A notícia se espalhou feito pólvora nos 'sites' LGBTs. 
Louis Marinelly fechou a sua página do "Facebook" (com nada menos do que 219 mil seguidores) que representava a NOM - National Organization For Marriage (Organização Nacional Pelo Casamento) - uma entidade americana que luta contra a união civil entre gays. E melhor ou mais importante do que isso: ele se converteu à luta dos direitos civis dos homossexuais, ou seja, ele agora defende a igualdade de direitos LGBT.
Briam Brown, o presidente da NOM, negou que Marinelly tenha sido um mentor da organização: ele foi apenas um voluntário de um evento que ocorreu em 2010, o 'Summer For Marriage's Tour' (algo como Turnê de Verão Pelo Casamento), no qual teria trabalhado como motorista do ônibus. 
Anham, Claudia, senta lá.
O rapaz está feliz e espantado com a reação das pessoas: as cartas e comentários que tenho recebido de comunidades LGBTs e de seus adeptos nos últimos dias são muitos gentis e solidários. Essas pessoas têm mostrado, em poucos dias, muito mais bondade para mim do que o mal que eu lhes fiz durante cinco anos.
A gente precisa entrevistar esse menino para saber quem ou o quê lhe demoveu a mudar de lado.
Louis, se por acaso ler esta postagem, entre em contato, por favor! Aloka.
Fonte: OnTop Magazine.

3 comentários:

  1. nada mais natural, preconceito surge do desconhecimento. Se ele conheceu e viu que não era nada daquilo que pensava, acho normal e sadio que tenha se convertido.

    ResponderExcluir
  2. Um fato desses só faz aumentar a Esperança de que conseguiremos vencer essa batalha contra o preconceito e teremos nossos direitos assegurados pela lei.
    É questão de tempo e perseverança, bjs!

    ResponderExcluir
  3. Isso ainda vai dar pano pra manga,hein.
    Acredito que mudanças radicais só vem pelo amor ou pela dor.Tb acredito que logo saberemos o motivo de mudar de ideia.
    Beijos,Ju.
    :D

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.