Não, não é pedofilia nem nada sobre 'kit gay', mas, para não perder a oportunidade, podemos comparar o sucesso do projeto desse indiano com a derrocada do finado 'kit anti-homofobia'.
O mal do Brasil é discutir os problemas, e só os problemas, de um projeto. Até a exaustão. Ele pode parecer inadequado na forma apresentada, mas a ideia, se analisada sob outros ângulos, poderia ser aproveitada. A maioria critica sem perder o gancho que precisava para autopromoção, como ocorreu com o tal 'kit'. Ele poderia ser reinventado; dele poderia ter surgido algo mais apropriado. Entretanto, depois de meio mundo tripudiar e alguns poucos (políticos) se autopromoverem, foi pro lixo.
E aí, surge um indiano que mora nos E.U.A, Raghava KK, e pensa em escrever um livro divertido pra crianças. A abordagem principal é a família ou a relação entre pais e filhos em situações domésticas.
Ao ver seus filhos colados aos seus respectivos 'tablets', ele muda de ideia. Ao invés de papel, adaptou o projeto à plataforma do Ipad e, vois la, nasceu o POP-IT.
O POP-IT é um aplicativo que narra, numa sequência de sete telas multicoloridas e interativas, estorinhas que divertem pais e filhos enquanto ensinam/aprendem.
Durante o manuseio, as crianças desenrolam o papel higiênico, ouvem gargalhadas ao fazerem cócegas nos personagens, estouram bolhas de sabão, colocam fralda em bebê e até escolhem qual espécie de família dará banho no nenê: duas mães, dois pais ou um casal heterossexual. Para mudar, basta chacoalhar o 'tablet' e os casais são substituídos.
Ótima sacada! Pais explicam a realidade da família nesse mundo de Deus que poucos devotos Dele querem crer.
Basta esperar (ou não) que os pirralhos perguntem e as respostas estarão na ponta da língua dos pais - ou dos dedos. Com isso, desde muito pequenas, as crianças aprenderão diversidade em casa e desenvolverão a tolerância.
Essa é a intenção de Raghava. Confira algumas frases dele, ditas enquanto se apresentava no palco da conferência "TED Ideas worth spreading".
  • A tolerância é a melhor forma de entender o mundo em que vivemos.
  • Queria algo que representasse mais do que essa verdade que não existe; passar para eles [seus filhos] que não há uma única realidade.
  • Enquanto não podemos prometer a elas [crianças] um mundo sem preconceitos, podemos ajudá-las a entender que há muitos tipos de família.
  • Dignidade humana é algo muito importante para mim.
Assista ao vídeo da conferência.
Fonte: Opera Mundi.

7 comentários:

  1. o "kit gay" não era inapropriado, ele não foi jogado no lixo por ser inapropriado, inapropriadas eram a cabeças das pessoas que achavam q esses temas não são passíveis de serem tratados em sala de aula.

    ResponderExcluir
  2. Foxx, querido, com todo respeito e carinho que tenho por você, se eu quisesse chamar o "kit anti-homofobia" de 'inapropriado', eu teria usado esse termo ao invés de ter tido o cuidado de escrever que ele 'poderia ser reinventado" ou que "dele poderia ter surgido algo 'mais apropriado'".
    De qualquer maneira, o que eu quis dizer foi que considerei o 'kit' passível de alterações que o tornariam mais receptivo e/ou menos agressivo à nossa sociedade conservadora. A começar pelo nome. Acredito que "kit-sexualidade" seria 'mais apropriado'.
    Quanto ao conteúdo, considerei na época também 'mais apropriado' e, claro, coerente com o tema 'sexualidade', a inclusão de todas as espécies de orientação sexual, inclusive a heterossexual, para chamar atenção às diferenças -diversidade - e não evidenciar a homossexualidade. Esse, inclusive, foi um dos pontos mais controversos.
    Considero ainda que outros sucessivos 'kits', que explicassem separadamente cada uma das espécies de sexualidade, poderiam ser lançados no futuro, mas bem depois da ampla divulgação, discussão e inserção do 1º nas escolas e na sociedade.
    O indiano dessa postagem fez tudo parecer tão simples - não me refiro à tecnologia empregada.

    ResponderExcluir
  3. A ideia é boa.Pena que no Brasil,nao vingaria,por enquanto,porque poucos tem computadores.

    Sobre o Kit Gay,ele poderia ser incluído numa nova disciplina: Educaçao Sexual.
    Beijos,Ju.

    ResponderExcluir
  4. como nossa sociedade é doida sem noção precisa de kit's e tablet's para serem mais racionais e humana ...

    ResponderExcluir
  5. que ideia supimpa, como diria o Edu!
    adorei!

    ResponderExcluir
  6. Muito interessante mesmo, um exemplo a ser seguido!

    ResponderExcluir
  7. Isto prova que até a Índia, vista com maus olhos por muitos... está a milênios à nossa frente culturalmente.

    Adorei a nova cara do blog, Junior !

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.