Quer fazer paródia? Legal, é divertido. Quer fazer paródia gay? Mais legal ainda, mas seja no mínimo criativo, caramba!
Fui atrás do autor de um vídeo publicado ontem cujo número de acessos é considerável. A curiosidade surgiu por causa da relação: custo & benefício. O 'custo' aqui não é referência a dinheiro, claro, mas de tempo [perdido] e o 'benefício' é a satisfação [zero]. 
Então, como explicar os mais de 50 mil acessos em menos de 24 horas?
Só compreendi após verificar que se trata de um grupo de jovens que faz humor na internet já há algum tempo [desde 2006] - com sucesso - conhecido como 'Galo Frito'. No meio da autoanálise [no site], eles escreveram:
"(...) O Galo Frito é um programa de humor, com esquetes humorísticas em forma de curtas-metragens, muito diferente do que você já conhece, trazendo sempre um humor rico em gordura trans!.."
"Muito diferente"? É mesmo?
"Atenção Galofritenses! Chegou o tão esperado momento de lançarmos uma paródia de ONE DIRECTION, a banda mais homossexual desde Restart. Se você for uma fã de One Direction tem um espaço ali em baixo para você depositar seus xingamentos. Para as demais pessoas de bom senso, assistam ao vídeo."
E com essas palavras, um tanto confiantes demais, o Galo Frito anunciou o lançamento dessa paródia. Só faltou referência às pessoas de bom-senso que não são fãs do 'One Direction' e que acharam o vídeo aborrecido. Elas fazem o quê? Assistem, bocejam e vão embora!
O resultado é uma sucessão de 'inho': bem produzid-inho, bonit-inho e colorid-inho, mas, para quem se julga 'muito diferente', a paródia é uma caricatura retrógrada. Remonta o espectador aos extintos [graças a Deus] programas brasileiros de humor da década de 1980 e início da de 1990 quando tentavam fazer graça com personagens que arremedavam gays fazendo uso de gestos, caras e bocas exageradamente afeminados. Não tinham a menor preocupação com criatividade. Mas lá, a época era outra, o preconceito era ainda mais excessivo.
Fazer sucesso na internet é muito bom, mas se começar a contar com o ovo antes da galinha - no caso deles, do galo (que nem cruzou com a galinha) -, fica preocupante. Em outras palavras, quem começa a viver da tradição do que já foi [o grupo tem 6 anos de estrada] e acha que não precisa se esforçar ainda mais pra agradar o seu público, é sinal de declínio. 
Afinal, aonde está o 'muito diferente' desse vídeo? Nos palavrões? Faz-me rir. Ok, eles conseguiram.


8 comentários:

  1. Seria só absurdamente sem graça se não fosse principalmente nojento!

    ResponderExcluir
  2. Triste nao? E o linguajar! Anyway, fiz o meu papel e fiz uma longa critica para o Youtube nao por causa da critica mas pelo uso das palavras que eu achei inapropriadas. Como vc ressaltou bem JR e' tudo inho, mas nada engracadinho. Quem escreveu a parodia e' gent-inha. Eu estou legal deste estereotipo MESMO!!!!

    ResponderExcluir
  3. Ju, boa tarde! Eu li toda a postagem e acabei de ver o vídeo. Acho também involutivo, mas por outro lado não acho que seja culpa de quem faz o vídeo e sim do que anda inspirando os vídeos. Eu fui massacrado por ter escrito que os gays estão todos iguais e depois de hoje e eu vejo que não estou tão errado. Ser gay não é ser isso que está representado no vídeo, eu também não gosto dessa representação, mas a imagem que os gays estão passando ultimamente, é essa, infelizmente. Entendo que existam culturas de massas e que pode ser uma coisa específica, mas poxa, a gente demorou tanto pra conquistar tanta coisa, como respeito por exemplo, e estamos cada dia conquistando mais coisas, r não podemos nos deixar ser desrespeitados. O Foxx me achou extremamente preconceituoso, coisa que eu não sou, porque eu tenho lidado com preconceitos. Sou tachado totalmente "fora dos padrões" por ser como eu sou. Nem todo mundo é igual, concordo também, eu mesmo sou super diferente dos gays que conheço, com exceção dos meus amigos mais próximos, mas a maioria não se encaixa nesse estereótipo de gay. O Augusto (Crowley) escreveu uma coisa interessante comentando a minha postagem: "Sem contar que gay tem que ser lindo, senão não é gente..." Até quando? Eu vejo esse vídeo como um reflexo do atual mundo gay, que não admite nada a não ser perfeição. Eu sou feio, careca, uso óculos, gosto de video-games e ainda me perguntam: "Nossa, você é gay? Mas por quê? Você não tem nada a ver com gay!" Será? Será que eu tenho que ser assim para ser classificado gay? Eu tenho que obrigatoriamente ter um cabelo bonito, ser magro, usar gola V até umbigo e me comportar de maneira afeminada para ser gay? Tenho que ouvir só música pop e fazer carão o tempo todo? Acho que não. Gosto de tudo um pouco e o meu ecletismo não é nocivo pra mim. A paródia em si - mudando de pato pra ganso (ou melhor de galo pra ganso)- é ridícula e totalmente dispensável. O povo acha que é só pagar de engraçadinho que já é humorista. Também não gosto do Galo frito, são sem graças demais, em tudo o que fazem. E em outra coisa eu não concordo com você: eu amo os programas de humor dos anos 80, TV Pirata é o melhor! Uffa! Beijão querido.

    ResponderExcluir
  4. Ju, acabei de ver seu comentário lá. A parceria com o Abapha é aquela das antigas, só pra linkar o blog de novo aqui no idg e eu linko o idg lá no abapha. Posso fazer isso? Se puder, fico muito feliz. Beijos e bom final de semana pra vc também.

    ResponderExcluir
  5. Fer, obrigado pelo interessantíssimo comentário. Você complementou a postagem, pois explicou a falta de criatividade da qual eu tanto critiquei no vídeo e nos programas humorísticos da tevê de outrora. Só usou um exemplo que foi covardia (rs): TV Pirata. Este é a exceção das exceções. Tão atual e inteligente que ainda serve de modelo pra quem precisa de um. Sem falar que não consigo lembrar de personagens gays caricatos no TV Pirata! Tinha algum?
    Bjaum.

    ResponderExcluir
  6. Claro que sim. Vou por a url do Abapha na lista, ok? Bjaum.

    ResponderExcluir
  7. Tinha o Bambi - Rambo que o Diogo Villela fazia e também alguns do Guilherme Karam, o Agronopoulos na novela Fogo no Rabo se apaixonava pelo irmão da Natália e os dois tinha um romance. Tinha a Darcy também que o Luís Fernando Guimarães fazia que era bem esquisita... mas de caricatos acho que não, eles pegavam pesado mas não era tãooo caricato. Ps.: Só sei disso tudo porque consultei meus DVDs, não lembrava o nome de ninguém. hsuahsua Bjos e obrigado pela força sempre.

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.