Quando lancei o Especial "Bears"/Ursos no Identidade G, pesquisei um pouco sobre cultura e subcultura gay e memorizei alguns pontos:
  • Há gays, héteros e bi cultos e incultos. São pessoas que cultivam ou não o conhecimento através da gama de possibilidades culturais. 
  • Os gêneros homem x mulher se dividem em espécies e grupos dos quais são gerados outros hábitos, costumes e linguagens comuns entre eles, e somente entre eles. Daí, surgem microculturas que chamamos de subculturas.
  • Tais grupos não se formam - ou as pessoas não se ligam uma as outras - apenas pela orientação sexual, mas tb pela etnia, religião, profissão, faixa etária, etc. Assim nascem as 'tribos'. 
  • A subcultura pode sair do nicho ao qual pertence e se tornar macrocultura se apreciada e praticada pelo todo (gênero). Neste ponto, acredito, os gays são campeões: música, dança, etc.
  • Há também cultura e subcultura em cada espécie/grupo. Ou seja, aquilo que é comum a todos do grupo/espécie é a cultura deles, mas são subculturais alguns hábitos/estilos que uma gama considerável de membros (subespécies) cria sem que os demais do grupo se identifiquem. São subespécies da espécie do gênero. Um exemplo é o próprio Especial 'Bears'/Ursos, do Identidade G. O estilo 'bear' é uma subcultura da cultura gay. 
A cultura é 'acessível' a todos (gênero) e a subcultura apenas aos grupos (espécies). E não há demérito algum em fazer parte dela.

6 comentários:

  1. perfeito! ótimo!
    uma ótima resposta ao http://dslblog.blogspot.com/

    ótima resposta!

    ResponderExcluir
  2. Desculpem-me a minha opinião divergente, mas não me considero parte de nenhuma sub-cultura e tenho uma visão totalmente avessa à isso. Acho que os sub-grupos de gays,são extremamente preconceituosos e vivem com as suas panelas. Faço parte sim de uma cultura rica, que é a cultura LGBT e cultivo isso no meu dia a dia, mas, mais uma vez me desculpem, não acredito em sub-culturas, acredito em, "tribos", que se isolam e não admitem outros em seu meio, por não serem como eles. É isso que vivencio e é nisso que acredito. Acho horrível dizer isso, mas o gay infelizmente é a criatura mais preconceituosa com os seus iguais do que qualquer outra pessoa. Tenho dezenas de amigos héteros e dezenas de amigos gays, os meus amigos/conhecidos gays, e eles ganham de longe dos héteros no quesito preconceito. Esse é um dos motivos que me levam ao acreditar em "panelas" apenas, dentro de uma cultura bela e rica.

    Bjo

    ResponderExcluir
  3. Concordo com o que Muñoz disse totalmente. Principalmente que "os sub-grupos de gays,são extremamente preconceituosos e vivem com as suas panelas." Vejo isso ao vivo ou virtualmente, é só checar os fóruns da internet!
    Gostei muito que você tenha levantado essa questão aqui para ser debatida.
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Não concordo alias concordo , se você usar esse seu raciocínio, para colocar tudo isso num diagrama, na pratica não acredito que isto funcione assim ...
    E acho que qualquer cultura é acentuada quando vive em guetos , sai dos guetos ela perde raízes e fica mais global . Até mesmo porque se mantiver a postura dos guetos a sobrevivência não vai ser das melhores !

    ResponderExcluir
  5. a questão é de conceito, pois talvez o termo seja empregado de forma errada. "Cultura" é tudo aquilo produzido pelo homem - em oposição à ideia de "natureza". "Subcultura" é um termo meio polêmico (igual mamilo), pois se refere a um ramo de uma cultural que apresenta uma identidade interna. Neste sentido, há não apenas uma subcultura gay, mas várias. O problema é colocar todo tipo de manifestação gay como se fosse a mesma coisa, quando não é. Às vezes há mais identidade de subgrupos gays com héeros do que com outros subgrupos gays, e acho isso perfeitamente natural.

    Particularmente não curto a ideia de viver num universo paralelo, neste sentido concordo com o Munhoz, acho que o fechamento em guetos acaba acirrando preconceitos.

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.