Cara, é sacanagem do autor da novela Avenida Brasil, João Emanuel Carneiro.
É clara a inquietação e a ansiedade de Roni (Daniel Rocha) por Leandro (Thiago Martins), porém, o clima das cenas nas quais os dois aparecem juntos não passa disso.
Não há algo mais consistente. Por exemplo, quem no armário, na idade do Roni e apaixonado pelo amigo, colega ou vizinho, não tentaria criar oportunidades para admirar mais de perto o amado? Eles moram juntos!!
A esta altura, era pra Roni cheirar as cuecas de Leandro! Pelo menos.
Normal, gente. Roni não pega mulher - sequer olha. Ao contrário, os demais personagens centrais de sua idade, que são, como ele, jogadores do clube de futebol do bairro no subúrbio, são cachorrões. E os hormônios do bonitinho, certamente, devem trabalhar tanto quanto.
Por mais que não aceite a própria orientação sexual, Roni não resistiria. São muitas as oportunidades e as provocações inconscientes de Leandro. E, vamos combinar, o Leandro é um gostoso, né?
Por sua vez, o autor deixa transparecer que a homossexualidade de Roni está somente na cabeça de Suelen (Iris Valverde). Ontem, a cena foi arrebatadora. Diria até cruel.
Primeiro Roni tem um suposto ataque de ciúme quando Suelen deixa claro que, mais uma vez, deu uma surra de sexo no Leandro. À mesa da sala, tomando café, Roni joga pedaços de pão em cima do seu apaixonado e brada:
Não acredito que tu pegou a vadia de novo!
Pô, irmão, desculpa! A carne é fraca. Ninguém segura essa mulher quando ela quer, brother!, respondeu o rapaz.
Suelen, que estava na cozinha, voltou à sala e provocou Roni dando um beijo de despedida em Leandro que vai pra loja acompanhado de Diógenes (Otávio Augusto).
A sós com Roni, ela debochou:
Fica com ciúmes de mim com o Leandro, não, bobo. Não é nada. Se você quiser, posso até te ajudar a pegar ele. Quer?
Não tô te entendendo, Suelen. O que você quer dizer com isso?
Que tu não é homem.
Claro que eu sou homem! Tá louca?
A abusada, partiu para cima:
Ah, é? Tu é homem? Então, vem aqui. Tu gosta? Me mostra que tu é homem.
Ela tenta seduzi-lo, mas ele resiste bravamente:
Não é porque eu sou homem que eu vou ser molestado sexualmente dentro da minha própria casa!
Molestado, é? Que palavra bonitinha. Então, vem aqui pra Suelen te molestar, vem.
Ele subiu as escadas desesperado. É possível que tenha se trancando no quarto com um crucifixo na mão.
Enquanto isso, somente Suelen se dá bem com Leandro. 5 x 0 no placar.
Quanto ao título da postagem... Claro que Roni não está nem aí pras tiradas da Suelen. Momentos depois, ele já estava dando pinta no bailão do bairro, rebolando até o chão nos passinhos da balada charme.
E, por falar no baile, a nova música do Buchecha, o funk "Hot-Dog", é boa. Tá bombando. Confira em duas versões. A da novela e a remixada por "EletroFunk".
xx

5 comentários:

  1. Não estou acompanhando mas achei hiper interessante tudo como vc descreveu ...

    agora! funck definitivamente não é a praia do Bratz ... rs

    bjão

    ResponderExcluir
  2. Eu também não acompanho atentamente, mas dou umas olhadas. Você descreveu legal. Mas, assim, o João Emanuel Carneiro tem fama de trabalhar muito os personagens. Pode ser que ele esteja "construindo" o garoto de uma maneira mais lenta por algum motivo, mesmo que pra sentir a aceitação do público. O que você acha?

    Abração.

    ResponderExcluir
  3. Também acho que ele pode tá fazendo com que os assédios de Suelen ponham ele pra pensar e ir a luta, sair do armario, se aceitar. Confesso que dei uma risada na cena dela querendo atentar ele, já passei por isso no meu bairro, umas colegas saiam atrás de mim, e eu claro, vapo!!

    ResponderExcluir
  4. Vixi, meu lindo, nem tenho como falar nada, né! Aqui nesse fim de mundo não consigo saber ou ver nada do que acontece na TV brasileira. Se você falou, acredito (kkkkk).

    Beijos.

    ResponderExcluir
  5. gente, mas pelo q eu vi pela novela, ele ainda não se deu conta q está apaixonado pelo cara...

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.