Após assumir que é gay em 2006, Thammy Miranda nasceu de novo: deixou pra trás o posto de rainha do rebolado que herdaria da mãe, a cantora Gretchen, e passou a se portar e a se vestir de acordo com a pessoa que nunca havia sido parida ao grande público. O nome de batismo, Thammy de Miranda, parece que se estendeu ao artístico por causa desse renascimento - no Wikipedia, consta Thammy Gretchen.

A agora atriz, esteve ontem no programa Altas Horas, 8 de setembro, para falar sobre sua personagem de 'Salve Jorge', próxima novela das 21h: 
"...Faço uma policial que vai ser engraçada e vai meter o bedelho onde não deve...."
Sobre a nova carreira, ela já havia revelado: "Estou amando tudo. É como se finalmente tivesse encontrado algo de que eu realmente goste. Antes eu desistia de tudo.”

Durante o programa ontem, Tammy fez uma pergunta para Laura Muller: “Existe mulher que não tem orgasmo de jeito nenhum?” Após a sexóloga responder que sim, Thammy comentou: “Que triste”.

Ela também relembrou os momentos difíceis da época em que revelou a homossexualidade à família:  
“...Foi um tormento na minha vida. Minha mãe me levou na igreja e me deu uma surra..."

Dias antes, Thammy posou para a revista Trip [acima]. 
Bem maquiada e fazendo caras e bocas, ela soltou algumas pérolas dignas de um quadro de humor: 
"Quando estava com 25 anos, fui ao ginecologista com minha mãe. Chegou na hora, o médico falou que não dava para fazer o tal exame. Minha mãe, que estava junto, perguntou se eu tinha algum problema. O médico virou e disse: ‘Problema, não. Mas ela ainda é virgem’. Ela não se conformava: ‘Pelo menos experimenta pra ver se você gosta!’ 
"Acho que, naquele dia, caiu a ficha dela e ela entendeu que eu não gostava mesmo de homem."
Outra novidade da filha de Gretchen, é a tatuagem no braço direito. Em agosto, ela postou no Twitter a foto no momento final da tattoo e comentou: "Cobrindo! Aiii q dorrrr. Animal".

Se alguém ainda duvida que Thammy fez a coisa certa - se deveria ter jogado pro alto o posto de mulherzinha rebolativa -, ela põe uma pá de cal no assunto: 
"Se considerar como eu me sinto internamente, acho que eu deveria ter nascido homem porque não consigo pensar como mulher. Quando me via no espelho, olhava uma coisa e me sentia outra. Tanto que não conseguia comprar roupa. Minha mãe comprou roupa para mim enquanto fui menina. Eu não sabia combinar um brinco com uma pulseira, um sapato com uma saia...”.

4 comentários:

  1. ela não conseguia se vestir pq aquilo tudo era uma agressão pra ela, ela sentia-se mal por ter q carregar os simbolos femininos sobre seu corpo como maquiagem, bricos e saias, deve ser mais dificil para uma mulher nesta situação pq a sociedade impõe esses simbolos a elas de forma extremamente mais dura.

    ResponderExcluir
  2. ela teve coragem de assumir quem de fato era. parabéns pra ela e pra Glória Perez!

    beijos pra você e não deixe de ir no meu novo blog: http://excentricomercurio.blogspot.com.br/
    o JeD vai entrar de férias beeeeeeeeeem prolongadas...


    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.