O colunista Paulo Sant'Ana, do Zero Hora, escreveu em seu blog:

" (...) Dois homossexuais masculinos me escrevem para contar seu drama: moram em Uruguaiana e moram juntos, mantendo união homófila. Ou seja, há cinco anos, mesmo sendo homens, têm uma relação estável, como se fossem marido e mulher.
Pois bem, esse casal de gays que me escreve reclama veementemente porque em Uruguaiana não permitem a entrada de gays nos bailes dos Centros de Tradições Gaúchas (CTGs).
Os dois são fissurados em tradições gaúchas, amam o folclore, adoram todas as canções gauchescas, mas são impedidos de frequentar os bailes nos CTGs.
Eles declaram que os direitos dos gays vêm sendo consagrados no mundo inteiro e aqui no Brasil já se permite até o casamento entre dois gays masculinos ou femininos.
Eles são radicados e empregados em Uruguaiana, não têm como se mudar de lá, querem o direito que sabem que possuem até por lei de frequentar os bailes, de se divertirem.
Juram que não se comportarão mal nos CTGs, que sabem ser discretos e respeitadores das normas sociais.
Além de grandes amantes das tradições gaúchas, eles gostariam de conviver socialmente nos CTGs. Sentem-se, com essa proibição, privados de sociabilidade em sua própria cidade.
Apelam para este colunista para que eu ajude a solucionar o que eles chamam de “nosso impasse existencial”.
E este colunista nada mais pode fazer do que estou fazendo: pedir a compreensão dos dirigentes e associados dos CTGs uruguaianenses com o drama desses dois cidadãos ordeiros, respeitadores, sociáveis, que apenas não transigem em não deixar de exercitar suas vocações sexuais.
Tenho certeza de que até mesmo entre tradicionalistas uruguaianenses há muita gente que dá razão para estes nossos dois gays.
Evidentemente que os dois têm carradas de razão.
Só não mandaram me dizer se pretendem ir aos bailes gauchescos pilchados, mas isso não faz diferença."
_______________________________________
Adorei. Mas encontrei o texto de Paulo Sant'Ana por acaso, quando pesquisava no Google, aleatoriamente, temas LGBT. Na verdade, a fonte que me levou até ele foi a postagem de outro blogueiro que acompanha o colunista [Blog do Léo Ribeiro]. Abaixo.
_____________________________________________

 " (...) Preparei meu mate, peguei o matutino (Zero Hora) e comecei uma breve leitura por onde sempre começo, ou seja, a coluna do jornalista Paulo Santana. Sabem qual o título de sua coluna de Hoje? OS DOIS GAYS.
Na verdade Paulo Santana estava publicando o "drama" vivido por dois homossexuais masculinos que desejam frequentar os CTGs de Uruguaiana, cidade onde moram e mantém união homófila, e são proibidos de adentrar, maritalmente, em tais sociedades.
Não quero opinar, neste momento, até mesmo porque, quem conhece minha personalidade sabe o que penso sobre este assunto e qualquer manifestação em contraponto pode gerar processo no lombo.
Mas fico pensando, e com pena, nos patrões destes CTGs pois estão numa sinuca de bico. Se liberam, correm o risco de esvaziamento de suas entidades tradicionalistas. Se não liberam, podem sofrer sanções judiciais e verem estas mesmas entidades fechadas...
E Paulo Santana termina assim sua coluna: "... só não me mandaram dizer se pretendem ir aos bailes gauchescos pilchados, mas isto não faz diferença".
Mas como que não faz (diferença) caro jornalista?!
Imaginem vocês, dois gaúchos pilchados até os dentes, dançando um chamamezito... de rosto colado!
Realmente, meus patrícios. Agora preteou o "zóio" da gateada. Isto que o governo, diante da gritaria geral dos pais, nem distribuiu a famosa cartilha nos colégios, sobre este tema, que já tinha até mandado editar..." [grifei]
________________________________________________________

Enquanto o tal Léo pensa lá, na compaixão pelos patrões dos Centros de Tradições Gaúchas de Uruguaiana, eu, cá com meus botões, penso no quanto os gays ainda são prejulgados, estereotipados e até odiados. Ainda bem que não conheço a personalidade de algumas pessoas.

6 comentários:

  1. Logo lá né, onde a fama de macheza [pela boca do povo] sempre foi colocada em cheque? ... rs ... mas dias melhores ainda virão querido ... sou otimista ...

    bjão

    ResponderExcluir
  2. Gostei da atitude do camarada que buscou ajuda para o casal. será que conseguiram?
    Abraços

    ResponderExcluir
  3. os dois textos são extremamente homofóbicos, a repetição de gays masculinos por exemplo é a prova de que a homofobia ainda existe, que se eles fossem efeminados não teriam os mesmos direitos, o único gay q tem direitos é aquele que se comporta como heterossexual, e qnto menos sexo ele fazer tb melhor, que ai ele pode até doar sangue.

    ResponderExcluir
  4. Realmente eles podem até conseguir frequentar os CTG's mas será que serão respeitados uma vez dentro?Mesmo assim lutar por direitos é sempre importante.

    E outra: eles podem impedir os dois de frequentarem?Legalmente?

    ResponderExcluir
  5. Foxx, você está confundindo as palavras 'masculino' e 'másculo'. A intenção do autor do texto foi esclarecer que se trata de dois gays do sexo masculino (poderiam ser 2 lésbicas).
    Anônimo, não podem impedir. Inclusive o autor do primeiro texto alertou isso.
    Gente, de maneira geral, até acredito que os dois gays tenham escrito para o colunista, mas fizeram como brincadeira. A intenção foi zoar com os tal clube, a meu ver. Se eles levassem a sério, teriam procurado seus direitos.
    E aí vem o problema do segundo texto. O cara levou a sério exatamente a questão de se tratar de dois gays e não perdeu tempo para exibir o seu preconceito.

    ResponderExcluir
  6. até quando esse povo vai ficar com essas besteiras de colocar a sexualidade dos outros à frente deles mesmos? se os caras curtem o local e podem torná-lo mais bacana, participar, curtir e se integrarem, por que tanto preconceito?

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.