Na história da evolução dos costumes da humanidade, uma coisa se repete: sempre há aqueles que lutam por algum direito novo - e por isso são expostos e (pre)julgados - para que o futuro seja menos pesaroso às novas gerações.
Leonard P. Matlovich foi o primeiro militar norte-americano, veterano da guerra do Vietnã, a assumir a sua orientação homossexual durante o exercício da carreira militar, na década de 1970, aos 32 anos; a lutar contra a proibição de gays nas Forças Armadas quando não havia sequer a política do Don't Ask, Don't Tell (Não Pergunte, Não Fale); e o primeiro a ser expulso.  
Ele se tornou símbolo de milhares de gays servidores desde que, em 1975, foi capa da revista "Time" onde assumiu publicamente a homossexualidade. 
Mesmo com tantas oscilações, o cenário dos gays nas forças armadas é hoje bem diferente. Países como Espanha, Suiça e França já recrutam soldados independentemente da orientação sexual, ou seja, o que prevalece é a vocação, mesmo se homossexualidade for assumida.  Outros países estão quase lá, entretanto,  no Brasil ainda há sérias restrições.
Novo cenário mostrado pela revista "Soldier": soldado do exército britânico, James Wharton, é gay assumido e bem aceito nas forças armadas.
Após ter sido afastado, Leonard foi dono de restaurante, morou alguns meses na Europa, retornou aos E.U.A onde trabalhou como vendedor de carros, mas nunca abandonou o ativismo para a aceitação de gays nas Forças Armadas. Em 22 de junho de 1988, aos 44 anos, faleceu vítima de complicações da AIDS e o seu corpo foi enterrado com honra aos méritos alcançados. No seu túmulo - localizado no Cemitério do Congresso e na mesma linha de importantes personalidades, como o diretor do FBI, J. Edgar Hoover - está escrito na lápide: Quando eu estava no exército, eles me deram medalha por matar dois homens e uma expulsão por amar um.
Casal de lésbicas do exército britânico: Heles (sentada) e Elspeth De Montes. Juntas e felizes por terem sua sexualidade aceita pelas forças armadas.

Fotos: "Soldier Mgz" - edição julho de 2009.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.