Por volta das 19 h, toca a campainha.

- Olá, meu nome é Maria, sua vizinha nova e vim me apresentar.
- Oi Maria, tudo bem? Junior. Prazer.
- O prazer é meu. Me mudei há 15 dias e estou adorando. O prédio é bem localizado, perto da praia.
- Ah, por favor, entre...
- Obrigada.

Sorridente, ela entrou e olhou para todos os lados.

-  Você mora com outro cara, né? Vi algumas vezes vocês saindo e chegando juntos.
- Sim, mas ele ainda não chegou do trabalho [puxei uma cadeira para ela, mas não aceitou].
- Engraçado. Não lembro de ter cruzado com você antes.
- (sorrindo) Eu vejo pelo olho mágico. Como sou nova aqui, ainda não me acostumei ao lugar, então eu espio no olho mágico todas as vezes que ouço barulho. Pode ser um amigo perdido nesse corredor com dúvida do número do meu apartamento. E como as nossas portas são lado a lado...
- Entendi. Não se preocupe. Não é comum recebermos visitas aqui no prédio sem antes serem anunciadas pelo interfone.
- É, né? Sei lá, fico meio assustada. Depois me acostumo.
- Você aceita um café, suco, água?
- Não querido, obrigada. Acabei de fazer um lanche.
Alguns segundos constrangedores se passaram. Fiquei sem assunto. Não sabia o que dizer quando ela interrompeu meus pensamentos.
- Ai, que pena o seu colega. Queria conhecer os dois. Por acaso vocês são gays?
- Hã? 
- Ai, desculpa. Pareço louca, né? Mas não leve a mal. Acho bonitinho vocês sempre juntos pra lá e pra cá. Aí pensei: eles bem podem ser um casal. Tenho muitos amigos gays e adoro.
- Anham.
- E vocês fazem o quê?
- Como assim?
- Vocês trabalham com o quê?
- Maria, você se incomoda de passar outro dia e a gente conversar com mais calma? É que você me pegou desprevenido. Deixei o meu computador ligado.
- Claro que não, amor. Voltarei outra hora e aí conhecerei seu amigo, tá bem?
Apontei a saída para a minha mais nova vizinha e abri a porta para ela sair:
- Mas interfone antes, ok? A gente combina algo com mais calma, pode ser?
- Claro, eu ligo.

Nos despedimos. Não vejo Maria há mais de duas semanas.

Fica a pergunta: tudo bem perguntar se você é gay?


8 comentários:

  1. E porque não? Num mundo onde tudo se define por catálogo e etiquetas...

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Se ela queria saber, era só responder. kkkkkkk

    ResponderExcluir
  3. Depende da ocasiao.

    Nesse caso que aconteceu com vc,eu nao veria problema algum.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Confesso que não entendi a tua reação. Mas respondendo a pergunta, da minha parte não há problema algum. Dia desses uma colega de trabalho olhou a minha aliança e perguntou "é marido ou marida?". Respondi na hora: "Marido, é claro!". E depois disso ela se aproximou bem mais de mim, se sentiu mais à vontade para conversar.

    ResponderExcluir
  5. pq não?
    principalmente pq ela perguntou na verdade se vc é casado ou solteiro, se aquele é seu marido, irmão, amigo, roomate, mas ela foi mais direta, somente isso...

    ResponderExcluir
  6. Se responder a pergunta 1, em breve virá a pergunta 2 ( famosa):
    Quem é o ativo ??

    Acontece sempre comigo...

    ResponderExcluir
  7. Bom, eu atualmente estranho quando me perguntam porque não deixo dúvidas , então quando isso ocorre, minha vontade é perguntar: de que planeta você veio? jejeje
    Mas acho que não vejo problemas não, até porque se ela fosse uma mulher interessada em alguns dos dois já ficaria claro onde ela estaria pisando.Bjs!

    ResponderExcluir
  8. TUdo bem, XD é até engraçado, no meu trabalho por exemplo o povo ainda ta descobrindo, não saiu ai falando da minha sexualidade, é muito legal geralmente estamos num papo descontraido e algem vira e pergunta se eu to namorando, quando digo que sim eles perguntam como é a garota, ai eu dou uma de bobo e digo q não tenho namorada, ai vem o espanto e a pergunta "voce é gay?" XD Meu concelho é se vc não tem vergonha de quem vc é então não tem por que ficar com medo

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.