Quem admira o trabalho ou somente a pessoa de Javier Barden? Eu eu eu!!! 
Desde que descobri que ele ia protagonizar o novo vilão da franchise James Bond – 'Skyfall' – eu fiquei elétrico  Eu sou grande fã dos filmes 007 e desde que Daniel Craig assumiu o papel ficou melhor ainda. Aquele ar nonchalant deste britânico é de tirar o fôlego. Anyway, os dois na tela, ao mesmo tempo, é muita testosterona para uma pessoa só. 
Melhor ainda será a cena em que os dois assumem algo mais arriscado - vamos dizer algo mais intimo. Barden, ou melhor, Raul Silva, tem Bond prisioneiro e começa a acariciar o peito do agente. E logo James Bond responde: “Voce pensa que esta é a minha primeira vez”?


A reação da imprensa internacional, até agora, está um tanto quanto devagar porque o filme só foi lançado em alguns países europeus. Durante a entrevista coletiva, na semana passada em Londres, Graig revelou que a cena é mais “um jogo de poder” entre os dois homens. Raul quer colocar James numa situação típica do poker na qual não se sabe o que é blefe ou verdade. Perguntado se achava que Raul Silva é gay, ele respondeu: “ na minha opinião ele f*** qualquer coisa”. 
Desde que assumiu o papel, Craig foi pela ideia de que James Bond deveria incluir homens na sua conquista. Sexo e poder caminham juntos. Conquista e sedução são um jogo perigoso, todos adoram brincar, mas nunca se sabe qual será o resultado final. 
Todos sabemos que 007 é insaciável, mas isto o faria menos masculino? Vulnerável? Finalmente casado?


_____________________________________________
Coluna 'Happening Around"
Silvio Frazão
Sobre o autor:
Jornalista, 40, carioca de nascimento e californiano por opção. Aquariano que sonha com o com o Hugh Jackman, mas também com a felicidade de todos, independentemente de sexo ou religião. Funpage: facebook.com/silvio.f.costa

Um comentário:

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.