Imagens: John Clanton - Tulsa World 
Existem histórias que me emocionam e por isso eu gostaria de contar a saga de Katie Hills e Arin Andrews, dois adolescente in love. Eles se conheceram há algum tempo numa blind date, por causa de suas mães que decidiram que os dois deveriam se encontrar. Desde então eles se tornaram inseparáveis  O que faz esta historia especial? Os dois são transexuais e pela fotografia você pode sentir o carinho que um tem pelo outro.

Katie, nasceu Lucas e desde pequena sabia que havia algo errado em seu corpo. O seu maior sonho sempre foi entrar na igreja vestida de noiva. Recebeu maus tratos na escola quando estava cursando a high school, foi humilhada e aos 15 conversou com os pais sobre o que era “ser uma mulher presa num corpo masculino”. Foi então que resolveu usar roupas femininas. Em maio deste ano, ao completar 18 anos, decidiu fazer a cirurgia de mudança de sexo. Foi através de uma doação que Katie conseguiu a cirurgia em San Mateo, Califórnia.  Um anjo anônimo ouviu sobre a luta e esforço de Katie em ser transgender e fez uma doação de 40 mil dólares, o que significou seu passaporte para a felicidade. 

Arin tem 16 anos e nasceu Emerald. Como garota, participou de vários concursos de miss mirim, mas sabia que por trás da face angelical e dos vestidos rodados existia outra pessoa. Ele anunciou aos pais o que estava acontecendo em seu universo durante um recital de balet e eles foram completamente a favor da felicidade do filho. Hoje, tomando hormônio e levantando pesos, Arin espera adquirir um corpo mais masculino. 


Katie, com ajuda do grupo de pais, famílias e amigos do grupo LGBT de Tulsa, Oklahoma (aonde vive), recebeu uma bolsa e está estudando na Universidade de Tulsa, enquanto Arin ainda está na High School. Após a cirurgia, Katie tinha ideia de apagar o seu passado como homem, mas decidiu ir a publico com sua nova identidade e história acreditando que sua jornada pode ajudar várias pessoas que estão passando pelos mesmos desafios.

Enquanto isso os dois pombinhos estão em completa felicidade. Arin acredita que Katie é "a garota mais doce e linda de morrer da cidade” e Katie diz que Arin é "o homem de sua vida”.

Como em vários outros estados norte-americanos, Oklahoma ainda sofre preconceito. Casais do mesmo sexo e/ou famílias chefiadas por casais do mesmo sexo não são elegíveis nos programas de proteção disponíveis aos casais heterossexuais. No entanto, Katie e Arin contam com a proteção da família e dos amigos e têm um longo caminho pela frente.
_____________________________________________

Silvio Frazão
Sobre o autor:
Jornalista, 40, carioca de nascimento e californiano por opção. Aquariano que sonha com o com o Hugh Jackman, mas também com a felicidade de todos, independentemente de sexo ou religião. Funpage: facebook.com/silvio.f.costa

Um comentário:

  1. Lá como aqui o preconceito e a imbecilidade ainda imperam ... mas mesmo assim ainda estão anos luz à frente de muitos outro países ... pelo menos contam com o carinho e a compreensão da família ... felicidades ao casal ...

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.