O procurador regional dos direitos do cidadão de São Paulo (vinculado ao Ministério Público Federal), Jefferson Aparecido Dias (esquerda na foto acima), pediu à direção do programa Vitória em Cristo, exibido na Band e apresentado pelo pastor Silas Malafaia, que o apresentador se desculpasse com os gays pelas declarações consideradas homofóbicas que proferiu durante o programa exibido em julho do ano passado.

Por sua vez, membros da Associação Brasileira de Ex-Gays, conhecida por ABEx, não gostaram. Eles encaminharam um manifesto de repúdio ao procurador e chegaram a ameaçá-lo de instaurar processo administrativo disciplinar na Advocacia Geral da União.

Na ocasião, Malafaia teria declarado em seu programa que a Igreja Católica deveria "baixar o porrete" e "cair de pau" em cima dos gays por terem utilizado imagens de santos católicos durante a Parada do Orgulho Gay de São Paulo de 2011.

O ato foi decisão dos organizadores da Parada. Não houve votação aberta para que os gays escolhessem as imagens que poderiam ser utilizadas no evento. E se um grupo heterossexual resolvesse promover passeata em defesa do aborto e usasse imagens de santos católicos simulando benção e perdão às mulheres que praticaram o ato? Malafaia pediria à Igreja Católica para cair de pau em todos os heterossexuais do Brasil, inclusive nele? Difícil. 

Esse pastor é a instalação do caos e o retrocesso da civilização.

Por outro lado, para que serve mesmo uma associação de ex-gays? Nova categoria da sociedade?

12 comentários:

  1. Ex gay deve ser uma praga de laboratório criada pela universal...kkk

    ResponderExcluir
  2. concordo com seu texto.Onde se viu a igreja incitar a violência, isso me lembra o estrupo chamado corretivo que matou muitas lésbicas na Africa.
    Daqui a pouco o poder volta pra igreja!

    ResponderExcluir
  3. essa tal abex atende pelo nome de assembléia de deus e seu presidente é o tal MALafaia
    por isto tanto repúdio...

    ResponderExcluir
  4. Já se falou tanto de “ex-gay” que talvez só com humor negro: ex-gay não existe, pois provavelmente já cometeu o suicídio!

    Abração.

    ResponderExcluir
  5. gente, será q isso é sindrome de estocolmo?

    ResponderExcluir
  6. Bom, eu sou gay e eu só posso dizer por mim mesmo, então não há como eu dizer com certeza que não existe ex-gay. Mas acreditar que todo mundo pode deixar de ser gay é um absurdo, por que eu sei que é impossível eu deixar de ser então eu sei que há os gays convictos.
    Mas eu sinceramente acho mais provável que esses "ex-gays" sejam pessoas que tem ódio de si mesmas ou então pessoas que nunca foram gays e só estavam experimentando.

    Realmente um absurdo alguém falar isso na TV. E ainda ter quem defende. Queria ver se alguém falasse "vamu caí de pau nos ex-gays" se eles iam achar bom.

    ResponderExcluir
  7. Concordo com o Lucas. E podem estar também se tratando... pra voltarem a ser gays.

    Beijos

    PS: mesmo com o mundo desabando em mim eu venho aqui, viu! (rsrs)

    ResponderExcluir
  8. Olha, eu me surpreendo cada dia mais com a sexualidade humana, e não duvidaria de encontrar realmente um ex-gay, mas nesse caso aqui, tudo parece muito esquisito e inverossímil.
    E todos sabem que sexo e religião não irão entrar em acordo nunca.

    Abração, Junnior!!

    ResponderExcluir
  9. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk...que história ridícula. Na minha opinião, essa sim é a "bicha loca" o mito!

    ResponderExcluir
  10. Cá para mim tudo isso tresanda um fedor imenso perceptível a milhares de quilómetros!

    O que me espanta é as pessoas enfileirarem atrás de energúmenos que dizem falar em nome de Cristo (pregador do amor incondicional) e saem em público regurgitando ódio e rancor, com apelos à brutalidade e violência. Mas enfim, o povo é burro mesmo!

    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Tenho medo de verdade desse povo...

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.