Um artigo interessante sobre a imagem que os carecas exercem no mundo corporativo foi publicado no site do The Wall Street Journal e reproduzido pelo O Globo: homens de cabeça raspada são vistos como mais masculinos, mais dominantes e, em alguns casos, com mais potencial de liderança do que os que usam cabelo mais comprido ou que estão ficando calvos. Segundo a matéria, a conclusão foi de um estudo recente da faculdade de administração Wharton, da Universidade da Pensilvânia. Isso talvez explique por que esse visual virou moda entre os líderes empresariais nos últimos anos.

Albert Mannes, professor de gestão da Wharton, realizou três experiências para testar a imagem que as pessoas fazem dos homens de cabeça raspada. Em uma delas, ele mostrou a 344 pessoas fotos dos mesmos homens, em duas versões: uma com cabelo e a outra alterada digitalmente de modo que a cabeça parecia raspada. Nos três testes, os participantes julgaram que os homens de cabeça raspada eram mais dominantes que os que tinham cabelo. Em um dos testes, os homens de cabeça raspada foram vistos até mesmo com dois centímetros mais de altura e cerca de 13% mais fortes do que os de cabelo cheio. O artigo, intitulado “Shorn Scalps and Perceptions of Male Dominance” (“Cabeças Raspadas e Imagens de Dominação Masculina”, em português), foi publicado on-line, e sairá na próxima edição da revista Social Psychological and Personality Science.
Pres. da DreamWorks
Animation SKG,Jeffrey
Katzenberg
, 61

O estudo concluiu que os homens que estão perdendo cabelo, mas ainda não estão calvos, eram vistos como os menos atraentes e menos poderosos do grupo. Isso confirma outros estudos que mostram que as pessoas consideram os homens com a calvície masculina típica como mais velhos e menos atraentes. Para esses homens, a solução pode ser muito simples e barata: raspar a cabeça.

A consultora de imagens Julie Rath, de Nova York, aconselha seus clientes a adotar o corte careca logo que começarem a perder cabelo no alto da cabeça. “Há algo de muito forte, poderoso e autoconfiante em deixar tudo exposto e nu”, diz ela, que descreve o visual meio calvo, ou com um penteado que procura disfarçar a calvície como “meio desmoralizado”.

O visual está pegando. Num estudo de 2010 feito pela fabricante de lâminas de barbear Gillette, uma divisão da Procter & Gamble Co., 13% dos entrevistados disseram que raspam a cabeça, alegando razões variadas, como moda, esportes ou cabelo já em queda, segundo um porta-voz da empresa. A HeadBlade Inc., que vende acessórios para raspar a cabeça, informou que seu faturamento vem crescendo 30% ao ano nos últimos dez anos.
Raspar a cabeça deu a Stephen Carley, 60 (acima), presidente da rede americana de restaurantes Red Robin Gourmet Burgers Inc., uma alavancada na autoconfiança, numa época em que trabalhou ao lado de rapazes de 20 e poucos anos em firmas de tecnologia, nos anos 1990. Depois de raspar o cabelo, já bem escasso, “parei de me sentir como o vovô da firma”. Ele acrescenta que o novo visual lhe deu “a impressão de que ficou muito mais difícil imaginar a minha idade”.

A dica é boa. Agora, é impossível não associar essa visão corporativa à sexual, ou seja, será que ela se aplica também à atração física? O que achou dos atores Brad Pitty e Vin Diesel nas versões calvo, cabeludo e careca? Confira mais imagens de famosos e anônimos no slideshow abaixo.

5 comentários:

  1. Confesso que sou chegada.... MUITO chegada!!!! kkkk

    Beijos Junior

    ResponderExcluir
  2. vin Disel é o melhor dos exemplares, kjekekek, delicia de careca!

    ResponderExcluir
  3. alguns carecas como estes mostrados no slideshow eu curto
    e muito!

    ResponderExcluir
  4. Não só elas mas eles tb ... sou prova viva disto ... kkkkkkkkk

    bjão

    ResponderExcluir
  5. O kit anti-homofobia pode até ter sido reprovado pela dificuldade das pessoas em lidar com o assunto.Mas que ele era muito mal feito isso era.

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.