Foi um rompante. Veio do nada. Vinicius, o garoto bonito se aproxima do amigo. Ambos combinam algo. De repente, Carlos está numa emboscada na festa de Simone, sua amiga do condomínio.

Carlos viu Vinicius pela primeira vez na manhã daquele mesmo dia, quando se cruzaram na praia. Simone o chamou. Conversaram, ela o apresentou a Carlos e convidou o adolescente para sua festa de 15 anos. Sem entender direito o que se passou, Carlos pirou com a visão de Vinicius, como acontece sempre na primeira vez em que alguém exerce enorme encanto a outra pessoa.

Carlos não se permitia gay. Seu esforço era provar aos colegas que era macho. A típica ingenuidade de adolescente que acha que consegue enganar todo mundo. Ele  não queria ser então não era. Ponto.

Não se dava conta que o mundo é de dentro para fora. Lá fora, entre milhares de pares de câmeras naturais (olhos) a seu redor, ninguém vê ou "filma" a si próprio para depois assistir em casa e enxergar facilmente as bandeiras levantadas no dia a dia.

Mas Vinicius percebeu. Além de bonito e surfista, é ligado.

Na festa de Simone estavam todos lá.

Vinicius chegou com um amigo, cúmplice da emboscada. O amigo se aproximou, sentou-se na cadeira onde Carlos estava apoiado no braço.

- Ei, dá pra sair daí?

- Qual é? Eu estava aqui primeiro. Você chegou agora...

[Vinícius se aproximou]

- Cadeira é pra sentar que nem homem. Se quer se encostar, vai procurar outra coisa.

[longa pausa]

Empurrando, Vinicius provoca Carlos. Se arma para a briga, com aquele gesto típico de lutador de boxe, e pergunta: Perdeu a língua?

- Não. Eu estava aqui sentado...

- ...Cara, tu é gay?

As pessoas se aproximam e separam os dois. Apesar do clima tenso, os olhos de Carlos o traem novamente. Enquanto é fitado por Vinicius com ar de ódio, as suas câmeras naturais dão um 'close' naquele rosto lindo de menino-homem. Até o cheiro de Vinicius é percebido por Carlos apesar do clima hostil.

- Sim, eu sou gay.

Dica de filme: Love Of Siam.
Filme lindo. Aborda as formas de amar. Dois garotos nutrem uma forte amizade interrompida por um drama familiar. Anos mais trade, os dois se reencontram e se permitem viver grande amor. Para assisti-lo, clique aqui.

7 comentários:

  1. que linda esta história, meu querido! adorei que a compartilhou com a gente!

    beijão e obrigado

    ResponderExcluir
  2. Adorei o texto!

    Nos contou o bullying com poesia! (Bullying poético?)

    Garoto bonito, surfista, e mal resolvido, né! Porque, se fosse bem resolvido consigo, estaria mais ligado nas meninas da festa do que em caçar (e humilhar) gays...

    ResponderExcluir
  3. Quando vejo esses "dramas", penso que bom já passei por isso ... e fico feliz por não ter quer passar novamente ... Não gosto muito de dramas "juvenis", sabe aquela fase de duvidas auto afirmação e tals .. acho que depois que agente fico "velho" esses dramas ficam tão "bobinhos" ..kkk mas valeu a dica ....

    abraços :)

    ResponderExcluir
  4. Mariposo, são fragmentos da vida. Lendo o seu comentário eu percebi como alguns acontecimentos marcam a vida da gente.
    Eles são renegados, esquecidos e, às vezes, dependendo do nosso estado de espírito e dos momentos que vivemos, até achamos que os jogamos fora.
    De repente, eis que você abre uma gaveta, um baú, e lá estão eles.

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.