Numa conversa com o Lobinho, do Intercine Gay, ele me contou que disponibilizará o filme Glen or Glenda? nos próximos dias. Resolvi assistir.
O tema é o travestismo ou, em inglês, cross-dressing .
Escrito, dirigido e estrelado por Ed Wood, considerado cult hoje em dia, o drama-documentário é de 1953 e aborda o travestismo masculino e a transexualidade.
Wood, já naquela época, era cross-dresser, embora nem sempre se travestisse em público.
A atriz Dolores Fuller, que namorava Wood na vida real (ambos na foto ao lado - clique para ampliar), aceitou fazer uma participação no drama como a namorada de Glen, mas não se ateve aos detalhes do roteiro. Ao assistir ao filme na estréia, tomou conhecimento da transexualidade dele e se sentiu humilhada com a experiência (Wikipedia).
Vale a pena conferir. A forma como Ed Wood trata o assunto é cuidadosa.
Um homem se suicida por não conseguir conviver numa sociedade preconceituosa que lhe impedia de viver como cross-dresser. Um policial, chocado e sem entender a razão que levaria alguém a se matar por isso, procura um médico famoso por estudar casos semelhantes. O tal médico começa a discorrer sobre acontecimentos de mais pessoas que passam pelo mesmo problema do suicida.
Por conta do papo e do filme, comecei a pensar sobre isso. Embora o Identidade G já tenha postado temas relacionados (aqui e aqui),  resolvi escrever mais.
Achei melhor dividir o texto em duas partes. Esta, como leram acima é exclusivamente sobre Glen or Glenda. A segunda, que será publicada a seguir, é fruto de uma viagem interessante e divertida, mas, vou logo avisando, o texto é bem maior. Me permiti escrevê-la sem cortes porque afinal hoje é o meu 'niver'. Espero que leiam e curtam (aqui).
Vejam abaixo o trailer do filme (em inglês).

3 comentários:

  1. Nao sabia que aquela mulher era esposa do Ed Wood.
    Quinta-feira,o filme estará disponível e linkarei para este post.Ficou ótimo!

    Ju,feliz aniversário!Te curto de montao,menino.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Assisti o filme num dos festivais de cinema gay em Lisboa, já à uns anos. Confirmo tudo o que dizes no texto sobre o filme e mais não acrescento. ;) rsrs

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Ansioso pelo link do Lobinho ... amanhã assistirei ...

    Sua resenha despertou minha curiosidade ainda mais com o post posterior ...

    bjão

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.