O mundo é gay!
Brincadeira, gente. É um trocadilho infame pra 'linkar' o dia de hoje ao Identidade G.
O tema merece mais.
Aquecimento global !! Isso se tornou motivo de piada?
Alguém provou que os dados lançados pelos cientistas que criaram o fenômeno efeito-estufa, aquecimento global e etc, foram adulterados - pelo que entendi eles foram exagerados e não desconsiderados.
Me parece que os mais céticos se apegaram ao fato para se portarem como se nada mais importasse no tocante aos cuidados com o mundo. Li por aí um monte deles bufando em palavras: Eu já sabia que era tudo mentira; Não havia lógica nessa estória; Tudo foi criado para gerar uma indústria de oportunistas ambientais e atrair para eles muito dinheiro. E por aí vai.
Tudo bem, mas vamos com calma. 
Outros estudos confiáveis surgiram após a suposta desmistificação do aquecimento global para provarem que  ele existe sim, e foi verificado em 1º c desde a década de 1950.
Mas, agora, o foco é outro.
A questão não é mais discutir se o fenômeno seria causado pelas ações do homem ou se seria um processo natural, mas estudá-lo. Saber o que, como e quando fazer para impedir (mais) danos à natureza e, consequentemente, ao homem.
Não sei a quantas anda o Protocolo de Quioto ("PQ") depois desse bafafá todo. Lembram dele?
O objetivo mais urgente desse protocolo era convencer os países signatários da necessidade de se criar metas para combater a emissão de gases-estufa na atmosfera (causadora do aquecimento global). 
Oitenta e quatro países assinaram o compromisso de adesão. 
No entanto, é bom lembrar, há várias outras metas importantes que fazem dele um compromisso mundial indispensável, dentre as quais criar formas alternativas de desenvolvimento menos impactantes ao meio ambiente. Substituir produtos oriundos do petróleo por outros que provoquem menos danos é um exemplo (mais sobre as metas do PQ, aqui).
O irônico é o fato de o primeiro (ou o segundo, não lembro bem) maior emissor de gases do mundo, os Estados Unidos, ter se desligado do PQ em 2001. A alegação foi que a redução iria comprometer o seu desenvolvimento econômico. 
Ah, vá... Os EUA agem como aquelas pessoas que citei no começo da postagem; como se todo o resto fosse balela.
Irônico também é que a data de hoje, 22 de abril, Dia Internacional da Terra, não é reconhecida pela ONU e nem é feriado em nenhum país da TERRA.
Feliz terra pra todos nós.



4 comentários:

  1. Meu querido, cientista prova o que quer! Basta ter uma boa fonte de financiamento! E, como dizia um velho pensador, pra ser científico basta ser "falseável"... e, convenhamos, tudo é nesse mundo!

    Salvem (no sentido de salvar mesmo) nosso pequeno ponto azul no infinito!

    Abração.

    ResponderExcluir
  2. hj tb é descobrimento do brasil...

    ResponderExcluir
  3. Eu já li alguma coisa desse Protocolo de Quioto. Uma que me chamou a atenção e que ainda não entendi direito (kkkkk) é a história do "crédito de carbono". É engraçado, parece uma moeda ecológica com a qual alguns países desenvolvidos poderiam de alguma forma ter uma atitude diante desses problemas. Você sabe do que se trata?

    Beijos, meu lindo.

    ResponderExcluir
  4. Oi Cesinha, eu creio que essa transação está em desuso por causa justamente da desmistificação do fenômeno aquecimento global.
    De qualquer modo, o protocolo estabeleceu metas de redução de emissão de gases, em percentuais, aos países desenvolvidos mais poluentes.
    As indústrias e empresas daqueles países, que conseguiam reduzir o nível de poluição durante as suas atividades, recebiam certificados que lhes davam direito de converter, em unidades de crédito de carbono, aquilo que elas deixavam de poluir.
    Tais certificados funcionavam como moeda de troca. As empresas/indústrias que não conseguiam diminuir o nível de poluição, mas precisavam operar suas atividades sem comprometer as metas do PQ, compravam os certificados das outras (rs).
    Não sei se no final das contas essa equação resolvia muita coisa, mas, o fato de tentarem reduzir pra lucrar era melhor do que poluir sem limites.
    Pesava também o desembolso de dinheiro. Nem sempre as indústrias e empresas que ultrapassavam o seu limite de nível de poluição, detinham dinheiro suficiente pra adquirir todo o crédito que precisavam. Assim, tinham que comprar menos e não podiam exceder o nível de poluição no período de validade do crédito adquirido.
    Beijão queiro.

    Foxx: eu sei, mas a postagem foi sobre o dia da terra (rsrs).
    Bjaum.

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.