Enquanto igrejas de vários tipos e pessoas ligadas a elas se desgastam na contramão da luta a favor dos direitos civis dos homossexuais, o mundo continua girando como demonstração de que a vida segue em frente.
O século XXI chegou faz tempo e é certo que as leis acompanham a evolução dos tempos, principalmente nos estados laicos, como é o caso do Brasil, onde religião não é fonte de materialização de suas normas. Fato é que, cedo ou tarde, os gays terão todos os seus direitos civis salvaguardados.
Os que têm pés no século XXI e visão no amanhã não só apostam como fazem questão de apoiar esse compromisso com o futuro. O Google e a Apple são duas das multinacionais que se juntaram para investir em vídeos promocionais na defesa daquele que está se tornando o maior desafio dos gays dentre os direitos civis de um cidadão: o casamento. O direito de realizar, sacramentar, oficializar o amor e a família. Em tempos de união estável, o casamento é uma das maiores provas de amor que alguém pode conceder.
O primeiro dos vídeos abaixo foi feito com alguns funcionários do Google Brasil, entre os quais o presidente da empresa, Fábio Coelho. Eles se reuniram em maio deste ano para gravá-lo. Através do canal 'Life at Google', você pode acompanhar mais vídeos.
Os seguintes [em inglês, mas com possibilidade de transcrição por legendas], foram gerados recentemente pelo canal 'New Left Media' para conscientizar eleitores de quatro estados norte-americanos que ainda não votaram no plebiscito que visa proibir o casamento entre pessoas do mesmo sexo.
Assista.
xxx xxx xxxx

3 comentários:

  1. Eu fico tao grato pela comtribuicao destas pessoas e pelo fato que Bill Gates e Melinda Gates doaram mais de 500 mil dolares para a campanha a favor do casamento igualitario (eu nao gosto da palavra casamento gay). Belo trabalho Jr.

    ResponderExcluir
  2. é tão bom ver coisas boas de vez em quando né?

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.