No início do mês de setembro, o Fórum Pernambucano Permanente Pró Vida ("FPPPV"), movimento formado por cristãos cujo objetivo, entre outros, é a "defesa da vida", procurou o "Folha de Pernambuco", um dos principais jornais do estado, para comprar espaço publicitário e divulgar a campanha: "Pernambuco não te quer: exploração sexual de menores, prostituição, pedofilia, homossexualismo e turismo sexual". 
Para olhos menos atentos, como foi o caso, a campanha parecia benéfica. Vindo de um grupo que se diz cristão e pretendendo combater alguns males sociais repudiados por pessoas de bem [heterossexuais e/ou homossexuais], o jornal veiculou a propaganda no dia 3. A partir daí, o mal-estar foi geral. A inclusão da palavra 'homossexualismo' entre as demais causou indignação em todo o país, tendo início, como sempre, nas principais redes sociais da internet.

A prefeitura da capital pernambucana e o Recife Convention & Visitors Bureau, que cuida do Turismo de lá e, desde 2009, aposta e se empenha no segmento LGBT para o turismo na terra do frevo e do maracatu, partiram pra cima da FPPPV. 

Em nota de esclarecimento, a prefeitura reforça o posicionamento homofóbico da instituição responsável pelo anúncio e esclarece que o mesmo "não reflete a realidade vivenciada pelos turistas e desrespeita frontalmente o público LGBT, apropriando-se indevidamente do conceito de uma marca construída pela gestão municipal ao longo dos últimos anos, o "Recife Te Quer".  O Recife é reconhecidamente um destino friendly e não compartilha com qualquer ato de homofobia". Por último, o "recado para todas as cores, religiões, opções e diversidades: o Recife te quer sempre". 
O jornal "Folha de Pernambuco" também se defendeu. Em sua página do Facebook, publicou:
"Erramos! Pedimos desculpas e garantimos que tal episódio não se repetirá. Sobre o anúncio publicitário do instituto Pró-Vida publicado na edição de segunda-feira, 3 de setembro de 2012, a Folha de Pernambuco afirma que seu conteúdo de forma alguma reflete a opinião do jornal, cuja prática sempre foi a de divulgar e promover todas as ações que esclarecem e propagam a tolerância e o respeito aos direitos humanos [...] Reconhecemos como dever assegurar o respeito ao próximo e não tolerar qualquer tipo discriminação, seja ela racial, religiosa ou sexual".

Já o presidente do FPPPV, não demonstrou arrependimento: "O objetivo da campanha foi protestar contra as campanhas publicitárias do Governo do Estado. Nosso movimento não considera corretas práticas como o homossexualismo ou a pedofilia e nós queremos chamar a atenção do poder público para isso". 

Como dizem por aí, errar é humano, mas persistir no erro é... É o que mesmo?

Assim se combate o mal pela raiz. Uma campanha como esta, camuflada de boas intenções, é capciosa, é sorrateira, é como aqueles anúncios com mensagens subliminares. Ela poderia afetar mentes desavisadas as quais sequer, até então, processavam informações homofóbicas. 
Parabéns ao Recife, éden de praias paradisíacas, sol o ano todo e pessoas bacanas e queridas como os amigos Serginho Tavares e ManDrag (impossível não lembrar de vocês ao escrever essa matéria).




5 comentários:

  1. Parabéns ao Recife, parabéns ao Governo ... se bem q, nesta atitude vi um pouco de interesses meramente econômicos nas justificativas oficiais para o fato de estar contra a FPPPV ... ou estou enganado?

    Mas valeu, apesar disto ...

    ResponderExcluir
  2. pois é, qria ver a opinião do serginho e do mandrag nessa estória...

    ResponderExcluir
  3. Primeiro, o jornal errou em ter deixado algo ser publicado assim. Mesmo que tenha sido uma matéria paga NINGUÉM leu o que seria colocado? Aqui em Recife todos repudiaram essa tal de "F-sei-lá-que-porra-é-essa" que sinceramente a população só veio descobrir que existia agora.
    Se existe uma interesses meramente econômicos como disse o Bratz acredito que sim, tem funcionado, só me pergunto é o que vai acontecer quando deixar de funcionar?

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.