‘Boi de Piranha’ é um termo muito comum no meio jurídico. Na esfera criminal era mais usual, mas como política tem essas coisas - ou melhor, políticos -, o termo ganha proporções consideráveis também na cível. 
Trata-se de um esquema armado que envolve um laranja como autor de uma demanda judicial contra o adversário de um político. O advogado do político interessado faz a peça, distribui a ação e todos aguardam o desenrolar judicial. Menos o "réu", claro.
A intenção não é outra senão danificar a imagem do pseudo réu perante a opinião pública. A ação, o juiz, escrivão, escreventes, enfim, todo o poder judiciário que se dane.
Agora, façamos uma analogia. Coloque o José Serra, seus assessores, os gays, o Fernando Haddad e o 'Kit Gay' numa panela só. O resultado da receita é uma 'caldeirada de boi gay de piranha'.
Correu no Facebook uma imagem do Serra com a seguinte frase: "Serra, para de usar os gays como boi de piranha". Não vi quem divulgou, não salvei a imagem e não a encontrei mais. Logo após, notícias sobre o candidato à prefeitura de São Paulo, extensivas ao fato de ele ressuscitar o 'kit gay', não param de sair na internet. Trazer à tona um assunto outrora batido na imprensa, que só causou desgaste à comunidade LGBT, só poderia exalar cheiro de 'boi de piranha'!
Em entrevistas aos jornais 'Folha de S. Paulo' e 'O Estado de S. Paulo', Serra disse que o kit anti-homofobia feito pelo Ministério da Educação durante a gestão de Fernando Haddad (PT) tem “aspectos ridículos e impróprios” e se trata de “doutrinação e malfeito”.
Haddad, por sua vez, se irritou com Serra e com o retorno de algo que nem foi. Quando repetidamente perguntado pela imprensa se limita a responder que cansou do que julga ser "ataques pessoais" do adversário: 'Ele sempre distorce a informação e não vou mais comentar, já estou cansado desse tipo de ataque', disse a um repórter.
Essa história tem muito pano pra manga: Gilberto kassab, Marta Suplicypastor evangélico Silas Malafaia (elementar), e até a ABGLT estão no furdunço. Mas acredito que já é o suficiente pra entender o esquema baixo de Serra - mesmo sendo um político. O problema é que ele se dizia 'grande defensor dos direitos humanos".  Pois, sim. 
Pra finalizar, vale a pena ressaltar o envolvimento da ABGLT citado acima porque faz por merecer. Toni Reis, o presidente, escreveu uma carta em resposta às declarações de Serra na qual, entre outros esclarecimentos, classifica suas opiniões como “uma manifestação do legítimo pré-conceito”, mas também manda o recado:  "Não manche sua biografia nem rife os direitos dos gays usando a causa dos homossexuais para gerar polêmica em época eleitoral."
Só faltou dizer pra Serra não entrar nos delírios de Malafaia. Em apoio ao tucano, o pastor foi o responsável por uma série de vídeos publicados na internet nos quais ataca Haddad pela distribuição do 'kit gay'.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.