[pessoal, vote no Identidade G através do selo do TopBlog localizado no topo da coluna à esquerda ou clique aqui. Obrigado]
NEWS 21 a 27.05.2011


COURTNEY LOVE.  A atriz, empresária, cantora/ líder da banda "Hole" e viúva de Kurt Coubain (Nirvana), 46 anos, fez um comentário muito infeliz numa entrevista para o site "The Fix". O comentário foi na verdade uma crítica depreciativa à colega Lady Gaga, contudo, o veneno respingou nos gays.
Entre outros assuntos, Kurt 'falou' sobre drogas e dos problemas que passou na época em que foi viciada em heroína. Ao comentar sobre o sucesso de Lady Gaga, a loira ressaltou o talento da colega, mas declarou que a cantora é muito jovem e estaria sendo influenciada negativamente pelas amizades que cultiva com os gays: Os gays a transformaram nessa barbie estranha e assexuada. Se não tomar cuidado, ela se tornará uma drag queen solitária.
PINK MONEY. Público gay movimenta cerca de R$ 1,2 bi/ano somente no Rio de Janeiro. Assista ao vídeo do JR News.

DIREITOS DOS GAYS. Juiz da 1ª Vara Família de Belo Horizonte, Newton Teixeira, durante entrevista na Rádio Inconfidência, explicou como fica o cenário após a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que reconheceu a união estável entre pessoas do mesmo sexo. 
Família decorrente do casamento, da união estável e a monoparental que é formada por um dos pais e seus descendentes são as únicas formas de unidade familiar prevista na Constituição Federal. Mas com a recente decisão do STF, reconhecendo os direitos resultantes da união entre homossexuais passa-se a tratar esse relacionamento como mais uma unidade familiar.
Segundo ele, o STF não está legislando, mas interpretando uma situação já assimilada pela sociedade. O magistrado sustentou que a o casamento e a união estável só são aceitos atualmente pela união entre heterossexuais, por isso não se pode dizer que o STF reconheceu a união estável, e sim os direitos que são conseqüências da união de pessoas do mesmo sexo. 
Com isso, direitos como a partilha do patrimônio adquirido durante a união, em caso de uma dissolução, é dividido igualmente entre ambos, a exemplo do que ocorre nos contratos de união parcial de bens para heterossexuais. Em caso de morte, a metade devida dos bens do falecido é herdada por descendentes ou ascendentes.
Ele lembrou que antes dessa decisão do STF, os casos que envolviam união entre pessoas do mesmo sexo eram analisadas pelas varas cíveis e não de família, como ocorre agora. "Os casos na Justiça eram tratados como dissolução da sociedade de fato", comentou.
O juiz afirmou que a decisão não obriga os Tribunais a darem decisões da mesma forma, mas se os direitos não forem reconhecidos pelo julgador em instâncias inferiores, o que vai ocorrer é um atraso no andamento processual e no fornecimento do direito, pois quando se recorrer ao STF já se sabe que o posicionamento será favorável.
E deu um recado: "não devemos discriminar alguém por sua opção sexual". A própria Constituição prega que "todos são iguais perante a lei". (Fonte: TJMG)
Imagem: Divulgação/VESPOL.
ALEMANHA. Combate à homofobia. Na semana que passou o deputado Jair Bolsonaro, cuja figura não para de crescer na mídia às custas dos gays, sugeriu com deboche que o Rio de Janeiro deveria criar um "batalhão gay". A jornalista Luciana Rangel, que mora em Berlim e escreve para a revista VEJA, fez uma matéria que contra-argumenta a provocação do deputado, se é que podemos dizer que Bolsonaro argumenta alguma coisa. No tocante à competência argumentativa, "há bem mais do que um Oceano Atlântico de distância" entre Luciana e Bolsonaro, prarafraseando a jornalista quando compara  este ao prefeito de Berlim - que é gay assumido. A reportagem fala sobre a VESPOL, bem-sucedida Associação de Policiais Gays e Lésbicas da Alemanha criada em 1995 para combater a homofobia. A organização trabalha com policiais gays assumidos - os quais são profissionais treinados e respeitados -, tem representantes em oito estados da Alemanha e funciona como uma espécie de delegacia para homossexuais. Pessoal, vale à pena ler na íntegra a brilhante matéria da jornalista Luciana Rangel, aqui.

ANDROGINIA. A última edição da revista DOSSIER tem na capa o modelo sérvio Andrej Pejic, 19 anos, mais andrógino que nunca. Mas, até aí, qual a novidade, não é mesmo? Todo mundo sabe que a androginia vem sendo explorada há tempos no universo da moda. Lea T que o diga. O problema foi o boato que se espalhou sobre a proibição, por parte de algumas livrarias, de vender a revista.
A imagem estaria confundindo e constrangendo os leitores.  Bom, o resumo da ópera é que parece que livraria nenhuma alegou isso e todas estão vendendo a revista com o modelo se passando por uma modelo de blusa aberta e "seios" à mostra..

ABUSO SEXUAL INFANTIL. Em março deste ano, o IdG divulgou o resultado da pesquisa efetuada pelo Centro de Referência Para Violência Sexual - CEREVSP, na qual apontava os padrastos e os pais como os maiores (ir)responsáveis pelo abuso sexual de crianças: 34% e 22%, respectivamente (leia mais aqui). Outra pesquisa, desta vez realizada no Hospital das Clínicas (HC) da Universidade de São Paulo (USP), corrobora a informação assustadora de que os malfeitores dessas crianças - os criminosos - estão mesmo dentro de casa. Só que, nesta, os campeões de abuso sexual se inverteram. Foram os pais (homens) que lideraram o ranking, com 38% seguidos dos padrastos, com 29%. Tios, vizinhos e primos vieram depois com, respectivamente, 15%, 9% e 6%. Por fim, os desconhecidos, com apenas 3% dos casos.
Quando escrevi a primeira postagem, comecei com uma provocação aos homofóbicos que teimam em associar homossexualidade à pedofilia. Desta vez, pedirei para que prestem atenção mais aos seus parentes heterossexuais do que aos gays.
Do total de crianças, 64,3% foram meninas e 35,7% meninos e todas foram acompanhadas pelo Programa de Psquiatria e Psicologia Forense (Nufor) do HC. (Fonte: Agência Câmara)
[vote no Identidade G através do selo do TopBlog localizado no topo da coluna à esquerda ou clique aqui. Obrigado]

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.