Benetton - Campanha atual - Papa
Parece que a Benetton pretende voltar a investir pesado em publicidade e, para tanto, adotou a fórmula de outrora. O tema da vez é contra o ódio (Unhate) ou contra a homofobia já que a campanha tem muitas cenas de beijos gays.

 
Durante o lançamento mundial em Paris, foram exibidas fotomontagens de políticos e religiosos aos beijos (na boca), inclusive a do Papa Bento XVI com o imã da universidade egípcia de Al Azhar, Ahmed el Tayyeb (fotos acima). Esta já está de fora da campanha por causa dos protestos do Vaticano.
As demais fotomontagens serão espalhadas em cartazes/outdoors e, para a mídia falada, será exibido o comercial apresentado no vídeo mais abaixo.


E quem não se lembra das famosas campanhas de mídia da Benetton há mais de duas décadas?
Temas  revolucionários e polêmicos como racismo (década de 1980), religião, intolerância, fome, miséria, doenças e mortes eram misturados com as famosas cores da grife italiana, através das lentes do fotógrafo Oliviero Toscani (você pode conferir alguns trabalhos dele nas imagens acima e abaixo - clique para ampliá-las).
E o que aconteceu com a Benetton no Brasil? Das 150 lojas em todo o País, sobraram apenas quatro em São Paulo.


Não sei se a Argentina já franqueou a marca alguma vez, mas não há sequer uma loja por lá. Chequei outros  no site oficial e vi que há países sul-americanos com mais de uma dezena de lojas, como o Chile, por exemplo. No norte, somente olhei os E.U.A. Onde havia mais de 400, salvo engano, restam hoje 103 lojas.
O problema da Benetton são as Américas, pois na Europa e Ásia a empresa é consolidada. Incompatibilidade de produtos aos costumes da população americana, principlamente a da América do Sul, má-gestão e delírios foram os itens apontados nas notícias das revistas de comércio que andei lendo. Até a megastore da Oscar Freire (São Paulo) foi fechada há mais de uma década. A derrocada parece ter sido a utópica ideia da matriz italiana de vender bicicletas austríacas caríssimas que não saíram dos estandes da loja. Quem divulgou foi a “Isto é Dinheiro”, em 2001.
É uma pena.
Assista ao vídeo da última campanha abaixo. Para conferir alguns comerciais antigos da Benneton, clique aqui(Canal IdG no YouTube - Reprodução: "Campanhas")

7 comentários:

  1. por aqui de há muito a Benneton sumiu ... uma pena pois adorava os seus produtos ... ela sempre primou pela ousadia em suas publicidades e não é de se espantar q ela volte com a mesma dignidade e competência ... os tempos são outros ... quem sabe a mensagem não é capitalizada de melhor forma né?

    bjão

    ResponderExcluir
  2. nem sei o q se vende na Beneneton...

    ResponderExcluir
  3. notou q nem escrever a palavra eu sei né? tinha dessas coisas lá em Natal não. agora q chegou a Renner por lá.

    ResponderExcluir
  4. Para mim Benetton é sempre sinónimo de irreverência e qualidade. Pena que por aqui o público não se interesse pela marca. E não me parece que tenha sido por "meia-dúzia" de bicicletas não vendidas, que um negócio de confecções tenha caído.

    Outra das políticas da marca, que sempre me pareceu muito interessante, é a de investir na produção local dos seus produtos, com a supervisão de qualidade da casa mãe, de modo a que eles melhor se adeqúem aos usos dos públicos de diferentes países.

    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Uma pena que por estas bandas a Benetton tenha ido pro brejo. Suas campanhas eram sempre fabulosas, polêmicas na medida certa, irreverentes como hoje em dia não vemos mais.
    Acho que o problema daqui foi mesmo uma má gestão.

    De qualquer forma adorei a nova campanha da marca!
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Uma campanha belíssima, forte e polêmica! Gosto disso. Não tenho nada da marca...

    ResponderExcluir
  7. Só me lembro da propaganda da mulher amamentando o baby.

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.