Shane Crone e Tom Bridegroom formavam um casal jovem, gay e aparentemente muito feliz. Em seis anos na Califórnia, eles montaram um negócio, compraram uma casa, viajaram pelo mundo e adotaram um cachorro juntos. Um dia, Tom subiu ao telhado de um prédio e caiu, morreu. 
As três linhas acima resumem, de forma quase apática, a trajetória de um casal gay. No entanto, os dez minutos de duração do vídeo feito e disponiblizado por Shane no YouTube, após a morte do seu companheiro, Tom Bridegroom, parecem mostrar e narrar muito mais que os seis anos que o casal viveu lado a lado.
Shane chora muito ao falar com a câmera. É como se ela fosse a única capaz de entender a sua dor. Além disso, cenas de filmes e fotos são intercaladas enquanto o rapaz conta os momentos felizes e infelizes vividos por ambos antes e após a morte de Tom. O casamento não realizado por causa do impedimento legal, e o preconceito da família de um deles são a grande tortura de Shane.
O vídeo é muito bem produzido e já se tornou viral. Agora, a história poderá se tornar filme de verdade. Há rumores em diversos sites que nos levam a crer que uma produtora se interessou pelo 'love [unhappy] story' e pelo sucesso de público já alcançado na internet.
Assista ao vídeo legendado a seguir.


6 comentários:

  1. Nossa... que história comovente! Porem não pude deixar de notar uma coisa que parece não dar "liga": as palavras entre aspas "caiu", "acidente"... muito estranho. Como é que alguém sobe num telhado e simplesmente cai?!

    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Pêsames a parte, mas fico receoso com esse tipo de história divulgada focando-se no "drama individual", e não na questão social e coletiva.Me parece mais com um american gay of live do que um alerta para a luta por direitos de igualdade.Fico feliz pela bonita história do casal, apesar do final. Mas ainda sim, a vida que levaram é uma exceção, dentro do que vemos no cotidiano, sem falar que esse tipo de história costuma multiplicar o número de "Alices" que vivem por aí esperando por histórias idênticas com suas famílias de comercial de margarina gay.

    ResponderExcluir
  4. pq no vídeo não tem nenhum beijo entre eles.

    ResponderExcluir
  5. Como sou amigo do Ju, posso escrever a vontade. kkkkk.

    O que poucas pessoas sabem é que vídeos como este, são feitos com ajuda de ONGs gays americanas. O jeito de falar e se expressar (etc e tal) são ensinados por essas organizações.

    Beijos, Ju.

    ResponderExcluir
  6. Lucas: eu também acho que não foi acidente. Há 1 passagem no vídeo, não sei se vc percebeu, na qual Shane diz: "eu não entendo o porquê de as pessoas fazerem isso..."

    Harley: eu tive uma leitura diferente. O drama é pessoal, claro. Shame foi intimidado pela mãe do companheiro em menos de 24 h após a sua morte. Depois, ele foi 'varrido' e praticamente jogado no lixo pela família de Tom.
    O vídeo foi a maneira encontrada por Shame para gritar ao mundo que ele foi a pessoa + importante na vida do seu companheiro morto; que Tom era a sua família e vice-versa.
    Em segundo lugar, a morte de Tom se torna uma causa coletiva; difusa. É uma lição às famílias de todo o mundo. Há de se pensar que a rejeição da família de Tom, a ameaça do pai que chegou a apontá-lo uma arma, pode ter sido, senão o todo, parte da razão que o levou a 'cair' daquele telhado. Mesmo se sentindo amado/acolhido por Shame, não foi fácil para Tom constatar que a família ascendente limitou e condicionou o seu amor à heterossexualidade do filho, ou seja: se você seguir sua vida como um hétero, nós te amaremos, caso contrário, não.

    Lobinho: adorei ler, letra por letra, que vc é um amigo, pois tenho enorme carinho e consideração por você. Também me considero seu amigo.
    Agora, quanto ao que vc escreveu, acredito mesmo que Shame tenha se socorrido/procurado ajuda. E deve ter sido a melhor coisa que fez, pois poderia sofrer ainda mais. E pior: sem a devida resposta à família de Tom a qual, além de rejeitá-lo, abusou de sua boa-fé. Que ONGs como esta se tornem mais acessíveis à população LGBT; que orientem e transformem histórias trágicas e injustas, como a de Shame, em respostas aos malfeitores da dignidade LGBT.

    Foxx: eles poderiam ter editado alguma imagem com os dois se beijando, né?

    Beijaum e obrigado a todos.

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.