Numa conversa com a diarista, ela me conta que trabalhou na noite de sábado. Reclamou que ganhou pouco, mas se divertiu durante o serviço que prestou para o 'patrão' que promove festas e shows GLS em seu trailer. O local fica próximo de sua casa no bairro de Bonsucesso.

Começou a falar que o 'pessoal' é bacana e que já frequentou boates GLS. Pensei se ela quer descobrir se sou gay.

A estratégia deu certo e respondi: Sim, esse 'pessoal' é legal mesmo. Inclusive eu também tenho um site que aborda o universo LGBT.

- Você não parece gay.

Concordei.

- Eu acho mais assim, do jeito que você é, ela concluiu.

- Posso não parecer com os gays que você conheceu, mas sexualmente não há diferença entre mim e eles. Gostamos da mesma coisa. Somos gays apesar das diferenças, continuei.

- Você deve ter alguma amiga ou deve conhecer alguma mulher que tem um jeito mais alegre que o seu, fala mais que você ou que seja sexualmente mais ativa, né não? É a mesma coisa.

E continuei empolgado na minha tese:

- Com relação ao sexo, todos gostam da mesma fruta, né não? O objeto de desejo pode ter tamanhos e formas diferentes, mas, em princípio, são homens e mulheres pretensamente heterossexuais. A diferença é que, no caso dos heterossexuais, a orientação ou o desejo sexual não é objeto de julgamento acerca da personalidade ou do caráter da pessoa.

No fim das constas, ela saiu daqui dizendo que não se oporia ao filho se ele revelasse que é gay.

- Então deixe isso claro desde já. Ela já fica sabendo que pode contar com a família quando mais precisar. 

7 comentários:

  1. isso dá um pouco de esperança né?

    ResponderExcluir
  2. Boa noite. Eu tava sentindo falta das suas novidades. Eu também tenho uma diarista, há um bom tempo. No começo ela achava estranho as “visitas” que eu recebia. Com o tempo, foi ficando tão normal que ela já vinha “quer que eu faça alguma coisa hoje, seo Lucas, pra algum amigo seu?” (rsrsrs).

    Tudo é questão de tempo. E menos preconceito. Hoje ela não anda tendo esse tipo de trabalho (rs).

    Abração.

    ResponderExcluir
  3. Muio Digno de sua parte.Outro gay ja ia malhar o pau nas efeminadas e isso ia so contribuir para um preconceito que já não é pouco.Gracias!

    ResponderExcluir
  4. É um trabalho de formiguinha, mas que é preciso ser feito, não é?

    Abraços, queridão!!

    ResponderExcluir
  5. é por aí mesmo amigo ... semeando o entendimento para colhermos frutos melhores amanhã ...

    ResponderExcluir
  6. kkkkkkkkk... desculpe... fico imaginando a cara da Nazinha (lembra?) se eu falasse pra ela. Ao invés dos costumeiros 3 piripaques acho que ia dar enfarte! Mas, até me deu a ideia... quem sabe quando eu voltar.

    Beijão, meu lindo!

    ResponderExcluir
  7. Hehe Chegou-te a veia missionária! kkkkk

    Concordo. É preciso fazer trabalho de campo e ir educando o espaço ao nosso redor; principalmente pelo exemplo.
    Será que a senhora não saiu com os neurónios um pouco baralhados com a retórica tão filosófica? rsrsrs (brincando)

    Beijos

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.