Outro dia estava conversando com um amigo virtual sobre a febre dos vídeos de masturbação das celebridades masculinas e ele comentou que fama não combina com privacidade: é o preço que se paga, concluiu.
Preço mesmo, e alto, é o que dois massagistas estão cobrando judicialmente do ator norte-americano Jonh Travolta, 56 anos, pelo assédio sexual que alegam ter sofrido durante a execução de seus serviços em janeiro deste ano. Parece que cada um pleiteia a quantia de US$ 2 milhões.
O ator teria se hospedado em dois hotéis no mês de janeiro de 2012. O primeiro caso teria ocorrido no dia 16 em Beverly Hills (Califórnia-EUA) e, o segundo, no dia 25 do mesmo mês num hotel de Atlanta (Georgia-EUA).
As queixas dos massagistas são idênticas.
A alegação é a de que Travolta solicitara os serviços em cada hotel e, ao receber os rapazes, se colocava de bruços, totalmente nu, dizendo que gostava de massagem na região do glúteo. Enquanto era massageado, teria insinuado desejo de ser tocado mais intimamente ao ponto de pegar uma das mãos do massagista e conduzi-la ao ânus. Os rapazes afirmam também que foram tocados em seus órgãos genitais.
Ao perceber resistência, o ator teria se virado, sentado na maca com as pernas abertas e, se masturbando, pedia aos profissionais que continuassem o 'serviço': boa parte da minha fama se deve aos favores sexuais que realizei no início de minha carreira, argumentara Travolta na tentativa de convencer um dos homens a ceder aos seus apelos sexuais.
Os reclamantes não foram identificados nos sites americanos, mas ambos utilizam o mesmo advogado. O último massagista teria movido a ação de assédio primeiramente e, o outro, teria procurado o mesmo advogado ao tomar conhecimento do fato pela imprensa. Ambos se dizem traumatizados e emocionalmente estressados pelo fato ocorrido.
Martin Singer, o advogado que representa o ator, classificou as acusações de absurdas e ridículas. Segundo ele, o seu colega, representante dos autores nas ações judiciais, é um oportunista.
Desde o lançamento do livro You'll Never Spa in This Town Again, em 2010, no qual o autor, Robert Randolph, desvela a cultura gay secreta de Hollywood e divulga as supostas aventuras homossexuais de John Travolta, o ator vem sendo exposto na mídia em razão de sua sexualidade (leia mais sobre isso, aqui).

Fonte: sites TMZ e Radar.
  

6 comentários:

  1. o problema é esconder, não acha? se ele assumisse a própria sexualidade esses boatos com certeza seriam diminuidos...

    ResponderExcluir
  2. Tá certo! Os massagistas são 2 donzelos, puros e castos, que foram fazer uma massagem terapêutica! Sei, sei... a km de distância dá pra sentir o cheiro de oportunismo no ar. Isso tem aos montes aqui... deve ser cultural, quem sabe genético nesse povo.

    Beijos, meu lindo!

    ResponderExcluir
  3. concordo plenamente com o Cesinha, aliás atualmente é o q mais existe no mundo das celebridades é isto ... oportunismo ... #mepoupe!

    Junior foi super legal te conhecer, mesmo q por pouco tempo ... mas saiba, vc só conseguiu reafirmar todo o seu portentoso caráter q já percebíamos através de nossa relação virtual ... adorei ... aguardando vc por aqui ... um grande abraço ao mano Cid tb ...

    bjão

    ResponderExcluir
  4. Fico imaginando essa história no processo jurídico... massagem na região glútea, toques nos orgãos genitais... rsrsrs... será que algum juiz consegui ler algo assim sem vontade de cair na risada?

    Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Só baphinhos, kekeke, adooooro.Realmente o povo se aproveita.

    ResponderExcluir
  6. Ah! Eu também sei fazer massagem! Me chama para eu fazer uma fisio e depois eu te processo por assédio!
    kkkkkkkkkkkkkkk
    Só mesmo para rir muito.
    E mesmo que ele não seja condenado, os dois vão ganhar uma boa maquia num daqueles acordos judiciais.

    Beijos

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.