Achei essa matéria interessante porque testa o grau de moralismo das pessoas.
Digamos que você tem um sobrinho adorável de 16 anos.  Você acompanhou o crescimento dele e, de uns meses pra cá, ele não para de elogiar o professor de inglês. Segundo ele, todos na escola o acham o máximo.
Por curiosidade, você pergunta o nome e vai pesquisar na internet. Fuçando aqui e ali, acaba descobrindo que o cara foi ator pornô gay e participou de três filmes. Qual seria a sua reação e o que faria a seguir?
A descoberta do passado (não muito distante) de Kevin Hogan, professor de inglês de uma escola pública de Massachusetts, foi um pouco diferente. Ela veio à tona através de uma reportagem local do FOX News ("WFXT").
Como é que alguns repórteres descobrem coisas tão inusitadas assim? O senso de curiosidade deles é tão aguçado a ponto de saírem investigando a vida de todos que cruzam seu caminho? Ou será que o responsável pela descoberta é pai ou qualquer coisa de um dos estudantes da 'high school'?
Hogan foi afastado (além de professor, parece que coordenava a área de atuação) por licença remunerada enquanto o departamento responsável da escola investiga o caso.
O repórter que cobriu a matéria foi fundo nas investigações. Primeiro confrontou o professor num estacionamento exibindo um documento com possíveis imagens dos filmes. Depois, foi na porta da escola entrevistar pais de estudantes. Mais tarde, correu ao Twitter e jogou perguntas aos alunos de Hogan para medir as reações. Confira abaixo as surpreendentes repostas de alguns.
  • Acho que você focou um fato isolado da vida e ficou fora de proporção. Numa só tacada, destruiu a vida de um homem, respondeu uma aluna.
  • Hogan é a melhor coisa que aconteceu com minha equipe. Os alunos agora têm mais respeito por ele, devido ao que você fez # obrigado, disse um estudante.
  • Repórteres são uns porras irritantes, desabafou outro.
  • Meu professor de inglês é um pornstar gay # nbd.
Um telespectador escreveu para a WFXT e o canal leu no ar na última quarta-feira: Acabei de ver a história de Kevin Hogan e achei de muito mau gosto. Se ele perder o emprego, alguém da Fox deverá perder o emprego também ou, melhor ainda, dar-lhe suporte financeiro daqui para frente.
________________________________________
O passado pode condenar, mas procurar um futuro melhor é um direito de qualquer um. O que importa é o caráter e a eficiência que a pessoa demonstra no presente. Parece que os alunos não duvidam de Hogan. Resta saber os seus pais.
Desoladora a expressão do professor ao ser surpreendido. Veja no vídeo abaixo.


7 comentários:

  1. Nestas horas me ponho a questionar os reais valores e os limites de uma suposta democracia e liberdade de imprensa. #fato

    ResponderExcluir
  2. Se os alunos o apoiam isto é o que importa, fico triste em saber que coisas assim ainda existam em pleno século XXI

    ResponderExcluir
  3. Se os alunos o apoiam isto é o que importa, fico triste em saber que coisas assim ainda existam em pleno século XXI

    ResponderExcluir
  4. Ora, qual o problema do cara ter feito filme pornô? Agride alguém? Quem vê é porque gosta.
    Se tivesse estuprado alguém, ainda vá lá!
    Não é impossível imaginar que muitos dos que o condenam aplaudiriam entusiasticamente se, ao invés de ter mostrado os dotes, tivesse dado o golpe em velhinhas desamparadas, por meio de algum fundo de derivativos de Wall Street.
    O repórter, no caso, é podre, mas mais podre ainda é o público pra quem ele faz essas reportagens.
    Tudo é uma questão dos valores de cada um.
    E muitos praticam a hipocrisia para defender indiretamente valores nada defensaveis.
    Se pelo menos alguns alunos o defendem, nem tudo está perdido...

    ResponderExcluir
  5. Pra mim trata-se da imprensa marrom, pq jornalistas sérios não iriam abordar esse tipo de coisa.
    Absurdo.

    ResponderExcluir
  6. Imprensa marrom, com certeza!!

    Desde quando fazer sexo e filmar isso define o carater de alguém?? Conheço uma prostituta que daria uma aula de caráter em muitos religiosos, por exemplo...

    E se o cara é bom professor e sabe ter o profissionalismo que a profissão exige, creio que não há nada de errado nisso aí...

    Abraços!!

    ResponderExcluir
  7. Há inúmeros casos de padres com formação religiosa e moral impecabilíssima violando e abusando de crianças.
    Ao que consta esse homem não fez nada disso.

    O que conta não é a verdade, mas o uso que se faz dela. Quem tem uma mentalidade depravada e obscena é o jornalista que pesquisou a matéria e os directores de informação da cadeia de televisão que lançou a reportagem.
    Seguindo no raciocínio do amigo Bratz, mas sendo mais contundente é nestes momentos que confirmo que estas chamadas democracias e liberdades de imprensa são um nojo.


    Beijos

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.