho assim neh

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.