Giuliano Ferraz (pastor em ação)

Como prometido, segue a exclusiva de Giuliano Ferreira, pastor evangélico que foi ator pornô e usava os pseudônimos Julio FerrazJuliano Ferreira

Giuliano enviou as respostas às perguntas dos leitores. Confira aqui.

Sem mais delongas....

Julio Vidal (rosto3)Julio Vidal (rosto)Julio Vidal (rosto1)Julio Vidal (rosto5)Julio Vidal (rosto4)

Vida pregressa pessoal e profissional
IdG: Continua sendo procurado pessoal e/ou virtualmente pelos fãs? O que eles conversam com você? Isso te incomoda?
Giuliano: Primeiramente olá a todos!
Olha, ainda continuo sim sendo procurado por algumas pessoas que conheceram e outras que passaram a conhecer a nossa história. Algumas me procuram por curiosidade, outras querem saber o porquê de tal mudança e/ou saber o segredo para poderem mudar também. E não me incomodo com isso. Estou acostumado e falo com aqueles que me tratam com respeito.

IdG: Continua recebendo propostas financeiras da indústria pornô para voltar aos filmes ou de fãs ainda apaixonados que gostariam de realizar fantasias através de encontros, digamos, mais íntimos? O que geralmente responde a todos?
Giuliano: A ultima vez que recebi proposta para voltar faz uns dois anos. Algumas pessoas me procuram sim com propostas individuais. Entendo elas, mas acho também que as pessoas devem compreender que Julio Vidal era um personagem que eu criei; era ator e tinha que convencer aqueles que assistiam. Sou uma pessoa normal como qualquer outra.

IdG: Algum valor financeiro pesaria na sua decisão de voltar? Estamos falando de milhões de dólares...
Giuliano: Não, de modo algum! Estou convicto da minha decisão e já tive muitas propostas. Dizem que todo ser humano tem seu preço, mas, para mim, houve um homem, Jesus Cristo, que pagou o maior preço pela minha vida.

IdG: Você se considerava um voraz sexualmente ou que a sua libido era incomum, levando em conta que atuou em filmes de todas as espécies (homo, bi, trans, travestis e hétero) dos gêneros sexuais (homem e mulher)?
Giuliano: Não me considero uma pessoa voraz sexualmente. Claro que tinha um desempenho diferenciado dos demais. Era jovem e fui considerado um dos melhores naquilo que fazia, mas não, eu era um profissional na questão dos gêneros e espécies das quais atuei. Posso dizer que fui influenciado pelo sistema, era ator de filmes héteros e tinha aquele famoso preconceito de quem fazia um gênero não podia fazer o outro. Fiz  cerca de trezentos filmes heterossexuais. Quanto aos demais, não fiz mais do que 17. Foram filmes que eles diziam para fazermos porque não iriam rodar no Brasil, porém, por necessidade, fazíamos. Veio a internet, a globalização e os filmes passaram em todo o mundo.

IdG: Já se relacionou com homens fora dos filmes, mesmo que tenha sido por interesse que não o afetivo/sexual/amoroso? O financeiro, por exemplo?
Giuliano: Não. Afetivamente nunca me relacionei com homens. Como te disse, criei um personagem, tanto que, a depender da espécie de filme, colocava nomes diferentes. Havia propostas para me relacionar com homens, mas eu era ator e ganhava relativamente bem no que eu fazia.

IdG: Você costumava ser assediado por homens e mulheres antes de se tornar ator pornô, na sua adolescência, por exemplo? Teve alguma experiência homossexual naquela fase?
Giuliano: Assédio, sim. Acho que todo adolescente já passou por isso, mas nunca tive experiências homossexuais na minha adolescência.

IdG: Se arrepende de tudo ou considera que sua vida pregressa foi apenas o caminho para chegar ao homem que é hoje?
Giuliano: Acho um pouco hipócrita esse papo de algumas pessoas que afirmam não se arrependerem de nada que fizeram. Eu me arrependo sim de muita coisa, mas tudo serviu de experiência para eu ser o homem que sou hoje.

IdG: O que passaria uma borracha e o que manteria daquela época?
Giuliano: Passar uma borracha é meio difícil. Cada situação me serviu de experiência.

IdG: O que diria hoje em dia para um amigo se ele dissesse que se tornaria ator pornô?
Giuliano: Diria a ele que tem o direto de escolher o que quiser para a sua vida, mas, como conselho, diria para não fazer isso. É muita exposição e a vida é uma só! Muita gente irá pensar: por que então você escolheu? Eu estava com 19 anos de idade e tinha um filho para criar sozinho. Meu objetivo era dar um futuro ao meu filho e foi o que apareceu, mas hoje está muito melhor, há muitas opções e recursos para as pessoas.

Julio Vidal (foto cedida - arquivo pessoal 1)
Vida atual
IdG: Você continua firme nos seus propósitos religiosos? Alguma vez (sinceramente) pensou em desistir, retornar ao mundo pornô ou até fazer outra coisa relacionada ao entretenimento?
Giuliano: Sim. Graças a Deus que tem me dado forças estou firme nesse caminho. Ele me escolheu e eu optei em segui-Lo, falar e viver por Ele. Claro que nesses quase oito anos cogitei desistir devido à diferença financeira. Renunciei a tudo e hoje vivo com 10% do que eu costumava ganhar quando atuava. Para quem tem família não é fácil, mas, até aqui, o Senhor tem me ajudado.

IdG: Quais espécies de tentação sentiu após se tornar pastor?
Giuliano: A dificuldade foi sacrificar a minha família e viver num patamar de vida muito aquém da que eu me acostumei. Porém, aprendemos a viver com menos. Costumo dizer que o pouco com Deus é muito e o muito sem Deus é pouco.

IdG: Qual era a sua visão sobre homossexualidade antes de se tornar pastor e qual é a de agora?
Giuliano: São as mesmas. São seres humanos, são vidas com sentimentos, ideais e sonhos. Somos todos iguais.

IdG: Você disse acima que vive hoje com aproximadamente 10% do que ganhava quando atuava. Isso é muito pouco?
Giuliano: No começo, como já disse em outras entrevistas, fui trabalhar como recepcionista em um hotel e depois fui trabalhar com vendas. Durante esse período, estudei e me formei em teologia. Hoje, vivo das vendas dos meus DVD's e das palestras 'Pregações' para as quais sou convidado. Vou para qualquer lugar que me convidam e não imponho valores para o que faço. Diria que, contabilizando tudo isso, atinjo cerca de  20% do que ganhava antes, mas vivo bem feliz com minha família. Deus não deixa faltar nada que necessitamos.

Giuliano Ferreira (rosto 1)Giuliano Ferreira (rosto 2)Giuliano Ferreira (rosto 3)Julio Vidal (rosto2)Giuliano Ferreira (rosto 6)Giuliano Ferreira (rosto 7)

Religião
IdG: Você é o tipo de pastor que acredita e prega a "cura" da homossexualidade? Aconselharia alguém a deixar de ser?
Giuliano: Sou o tipo de pastor que prega o amor ao próximo; a fé; a mudança pela busca de Deus; a renúncia; e também aquilo que a Bíblia diz que é certo ou errado segundo a palavra de Deus. Agora, sobre a cura da homossexualidade não, pois isso não é doença. Cada ser humano tem a sua opção. Aconselho uma mudança de vida àqueles que querem mudar; que desejam ter uma vida com Deus e segui-la baseada nos preceitos bíblicos.

IdG: "Ministério Brasa do Altar", a sua igreja, é 'assembleista', da mesma corrente do pastor Silas Malafaia?
Giuliano: Sou da Assembléia de Deus-Madureira, "Brasa do Altar" é o título do meu chamado "Ministério Avivalista de Poder pela Palavra de Deus". Sim, é do mesmo segmento do pastor Silas Malafaia.

IdG: Aliás, o que acha do pastor Malafaia e de sua 'obsessão' em perseguir homossexuais?
Giuliano: Olha, ele é um grande líder, um homem de grande conhecimento e experiência e acho que tem uma oportunidade que poucos têm: um programa de TV. Ele poderia, ao invés de impor as suas opiniões, falar do amor de Deus, do amor ao próximo, pregar o Evangelho e pensar nas almas que querem mudança. Ou seja, fazer apenas aquilo que Jesus mandou. Mas como todos temos opiniões próprias elas nunca agradarão a todos. Nem Jesus agradou a todo mundo.

IdG: Qual é mesmo o perfil de sua igreja e qual sua opinião pessoal sobre os demais pastores que atacam a homossexualidade como, segundo penso, uma estratégia de marketing?
Giuliano: O perfil da igreja que eu congrego eu coloco assim, pois não fui eu quem criou a denominação: sou membro de uma igreja com cem anos de história. O perfil dela é direcionar o homem a Deus. Esta é a verdadeira religião, pois religião significa religar o homem a Deus. Sobre os demais pastores que atacam o homossexualismo, a Bíblia fala que não é pela força e nem pela violência que convencemos o ser humano. Nós não escolhemos a Deus, mas é Ele quem nos escolhe. Então, acho que isso basta. Temos que pregar e falar de Deus, mas Deus é pra quem O deseja.

IdG: O que acha da Igreja Cristã Contemporânea, aquela fundada pelo casal de pastores gays?
Giuliano: Respeito pelo desejo de louvar a Deus, mas infelizmente é uma grande heresia pela sua ideologia de basear a Bíblia aos versículos isolados por aquilo que eles pensam. Como disse, seguir Deus tem suas renúncias; tem que querer e viver uma vida baseada na Sua palavra.

IdG: Você considera as relações homossexuais um pecado, mesmo que monogâmicas?
Giuliano: Sim, é pecado, de acordo com a Bíblia. Mesmo que se restrinja ao relacionamento entre duas pessoas.
[Gênesis, 2:18:]
E disse o senhor Deus: não é bom que o homem esteja só farei uma ajudadora que esteja diante dele.
[Romanos 1:27:]
E, semelhantemente, também os homens, deixando o uso natural da mulher, se inflamaram em sua sensualidade uns para com os outros, homens com homens, cometendo torpeza e recebendo em si mesmos a recompensa que convinha ao seu erro.
Aí, vão dizer: o cara fez o que fez agora quer falar isso.
Repito: religião, seguir Deus é um chamado, uma opção, pois a Bíblia também diz: O que encobre as suas transgressões nunca prosperará, mas o que as confessa e deixa, alcançará misericórdia. [Provérbios 28:13]

IdG: O que achou da decisão do Supremo Tribunal Federal, de maio de 2011, que incluiu as famílias formadas por gays, que vivem em união estável (homoafetiva), na Constituição Federal com os mesmos direitos legais dos casais heterossexuais?
Giuliano: Eu não aprovo para a minha vida, mas cada um tem o direto de lutar e escolher aquilo que é melhor para sua vida.

IdG: Há famílias gays (com filhos) e/ou gays solteiros na sua igreja? São bem vindos?
Giuliano: A igreja é aberta a todas as pessoas. O que não se pode é 'membrar' aqueles que vivem fora dos preceitos da igreja ou da Bíblia. Todos são bem vindos.

IdG: Digamos assim, um homossexual assumido, casado com outro homem claro e religioso, tem chance de se tornar um pastor de sua igreja?
Giuliano: Como disse, para se 'membrar', ele deve viver segundo a palavra de Deus. Ser pastor tem que ser uma vocação.

IdG: Quais são seus projetos para o futuro? Pensa em se candidatar a cargos políticos/eletivos, por exemplo?
Giuliano: Temos alguns projetos, todos temos. Sobre cargos políticos, já tive proposta por eu morar numa cidade pequena. A nossa cidade vê transparência em nossos atos e em nossa vida, mas de momento não é nosso objetivo.

Julio Vidal (foto cedida - arquivo pessoal 3)
Internet
IdG: Como se deu o contato com a primeira matéria do IdG sobre você e qual foi a sua análise (leia aqui)?
Giuliano: Estava vendo matérias sobre mim, pois muitos postam sem autorização e ainda fazem análises ou colocam palavras que não dissemos. Temos que lutar pela verdade que foi dita.

IdG: Quero crer que você deu uma espiada no restante do site. O que achou?
Giuliano: É bem diversificado. As matérias são interessantes e temos que estar informados. Este é o objetivo.

IdG: No geral qual a sua visão sobre sites LGBTs? Você sabe, há muitos na internet...
Giuliano: Cada um luta pelo seus ideais. Se o Publico alvo é o GLS, tem que haver matérias que interessam ao público. Sempre há os bons, os medianos e os ruins como em toda área.

Julio Vidal (foto cedida - arquivo pessoal 2)
Família
IdG: Onde nasceu e onde vive atualmente?
Giuliano: Nasci em São Paulo, capital. Vivo hoje em Ribeirão Bonito - SP.

IdG: Como foi a infância e o relacionamento com os pais e irmãos? Como é atualmente a relação entre você e a família ascendente?
Giuliano: Fui criado pela minha mãe e tive um irmão e duas irmãs. A relação com eles é muito boa. Sou de uma família humilde, de muito sofrimento, mas eu a amo.

IdG: Você disse em seu site que iniciou a carreira pornô aos 16 anos. Contou à família? Como ela encarou tal decisão?
Giuliano: Iniciei aos 18 anos dançando em casas noturnas. Aos 19, comecei nos filmes. Minha mãe se entristeceu muito, pois tive uma educação cristã, mas ela me deixou aprender com a vida.

IdG: A família que você formou - esposa e filhos - tem orgulho de Giuliano?
Giuliano: Creio que sim. Sou muito aberto com eles e eu luto para fazer o melhor para todos.

IdG: O que costuma fazer nas horas livres com os filhos e esposa? Costumam viajar, vão ao cinema, restaurantes, praias, etc?
Giuliano: Sim, sou como todo pai que deseja proporcionar momentos bons e felizes com a família. Sou muito caseiro também, adoro assistir a filmes e comer. Quando dá, viajo com a família. Isso faz bem.

IdG: Seus filhos são praticantes de sua religião?
Giuliano: Sim.

Rapidinhas
IdG: Qualidade/defeito?
Giuliano: Sou brincalhão e costumo falar o que penso.
IdG: Qual seu estilo pessoal em relação à moda? Só anda de terno hoje em dia?
Giuliano: Não. Eu curto andar de tênis e calça jeans também. Já na igreja, sim, só termo e gravata.
IdG: Perfume?
Giuliano: Joop e Styletto.
IdG: Música?
Giuliano: variadas.
IdG: Filme?
Giuliano: O Pianista.
IdG: Livro?
Giuliano: Heróis da fé, A Cabana, História dos Hebreus, entre outros.
IdG: Melhor programa de tevê?
Giuliano: A Liga, CQC, Jô Soares e Caldeirão do Huck.
IdG: Homem e mulher que admira?
Giuliano: Jesus e minha esposa.
IdG: Ator/atriz?
Giuliano: Morgan Freeman e Fernanda Montenegro.
IdG: Lazer/hobby?
Giuliano: Ficar em casa com a família.
IdG: Melhor viagem?
Giuliano: Campos de Jordão e Madri.
IdG: O que é religião? Para você, todas vêm Deus de uma única forma?
Giuliano: Religião é manter um relacionamento com Deus. Acho que não. Deus se apresenta para nós de várias formas.

IdG: Por gentileza uma mensagem aos leitores do Identidade G.
Giuliano: Quero desejar a todos um feliz 2012. Espero que tenham gostado da entrevista. Sei que muitos gostarão e outros não, mas essa é minha realidade. Vivam a vida, busquem Deus e sejam felizes.

Para conferir as respostas de Giuliano às perguntas dos leitores, clique aqui.

16 comentários:

  1. é uma pena que ele tenha virado evangélico
    poderia ter feito coisa melhor na vida, mas enfim, como ele mesmo disse, cada um tem o direito de escolher o que quer para sua vida até mesmo se tornar chato

    e parabéns pela entrevista Junior. soube conduzi-la muito bem!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma pena que ele tenha virado evangélico...

      Que comentário absurdamente débil, ridículo. Que falta de mínima sabedoria e conhecimento. Espero que você assim como o Giuliano também tenha oportunidade de conhecer a Deus.

      Excluir
  2. Não vou comentar sobre a qualidade da entrevista, que aí é chover no molhado... Parabéns, Junnior, ficou excelente!

    Sobre as respostas do Giuliano: olha, me surpreendeu! Achei super sincero e muito corajoso... eu não esperava isso de um “assembleista”. Resta saber se haverá alguma repercussão entre o “establishment” da matriz...

    Pontos que eu considerei positivos: ele afirmar que não “passa a borracha” em nada que fez; reconhecer que a homossexualidade não é doença e que “somos todos iguais”, com sentimentos, vida, coisa e tal... me surpreendi... muito claro, sem meias palavras. Viram os programas de TV preferidos dele?

    Um ponto que eu achei uma ousadia (da parte dele): o puta chute que ele dá no Malafaia (vocês fariam algo parecido com o Chairman da sua empresa?) “...ele poderia, ao invés de impor suas opiniões, falar do amor de Deus, do amor ao próximo...”... olha, quase virei fã do carinha!

    Mas, como tudo tem um mas: uma no cravo e outra na ferradura... não é doença, “mas é pecado”... todos são bem vindos, “mas tem que se membrar” (affe, como é isso? se membrar... kkkkkk... tem a ver com o, digamos, “membrum virilem”... kkkkkk... é assim que se fala, oh meu nobre causídico?)

    Resumo: nota “C”... de exCelente... beijão!

    ResponderExcluir
  3. Legal a entrevista dele.

    Na minha adolescência,frequentei várias igrejas evangélicas.Aprendi muita coisa boa.

    Hoje em dia,acredito em Deus.Um dos meus melhores amigos daqui é evangélico.Ele sempre me diz que o importante é estar bem consigo mesmo.Muito fofo meu amigo qdo diz: Lobinho,eu te amo!É tao puro.

    Beijos,Ju.

    ResponderExcluir
  4. Sem palavras! Estou sem palavras! Que belíssima entrevista e que pessoa fascinante é o Giuliano! Adorei!

    Você como sempre de parabéns!

    Bjo

    ResponderExcluir
  5. Tá aí! Gostei muito da entrevista, das respostas dele, da coerência que ele mostra. Não concordamos em tudo, mas só o respeito que ele demonstra já nos faz querer retribuir na mesma medida...

    Abraços!

    ResponderExcluir
  6. Acho que todo profissional do sexo quando envelhece e vê todas as portas se fechando pra eles acabam se "convertendo" é só olhar na mídia que vão ver um monte de ex-atrizes e atores pornô "arrependidos" pra isso é tudo blá, blá, blá. Um grande exemplo é a Bruna Surfistinha, foi prostituta, mas como arranjou outro meio de ganhar dinheiro não precisou se converter. Já os outros com o fim da carreira no pornô continua a fuder as pessoas só que desta vez no bolso. Só falta agora o Frota e o Kid Bengala abrirem uma igreja em sociedade, é por isso que todo mundo perdeu o respeito pelos evangélicos !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Comentário bem equivocado, mas têm duas verdades.

      Excluir
    2. Ou melhor, suas verdades. Errei aqui. Rs.

      Excluir
  7. betinhoxyz@hotmail.com25 de junho de 2012 23:07

    Gostei do que vc falou,te desejo muita paz,vitórias nesse seu novo caminho,temos que buscar a nossa paz de espirito aonde quer que ela esteja,o veículo não emporta,o que passou ,passou.o futuro é que interessa,felicidades pra vc meu querido.

    ResponderExcluir
  8. Cada um é responsável pela própria transformação. Isso que ele conta, e que sabemos dele, como por exemplo: filmes homens e travestis é só a ponta do iceberg.

    Sabemos que o pornô em geral e o brasileiro em particular paga muito mal aos atores. Aí surge os programas. Mas também não dá para ser michê aos 40 anos... E salvo raras exceções, a carreira no pornô também é muito curta.

    O Giuliano passou por problemas muito maiores do que os que ele conta. Garanto que deve ter feito programas com gays da terceira idade, sendo ativo e passivo e se submetido a cada coisa de arrepiar os cabelos.

    ResponderExcluir
  9. Legalzinho e bla,bla,bla.
    Mas pena que eu não acredito nessas encubação em vitro esperando para sair.
    Quem bota fé vai fundo e embarca.

    ResponderExcluir
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  11. Sou gay e acredito sim q ele mudou pois cada um faz as suas escolhas e essa foi a escolha dele temos q respeitar e aceitar isso e amar e respeitar o proximo do mesmo jeito q queremos respeito

    ResponderExcluir
  12. Sempre fui preconceituoso em relação a evangélicos, mas esta entrevista me surpreendeu, deixemos o Juliano livre para seguir seus caminhos da mesma forma como seguiremos os nossos, com nossas escolhas e opções. Parabéns ao entrevistado e ao entrevistador.

    ResponderExcluir
  13. Não vejo problema algum em ele ter mudado de vida e de opiniões, uma coisa que gostei muito na entrevista, foi ver que ele não considera homossexualidade doença, todo cristão, se baseia na bíblia e é de dever dele considerar a prática homossexual pecado, ele foi super respeitador, e não se tornou um evangélico alienado. Eu fui evangélico por 15 anos, não quis mais porque vi que não era isso que eu queria para minha vida. Se ele foi hipócrita ou está sendo mentirosos com relação a sua vida em particular é um problema dele. Temos que respeitar as pessoas, todo mundo faz sexo, e esperto aquele que faz e ainda lucra por isso, rsrs

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.